Topo

Testes e lançamentos

Avaliação: VW Virtus tem equipamento para ser líder? Assista e descubra

Leonardo Felix

Do UOL, em Campinas (SP)

22/01/2018 20h00Atualizada em 23/01/2018 11h08

Testamos a versão de topo Highline 200 TSI "completaça", que passa de R$ 80 mil

A Volkswagen não está entrando no jogo para brincar. Isso ficou bem claro ao conhecer as especificações e andar pela primeira vez no Volkswagen Virtus, inédito sedã compacto-médio derivado do Novo Polo e que chega às lojas no fim deste mês para causar dores de cabeça a Chevrolet Cobalt, Honda City, Nissan Versa, Fiat Cronos, entre outros. Clique aqui para ver a lista completa de preços e versões.

Veja mais:

Saiba tudo sobre o irmão Volkswagen Polo
Quer negociar hatches, sedãs e SUVs? Use a Tabela Fipe

Inscreva-se no canal de UOL Carros no Youtube
Instagram oficial de UOL Carros
Siga UOL Carros no Twitter

UOL Carros teve oportunidade de andar com uma unidade da versão de topo Highline 200 TSI em trajeto de 200 quilômetros entre São Paulo e Campinas, incluindo trechos de cidade, rodovia e até pequenas passagens por estrada de terra e circuito fechado.

Constatação: o modelo tem muitos bons requisitos para brigar pelo topo. Gustavo Schmidt, diretor de marketing da marca no país, afirmou à nossa reportagem durante a apresentação prévia que a expectativa é emplacar 3 mil unidades por mês. Não parece uma meta tão ousada assim, não é mesmo? Pois saiba que nessa hipotética toada o Virtus alcançaria 36 mil emplacamentos anuais e viraria... líder do segmento. "Só" isso. Veja no vídeo que abre esta reportagem e também nas linhas abaixo nossas primeiras impressões.

 

Posicionamento de preço

A versão Highline 200 TSI será vendida por mais de R$ 80 mil quando munida de todos os opcionais. Longe de ser uma pechincha, sabemos disso. Entre seus concorrentes o único que se aproxima em preço é o City, que alcança R$ 81.400 na versão EXL. O ponto é que o carro tem estofo para justificar tal posicionamento. Caberá à fabricante saber comunicar as virtudes do Virtus -- com o perdão do trocadilho -- ao consumidor, algo que ela vem conseguindo fazer muito bem com o próprio Polo após aprender as duras lições da baixa aceitação do up!.

Desempenho

Seu primeiro trunfo é o uso do motor 1.0 turboflex de 115/128 cv (gasolina/etanol) e 20,4 kgfm (com qualquer combustível), mais moderno e eficiente que o de qualquer rival. Dotado de injeção direta e com níveis de ruído e vibração extremamente satisfatórios para um 3-cilindros, ele entrega ótimas retomadas -- torque máximo chega logo a 2.000 rpm -- e rodar ao mesmo tempo suave e vigoroso. O câmbio, automático de seis marchas, opera de maneira correta e permite trocas manuais por borboletas atrás do volante.

Tal qual no Polo, o 1.0 TSI do Virtus encontra nas rodovias o habitat ideal para escancarar suas qualidades. Nesse ambiente, segundo o Programa de Etiquetagem do Inmetro, o sedã será capaz de fazer 14,6 km/l com gasolina, nada mau para um carro de 4,48 metros de comprimento e cerca de 1.200 kg. Como comparação, um Chevrolet Prisma 1.4 AT6 obteve 14,7 km/l no mesmo programa, porém medindo 20 cm e pesando 100 kg a menos.

Marcelo Ferraz/UOL
Virtus TSI demonstra ótimo fôlego. Observe também o entre-eixos alongado e o terceiro volume ao estilo "fastback", mesclando traços de Audi, Kia e Ford Imagem: Marcelo Ferraz/UOL

Dinâmica

Surpresa! O Virtus promoveu talvez a ruptura definitiva da tradição de carros "duros" da Volkswagen. No caminho inverso, apresenta calibração de suspensões surpreendentemente macia, mais do que o que vem sendo entregue pelo Polo. Como isso foi conseguido?

Geometria é a mesma do hatch -- McPherson no eixo frontal (com barra estabilizadora nesta versão) e eixo de torção no traseiro --, mas há mudanças importantes na regulagem de molas e amortecedores, além da utilização de pneus com perfil ligeiramente mais alto (64,5 cm de diâmetro, ante 63 cm do Polo). As alterações o deixaram 1,5 cm mais alto que o Polo em relação ao solo (16,5 cm) e "molinho" a ponto de lembrar um Toyota Corolla ao pendular nas curvas. Não é o tipo de comportamento preferido por jornalistas automotivos, mas parece ter sido pensado na medida para agradar o típico comprador de sedãs (que costuma prezar pelo conforto).

