Seu Automóvel

Recall como do Renault Kwid assusta até quem não pegou o carro; há riscos?

Divulgação
Kwid: falhas nos freios e na mangueira de combustível o colocam no sexto maior recall do ano Imagem: Divulgação

Fernando Miragaya, Eugênio Augusto Brito

Do UOL, no Rio (RJ) e em São Paulo (SP)

30/11/2017 04h00

UOL Carros ouviu donos, interessados e especialistas para listar problemas e benefícios de um "mega recall". E ainda listamos as maiores convocações do ano

Ter o carro envolvido em um recall desanima e assusta qualquer cliente. O que dizer então quando a convocação envolve um carro que acaba de sair da loja para sua garagem ou, ainda pior, um dos modelos mais aguardados e vendidos do ano? Após o anúncio de recall total do Renault Kwid, UOL Carros procurou quem já havia comprado, quem ainda iria comprar e também especialistas para tentar entender dramas e riscos.

Mas acalme-se: recall é um procedimento necessário, é bom e salutar que exista (economicamente falando, já que representa a preservação do direito do consumidor de ter um produto funcionando de acordo com o prometido, ainda que tenha ocorrido uma falha construtiva) e o caso do Kwid nem é o mais complicado do país.

Listamos por ordem decrescente de carros envolvidos em chamados (do maior para o menor número de unidades) este ano: o caso do Kwid ocupa a sexta posição entre as maiores ações de recall do ano no Brasil (34.838 unidades). É grave mais pelo dano de imagem produtiva: envolve todas as unidades do Kwid feitas no Brasil, inclusive aquelas produzidas antes da venda começar, ainda nas fases de teste e mais milhares de unidades de Sandero e Duster. Todos estão sujeitos a duas falhas: trincas em partes dos freios, bem como falhas no duto de combustível no compartimento do motor, o que pode levar a incêndio.

Mas está bem longe, por exemplo, das quase 600 mil unidades de modelos da Toyota (Corolla, Etios, Etios Sedan, Hilux e SW4) com problemas de airbag, maior convocação do ano aqui no Brasil.

Ranking dos maiores recalls de 2017 no Brasil pode ser acompanhado com um clique aqui, mas vamos voltar às respostas sobre o caso do Kwid.

Veja mais

+ Veja nossa avaliação sobre o Kwid
Nota zero do Onix é retrocesso, diz Proteste
+ Marcas de luxo dominaram recalls em 2016
+ Renault convoca todos os Kwid, além de Sandero e Duster

Quer negociar hatches, sedãs e SUVs? Use a Tabela Fipe
Inscreva-se no canal de UOL Carros no Youtube
Instagram de UOL Carros
Siga UOL Carros no Twitter

"Montanha russa" de informações assusta

Quando você acabou de retirar o veículo após meses na lista de espera, ou ainda vai apanhar o modelo na loja, a ducha de água fria de um recall total pode ficar congelante. E a sucessão de notícias de diferentes vertentes -- com informações que "levantam" ou "derrubam" o carro -- certamente deixa clientes ainda mais perdidos:

O subcompacto foi lançado em agosto de 2017 já com fila -- a espera podia chegar a quatro meses, conforme a versão.

Sucesso alavancado pelos preços (entre R$ 30 mil e R$ 40 mil) e pelas condições de pagamento, que previa sinal parcelado em três vezes no cartão de crédito, fez o modelo ser o segundo mais vendido do Brasil logo na estreia nas ruas.

Em seguida, despencou no ranking de entregas (parte por "problemas de produção", parte por seguir "ciclo normal de entregas fora do 'hype' inicial", nas diferentes justificativas da Renault), com o "mega recall" em seguida.

Na esteira, porém, um ótimo resultado no teste de segurança do Latin NCAP: o carrinho obteve a nota máxima que poderia tirar por suas características: três estrelas, superando Onix, Ka e até Mobi e HB20.

Vale ou não vale ter um Kwid? É seguro ou não é seguro andar com um?

Contatamos o servidor público Hudson Campos, morador de Águas Claras (DF), que encomendou o hatch em 25 de setembro e deve pegar o carro apenas na primeira quinzena de dezembro. Ele confessa: já pensou em desfazer o negócio, mas ainda aguarda.

"Tenho acompanhado as notícias e confesso que nesse período de espera já pensei em desistir da compra. Pretendo esperar um pouco mais, porém, se não sair até até a segunda semana de dezembro, vou atrás de outro carro", afirmou Campos.

