Carros

Kwid aposenta Clio e encerra ciclo francês da Renault no Brasil

Leonardo Felix

Colaboração para o UOL, em São Paulo (SP)

21/05/2015 15h02Atualizada em 08/06/2015 19h38

A presença do simpático conceito Kwid no Salão de São Paulo 2014 não foi à toa. Na noite da última quarta-feira (21), a Renault lançou em Chennai (Índia) a versão de produção do crossover, que começa a ser vendido naquele país, onde o projeto foi desenvolvido, a partir do segundo semestre.

O modelo tem muita importância para o Brasil, porque será ele o substituto do Clio vendido atualmente aqui. A chegada ao país se dará mesmo no primeiro semestre de 2016, com fabricação em São José dos Pinhais (PR). Embora ainda não esteja certo, é provável a manutenção do nome "Kwid" para comercialização no mercado nacional.

O motor será o 1.0 3-cilindros já usado pela parceira Nissan no March e no Versa, porém recalibrado. Ele estará sempre acoplado a câmbio manual de cinco velocidades

Todo o projeto se encaixa nos planos já antecipados por UOL Carros: a plataforma usa o processo modular de produção da aliança Renault-Nissan chamado CMF, que estreou nos novos Nissan Qashqai e X-trail e Renault Espace (na Europa), além do conceitual Datsun Redi-Go (marca de baixo custo do grupo).

Esta nova maneira de fazer carros de diferentes categorias estará presente em mais de dez países onde o grupo tem fábricas até 2020, reduzindo os custos de produção em até 40%. É o que a Renault precisa para cumprir a promessa de deixar as versões básicas abaixo de R$ 30 mil.

Murilo Góes/UOL
Conceito do Kwid, mostrado no Anhembi, tinha proposta futurista e agregava até um drone de brinde; versão de produção ficou bem mais conservadora Imagem: Murilo Góes/UOL

Au revoir

Com a produção local do Kwid, um projeto indiano, a Renault do Brasil se afasta cada vez mais dos produtos desenvolvidos pela matriz francesa. Sandero, Logan e Duster, os atuais carros-chefe da marca no país, são da romena Dacia; já o sedã Fluence tem projeto turco e é feito na Argentina. Captur e Mégane RS, antigas promessas para o Brasil, acabaram limados em detrimento da picape Duster Oroch (de concepção local sobre a base romena do Duster) e do esportivo Sandero RS (idem). 

A tática é clara: reduzir custos para ter valores competitivos e fugir das intempéries do câmbio, para enfim incomodar de verdade as quatro grandes montadoras (Fiat, Ford, GM e Volkswagen) que dominam o mercado nacional há décadas.

UOL
Esportivo Sandero RS, que barra o Mégane, é mais uma amostra dos planos da Renault Imagem: UOL

Do conceito nada sobrou

Quem olha para o Kwid conceitual e depois para a versão definitiva dificilmente vai acreditar que um foi mesmo gerado a partir do outro. Enquanto o protótipo tinha identidade própria, soluções estéticas arrojadas e agregava até um drone para mostrar ao motorista imagens do trânsito, o Kwid de rua tem traços bem mais simples, típicos da Dacia, o que não significa que não seja bem-resolvido.

A frente carrega o estilo espartano do Duster na grade e faróis integrados. Há traços do Sandero no conjunto óptico e para-choque. Já a traseira tem linhas mais harmoniosas, arredondadas. Espera-se que o Kwid feito no Brasil sofra pequenas alterações visuais para se adaptar às demandas do consumidor local.

Com 3,68 metros de comprimento e 1,58 m de largura, o crossover é bastante pequeno e terá proposta estritamente urbana. Como comparação, o Clio atual mede 3,81 m e 1,64 m, respectivamente, enquanto o Sandero tem 4,06 m e 1,73 m.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Mais Carros

Topo