Espaço

Aqui temos a grande sacada da Volkswagen, que aproveitou a modularidade da plataforma MQB para dar ao Virtus 2,65 metros de entre-eixos, 9 cm a mais que o Polo e 3 cm acima do Cobalt, antiga referência em seu segmento. Sentando na fileira traseira é possível perceber como está bem resolvida a oferta de espaço para pernas e também para os ombros (são 1,75 m de largura).

Caimento fluido do teto não permite tanta generosidade assim para cabeças -- algo que a engenharia da Volkswagen tentou compensar deixando o assento relativamente baixo --, mas ainda assim é possível um adulto de mais de 1,90 metro se acomodar ali sem dificuldades. Vacilo mesmo foi utilizar uma tampa de porta-malas com braços tipo "pescoço de ganso", e não pantográficos, o que rouba um pouco dos bons 521 litros de volume do bagageiro.

Visual

Da grade frontal à coluna B o Virtus é idêntico ao Polo, sem tirar um cisco. Tudo bem que a fabricante não quer esconder a origem compartilhada dos irmãos, mas não custaria muito mexer em um ou outro detalhe para diferenciá-lo do hatch. A Fiat fará isso no Cronos.

A partir da porta traseira, aí sim, temos um carro bastante diferente. O maior alívio talvez seja constatar que, diferentemente do Polo em relação ao Gol, o "bumbum" do Virtus nada tem a ver com o do Voyage. Linhas de seu terceiro volume, na verdade, remetem bastante a modelos da Audi e também a três-volumes da Ford (como o Fusion) e da Kia (alô, Cerato!). Não será o carro mais belo do mundo, mas passará boa sensação de classe, algo fundamental para um modelo cujo público-alvo terá 43 anos, em média.

Marcelo Ferraz/UOL
Bem que a frente poderia mudar um pouquinho em relação ao Polo, né? Até as rodas são iguais Imagem: Marcelo Ferraz/UOL

Equipamentos

O Virtus Highline é um carro bem equipado, mas vale a ressalva: estamos falando da versão de topo dotada de quase todos os opcionais possíveis, ao custo de R$ 80 mil. Valem destaque: partida do motor por botão; luz diurna em LED; faróis de neblina com cornering light (acionamento automático da luz direita ou esquerda em curvas); retrovisores externos elétricos com função tilt down do lado direito; controle de cruzeiro; ar-condicionado automático digital; saída de ar traseira.

Pacote de opcionais único da versão inclui a central multimídia Discover Media, com tela tátil de 8 polegadas e navegação GPS, e o bastante comentado quadro de instrumentos 100% digital em tela de 10,25 polegadas do Polo. Rodas aro 17 precisam ser solicitadas à parte, assim como rebatimento do banco do passageiro dianteiro e bancos em couro sintético.

Conforto e acabamento

Aqui temos o ponto mais vacilante do Virtus. Acabamento é igualzinho ao do Polo e, portanto, simples demais. Encaixes das peças são corretos, mas não passa disso. É tudo excessivamente sóbrio e "seco", como num carro de entrada. Simplicidade se vê refletida nos bancos, cujo nível de acomodação do corpo não difere muito de um Voyage "pé-de-boi". É preciso ressaltar, contudo, que o veículo ao menos não acusa nenhuma falha ergonômica específica.

Murilo Góes/UOL
Espaço na fileira traseira da cabine talvez seja o maior diferencial do Virtus Imagem: Murilo Góes/UOL

Segurança

Outra vantagem de utilizar a moderna matriz MQB é o padrão de segurança oferecido pelo Virtus, provavelmente o maior da categoria. Assim como o irmão Polo, o sedã obteve nota máxima de cinco estrelas nos testes de impacto do Latin NCAP. Carroceria é reforçada por ótimos níveis de aços de alta e ultra alta resistência, e o modelo ainda conta com quatro airbags (frontais e laterais) e controle de tração em todas as versões.

A versão avaliada por nossa reportagem contava ainda com controle de estabilidade, assistente de partida em rampas, bloqueio eletrônico de diferencial, frenagem automática pós-colisão (ajuda a evitar o chamado "efeito rebote" em acidentes, detector de fadiga, indicador de pressão dos pneus e freios a disco nas quatro rodas com assistentes para secas os discos em caso de chuva e aprimorar a frenagem emergencial anticolisão.

Pós-venda

A Volkswagen também promete oferecer um pós-vendas atraente para o Virtus: pacote de revisões até 60 mil quilômetros na faixa de R$ 2,8 mil para todas as configurações, cesta de peças a preço competitivo e oferta de um manual digital capaz de interagir com o usuário através de aplicativo via celular são as grandes apostas da marca para isso.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{user.alternativeText}}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Mais Testes e lançamentos