Arquivo pessoal
Marília de Melo ficou com o Kwid, mas abriu mão de pegar estrada até fazer o recall, já agendado Imagem: Arquivo pessoal
Pé no freio

Já a analista de conteúdo Marília Correia de Melo garante que nem cogitou devolver o Kwid. Moradora de São Paulo, ela já está com seu Kwid Intense na garagem desde o dia 13 de novembro. "Recall pode acontecer com qualquer carro, não me incomodo”, garantiu.

Ela acabou de agendar o serviço, que ficará para 8 de dezembro, e admite ter mudado o uso com o carro até fazer o conserto. "Não estou preocupada, mas tenho sido mais cautelosa. E não vou pegar estrada até fazer o reparo", afirmou.

Em Belo Horizonte, Ivan Vilhena de Vasconcelos também evita sair com o Kwid. Ele fez a pré-compra da versão Intense em setembro e nem precisou esperar muito pela entrega -- foram 15 dias. "Provavelmente teve alguma desistência e me ligaram", acredita o servidor público.

Problema foi que comprou o carro para dar de presente à filha Isabela, que está em processo para tirar a CNH. "Evidentemente não gostei de comprar um carro que já vem com problema na mangueira de combustível e nos freios. E a questão do freio é bem mais grave, pois diz respeito à segurança do carro", desabafou.

Como tem outro veículo, Vasconcelos deixou o carro na garagem até conseguir fazer o reparo e presentear a filha. "Na semana passada liguei e fiquei 15 minutos no atendimento automático da concessionária, mas a ligação caiu e não tive paciência de ficar na fila de novo. Estou esperando manifestação da Renault e, enquanto isso, parei de usar o Kwid, pois estou preocupado. Afinal, é um carro que será presente".

Arquivo pessoal
Ivan Vasconcelos: Kwid era presente para a filha, mas segue na garagem Imagem: Arquivo pessoal

Direitos do comprador

Como dissemos, o recall está previsto no Código de Defesa do Consumidor (Lei 8.078/90 do CDC), que diz que as empresas não podem colocar à venda no mercado produtos ou serviços que apresentem alto grau de risco à saúde ou segurança das pessoas. E que isso é um bom mecanismo de proteção ao comprador e de maturidade do mercado. Mas o reparo precisa ser rápido e sem estresse para o comprador. 

"Caso o fornecedor venha a ter conhecimento da existência de defeito após a inserção desses produtos ou serviços no mercado, é sua obrigação comunicar o fato imediatamente às autoridades e aos consumidores", declarou o Ministério da Justiça em comunicação.

Há ainda um alerta feito pela Proteste (Associação Brasileira de Defesa do Consumidor), observando que os compradores que já efetuaram a compra do veículo, mas ainda não o retiraram, exijam que a entrega só seja feita após o reparo. Além disso, em caso de transferência de propriedade do carro, já é obrigatório que conste da documentação do veículo a passagem pelo recalls registrados. 

Ou seja: só receba o Kwid zero-quilômetro (ou qualquer carro novo envolvido em convocação) se a loja provar que ele já passou pelo recall. Isso vale para Hudson Campos, para Ivan Vasconcelos e para você que também comprou, mas ainda não recebeu seu Kwid. Mas também vale em caso de semi-novos e usados: confira se o recall para aquele modelo foi atendido pelo proprietário atual.

Ainda segundo a Proteste, os clientes não devem tolerar prazos muito longos para execução do serviço. Qualquer problema deve ser levado aos órgãos de proteção, caso da própria Proteste, do Procon e dos Juizados Especiais.

"Caso os consumidores tenham qualquer problema para trocarem a peça, deverão entrar em contato com os órgãos de proteção ao consumidor, considerando que não são raros os casos em que o fabricante não tem a peça disponível ou ocorre uma demora muito grande para conseguirem agendar o serviço", explicou a advogada Sonia Amaro, da Proteste.

Reprodução/Latin NCAP
Apesar do recall, Kwid é um dos mais seguro dentre os populares de entrada, à frente de Onix, Ka, HB20 e Mobi Imagem: Reprodução/Latin NCAP

Ainda um bom negócio?

Apesar do susto do recall, os clientes procurados se dizem satisfeitos, tudo graças ao custo/benefício ainda elevado do carro.

"Estou adorando o carro. Acho que ele correspondente perfeitamente à proposta de um subcompacto urbano. Pesquisei bastante e nenhum outro automóvel oferecia tantas coisas pelo preço que eu paguei", garante Marília Melo.

"Se for olhar no mercado, não se consegue carros por menos de R$ 48 mil que ofereçam esses mesmos equipamentos da versão Intense", comparou Ivan Vasconcellos

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Mais Seu Automóvel

Topo