Mobilidade

Quem comprou carro elétrico em SP fica sem devolução do IPVA

Murilo Góes/UOL
Toyota Prius é único "carro verde" novo a se enquadrar de fato na regra paulistana de isenção Imagem: Murilo Góes/UOL

Alessandro Reis, Eugênio Augusto Brito

Do UOL, em São Paulo (SP)

20/11/2017 08h00

Carro "verde" é algo caro em todo o mundo, mas no Brasil segue sendo "luxo": custa caro e ainda se tem a ideia de que é algo de "status", não de consciência. Por aqui, híbridos começam sempre acima dos R$ 100 mil, enquanto qualquer elétrico colocado no mercado flerta com os R$ 200 mil. Pior: incentivos são raros e complicados de se obter. E, desde maio, a cidade de São Paulo atrasa o repasse de um desses incentivos aos compradores, aponta a ABVE (Associação Brasileira do Veículo Elétrico).

De acordo com Ricardo Guggisberg, presidente da ABVE, existem atualmente 333 solicitações de reembolso de IPVA (Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores) paradas Secretaria do Verde e do Meio Ambiente, repartição responsável pelo tema na capital paulista.

Desde 2014, lei sancionada pelo então então prefeito Fernando Haddad prevê que proprietários de veículos híbridos, elétricos ou movidos a célula de hidrogênio emplacados na cidade devam ficar isentos do rodízio municipal. Além disso, unidades que custem até R$ 150 mil têm direito ao reembolso de 40% do IPVA recolhido -- são os 50% do imposto que cabem à Prefeitura, menos o desconto da parte que deve ser destinada ao Fundeb (Fundo de Desenvolvimento da Educação Básica). Esse reembolso pode ser pedido por cinco anos a partir da data da compra. Os 50% destinados ao Estado de São Paulo não dão direito a qualquer benefício.

Acontece que a atual administração da cidade modificou a burocracia para obter o reembolso do IPVA municipal: em maio, decidiu encerrar o recebimento dos pedidos por formulário, para realizar todo o processo por meio de uma plataforma online. E mais nenhum benefício saiu. Primeiro, foi o prazo para o sistema entrar totalmente em operação; depois acertos pontuais; nos últimos dois meses, a informação para quem tenta o reembolso é de que "falta dotação orçamentária", ou seja, não há dinheiro.

Guggisberg diz estar em contato frequente com a Prefeitura e que, em reunião realizada há cerca de duas semanas, ouviu da Secretaria do Verde e do Meio Ambiente que a questão será solucionada até o fim deste ano. "Acredito que, pelo fato de ser uma nova administração, com muitas coisas a serem ajustadas, acabou levando mais tempo que o desejável para fazer a transição para o novo modelo eletrônico", afirmou.

Já Edgar Escobar, presidente da Abravei (Associação Brasileira de Proprietários de Veículos Elétricos Inovadores), avalia que dinheiro não deveria ser problema para a Prefeitura. "Se analisarmos a pequena quantidade de veículos que têm direito à devolução dos 40% do IPVA, o valor a ser reembolsado é irrisório para uma das maiores cidades da América Latina", disse.

UOL Carros procurou tanto a assessoria geral da Prefeitura de São Paulo, quanto as secretarias do Verde e Meio Ambiente e da Fazenda. A única resposta obtida foi a de que "as informações [de que há atraso no reembolso] procedem". Houve também a promessa de que os pagamentos voltarão a ser realizados até o final do mês de novembro.

Veja mais

+ Cinco marcas querem liderar corrida elétrica no Brasil
Especial: como é feito um carro no Brasil
Quer negociar hatches, sedãs e SUVs? Use a Tabela Fipe
Inscreva-se no canal de UOL Carros no Youtube
Instagram de UOL Carros
Siga UOL Carros no Twitter

Reembolso para poucos

Principal questão da lei paulistana do reembolso de IPVA não esteve no formato do formulário (se tradicional ou online), mas na imitação: longe dos microfones, diversas montadoras reclamam que o teto de R$ 150 mil só "beneficia" a Toyota, que consegue vender os híbridos Toyota Prius (R$ 126 mil) e Lexus CT200h (R$ 136 mil) neste patamar. Todos os outros híbridos do mercado, assim como o elétrico BMW i3 (único com essa motorização vendido ao cliente pessoa física no país) custam mais do que R$ 150 mil. 

Procurada por UOL Carros, a Toyota disse receber "periodicamente" reclamação de clientes que não conseguem o reembolso. A marca diz tudo o que pode fazer é informar, via SAC, como clientes podem efetuar o pedido de ressarcimento em São Paulo.

