Topo

Testes e lançamentos

Lexus NX 300h: SUV híbrido é confortável e feito para desfilar

Vitor Matsubara

13/10/2018 08h00

Design é ponto forte do modelo de R$ 229.990, mas faltam desempenho e tecnologia

"Omotenashi" é uma palavra da língua japonesa difícil de ser explicada até pelos próprios japoneses. O termo pode ser traduzido, de forma simplificada, como "hospitalidade" e prega pela prática de receber bem as visitas. É assim que a Lexus quer que o cliente se sinta dentro do NX 300h.

De fato, o SUV lançado no país em 2015 agrada os ocupantes e agora, além disso, é híbrido. A versão avaliada por UOL Carros foi a Luxury, de R$ 229.990. A marca, aliás, não quis esperar a oficialização do "Rota 2030" e já pratica uma nova tabela de preços, originalmente prevista para vigorar apenas em novembro. Agora os preços do SUV variam de R$ 219.990 a R$ 249.990 -- os valores iniciais iam de R$ 229.670 a R$ 260.990.

Mesmo não sendo referência em luxo, ele tem acabamento de boa qualidade, combinando couro com plásticos de textura macia. Assim como outros modelos da Lexus, o NX dá um toque de sofisticação à receita da Toyota, com peças bem encaixadas e comandos ao alcance dos olhos e das mãos -- ainda que o excesso de botões agrupados pode confundir os ocupantes. O espaço interno é bom principalmente atrás, onde dois adultos altos viajam com folga. Por falar nisso, os bancos dianteiros são extremamente confortáveis, com apoio lombar melhor do que muitos modelos alemães.

Veja mais

"Primo" rico do Toyota C-HR, Lexus UX chega ao país em 2019
Quer negociar hatches, sedãs e SUVs? Use a Tabela Fipe
Inscreva-se no canal de UOL Carros no Youtube
Instagram oficial de UOL Carros
Siga UOL Carros no Twitter

Mordomias a bordo

O NX 300h parece ter sido um carro feito para americanos. Ele traz todos os ingredientes que o consumidor de lá adora. Um deles é a suspensão com calibragem solta demais: assim como alguns modelos da Toyota, ela prioriza o conforto a bordo, mas mal trata os passageiros em pisos irregulares. Outra característica adorada pelos norte-americanos é a comodidade: além do sensor para abrir a tampa traseira com o pé (que funciona muito bem, por sinal), o SUV tem até comandos elétricos para rebater os bancos de trás.

O design ainda não dá sinais de cansaço. Alguns torcem o nariz para a grade frontal chamada "Spindle Gril" (que evoca um carretel), um pouco desproporcional até para um SUV. Faróis (que são Full LED) e lanternas têm setas sequenciais e luzes em formato de "L", marca registrada dos modelos da Lexus. Se a dianteira é controversa, a traseira agrada pelos traços arrojados. As lanternas em formato de bumerangue “conversam” bem com os vincos da tampa. Mesmo sendo um carro com quase três anos de mercado, o NX chama muita atenção nas ruas.

Podia andar mais

Pena que o desempenho não condiz com a esportividade sugerida no visual. A Lexus trocou o antigo 2.0 turbo de 238 cv pela tecnologia híbrida -- não há mais motorizações a gasolina disponíveis no Brasil. Agora o SUV é movido por três motores: um 2.5 de quatro cilindros movido a gasolina com 155 cavalos e 21,4 kgfm de torque máximo; um motor elétrico síncrono de ímã permanente, para as rodas dianteiras, com 143 cv e 27,5 kgfm, além de função de renegeração de energia; outro elétrico para as rodas traseiras, de 67 cv e 14 kgfm, também regenerativo.

O SUV também sai de fábrica com tração integral, por conta da motorização por eixos, que direciona o torque para duas ou quatro rodas conforme necessidade para melhorar a tração em pisos de diferentes aderências.

A fabricante diz que o sistema varia a potência entre o motor a gasolina e o elétrico, alternando ou combinando os dois, conforme necessário. Parece promissor, né? Só que a potência combinada é de "apenas" 194 cv. Falta um pouco de fôlego nas acelerações e retomadas, e o nível de ruído foge do normal para um veículo com proposta premium.

Há seletor de modos de condução (Normal, Eco e Sport) com uma opção 100% elétrica, recomendado para curtos trajetos em baixas velocidades. Apenas a versão F-Sport acrescenta um quarto modo chamado Sport+, que atua juntamente com a suspensão ativa para reforçar a sensação de dirigibilidade esportiva.

O consumo de combustível não é ruim, mas ficou abaixo das nossas expectativas para um modelo híbrido -- talvez porque a gente esteja acostumado a ver Prius fazendo mais de 20 km/l. De toda maneira, o NX 300h fez uma média de 12 km/l com gasolina.

Semi-autônomo? Ainda não

Se o NX é uma das poucas opções híbridas do segmento (apenas o recém-lançado Volvo XC60 T8, de R$ 299.990, rivaliza com o modelo em porte), ele fica devendo tecnologias de condução semi-autônoma -- ironicamente um dos quesitos no qual o modelo sueco se destaca.

Mesmo custando R$ 230 mil, o Lexus não tem nada além do controle de velocidade de cruzeiro, e sem função adaptativa -- capaz de acelerar e frear o veículo sem intervenção humana. Pelo menos ele vem com o sistema de assistência ativa em curvas (ACA), que regula a força da direção entre os eixos para realizar curvas mais ou menos fechadas. Segundo a Lexus, isso melhora a estabilidade e o controle, além de aprimorar a eficiência do veículo, uma vez que as "rodas recebem apenas a força extra quando necessário".

Assim, seu comprador precisa apenas seguir duas recomendações: a primeira delas é não fazer questão de tecnologias semi-autônomas e outras modernidades menos importantes, pois há opções mais modernas no mercado, como o já citado XC60. E a segunda condição? Não andar com pressa. Afinal, mesmo na versão F-Sport, o SUV da Lexus não foi feito para empolgar quem busca arrojo dinâmico. Seu negócio é conforto.

Mais Testes e lançamentos