Já a BMW, importadora do i3, ressaltou que o modelo no momento está fora do teto de isenção, mas que "já solicitou a revisão do limite junto à Prefeitura, que se mostrou favorável à medida". Segundo a montadora alemã, porém, ainda não foi efetuada qualquer alteração na portaria.

Murilo Góes/UOL
BMW i3 novo nunca é caro demais para o reembolso paulistano e deixou de ser importado nos últimos meses; fabricante quer definição de benefícios antes de trazer a nova variante, o i3S, lançado no último Salão de Frankfurt Imagem: Murilo Góes/UOL

"É pouco, está atrasado, mas eu quero"

Por conta, mesmo sem ter direito ainda e apesar do atraso no pagamento por parte da Prefeitura, alguns compradores de i3 tentam alternativas para poder pedir o reembolso do IPVA em São Paulo.

É o caso do administrador de empresas Leonardo Celli Coelho, dono de um BMW i3 adquirido em abril de 2016. Coelho contou ter barganhado desconto na concessionária para que o i3 ficasse dentro do teto de R$ 150 mil e pudesse pleitear o desconto (um i3 parte, atualmente, de R$ 159.950).

Até o momento, ele pagou cerca de R$ 2,7 mil entre IPVA, licenciamento e seguro obrigatório no período. E, desde maio, espera que o pedido de reembolso seja atendido. "Por enquanto estou aguardando uma definição, não deram previsão de quando ele será disponibilizado", relatou.

Já Edgard Escobar, o presidente da Abravei, é outro dono de BMW i3 a aguardar que os processos pedindo a devolução de 40% do IPVA destravem na secretaria. Ele comprou o modelo em setembro do ano passado, mas ainda não solicitou o reembolso. "Como paguei R$ 160 mil pelo carro, o valor passou do teto de R$ 150 mil e este ano paguei cerca de R$ 3,6 mil integrais de imposto. No ano que vem já vou requerer a devolução de parte do IPVA referente a 2017, quando meu i3 já desvalorizou e passou a custar menos de R$ 150 mil, estando elegível ao benefício", explicou.

Como é (ou deveria ser) a lei de benefícios no Brasil

A lei sancionada por Fernando Haddad, em 2014, prevê que proprietários de veículos elétricos, híbridos ou movidos a célula de hidrogênio emplacados na capital paulista devem receber de volta 40% do IPVA recolhido (50% que cabem à prefeitura, menos o desconto do Fundeb).

A regra, que também libera esses carros do rodízio municipal, permite o reembolso para veículos com valor de até R$ 150 mil registrados na base de cálculo do tributo e vale somente para os cinco primeiros anos de tributação. A solicitação deve ser feita à Secretaria Municipal do Meio Ambiente, sempre a partir de maio de cada ano. É possível receber de uma vez valores acumulados em mais de um ano, desde que respeitado o limite de cinco anos. 

Para tanto é necessário apresentar um formulário junto com cópia de RG, CPF ou CNH do proprietário ou arrendatário, cópia do CRLV (Certificado de registro e licenciamento de veículo), código de verificação da nota fiscal eletrônica emitida pela concessionária e dados da conta bancária do proprietário. O veículo deve estar sem nenhuma pendência relativa ao ano de recolhimento do IPVA.

Na alçada da União, elétricos e veículos movidos a célula de hidrogênio têm isenção total do IPI (Imposto de Importação) desde 2015. Da mesma forma, híbridos pagam menos IPI, proporcionalmente à eficiência. Há também maior redução caso o híbrido seja fabricado localmente, mas isso não foi o suficiente para que qualquer projeto vingasse até hoje. Vale lembrar que a regra federal beneficia mais fabricantes que compradores.

Localmente, além da cidade de São Paulo, há regras de desconto parcial no imposto nos Estados do Rio de Janeiro e Mato Grosso do Sul. Outros sete Estados também concedem algum tipo de isenção: Piauí, Maranhão, Ceará, Sergipe, Rio Grande do Sul, Rio Grande do Norte e Pernambuco.

Ainda assim, o Brasil vende menos de 2 mil unidades de carros/verde por temporada, número alcançado este ano e que já é considerado recorde (e grifamos para realçar o disparate). Isso dá 0,1% do esperado para o mercado total de carros de passeio.

Noruega, Suécia, Alemanha, Japão, França e Reino Unido -- não apenas grandes mercados, como também grandes produtores de automóveis -- têm projetos de banir total ou parcialmente a fabricação de carros convencionais em prazos que vão de três a 13 anos. Isso pode deixar o Brasil, que ainda não conta com um programa sólido de motorização ambientalmente correta (nem mesmo o programa do etanol, que muitos especialistas defendem, roda de forma sustentável), isolado tecnologicamente e comercialmente.

 

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Mais Mobilidade

Topo