Topo

Testes e lançamentos


Renault Alaskan não deve ser lançada em 2019; Classe X também é dúvida

Fernando Calmon, Vitor Matsubara

Colaboração para o UOL, de São Paulo (SP)

2019-02-04T07:00:00

04/02/2019 07h00

O início da produção da Renault Alaskan na Argentina pode não acontecer neste ano. Fontes tiveram acesso ao cronograma de produção da fábrica de Córdoba, que indica início de produção apenas em 2020.

A demora no início da produção poderia ser um reflexo do momento turbulento vivido pela aliança Renault-Nissan. As decisões de um dos maiores grupos da indústria automobilística mundial entraram em compasso de espera desde a inesperada prisão de Carlos Ghosn, agora ex-CEO das duas empresas.

O executivo (que diz ter sido vítima de um complô por parte da Nissan para tirá-lo do poder) está detido em Tóquio desde novembro, e já foi até substituído. Enquanto Jean-Dominique Senard assumiu a Renault, Hiroto Saikawa virou CEO da Nissan, mas ele deve renunciar também mais adiante

Além de postergar a chegada da primeira picape média da história da Renault, o planejamento também afetaria outra grande fabricante: a Mercedes-Benz. Isso porque as unidades da Classe X (feita sobre a plataforma da Frontier) para abastecer o mercado sul-americano também serão fabricadas em Córdoba. Este, inclusive, seria o motivo pelo qual a picape de luxo ainda não estreou na Argentina -- e nem no Brasil.

Por aqui, a Classe X já deveria ter sido mostrada no Salão do Automóvel de São Paulo, mas a fabricante mudou de ideia justamente porque a produção só seria iniciana no último trimestre deste ano. No momento ainda não há confirmação. 

Vem para cá?

A Renault ainda não decidiu se lançará a Alaskan no Brasil. Isso porque a empresa teme que a semelhança entre ela e a Nissan Frontier possa prejudicar suas vendas. Apenas alguns detalhes visuais (como faróis e grade frontal) diferenciam a Alaskan de sua "irmã" mais conheciada e tradiciona no mercado-- o interior também é idêntico, com exceção do logotipo da Renault no centro do volante.

Até as motorizações são as mesmas: um 2.3 turbodiesel com dois níveis de potência, 160 cv ou 190 cv.

O modelo até esteve em exposição no Salão do Automóvel de São Paulo, mas surgiu apenas após os dias de coletivas de imprensa e praticamente escondida em um canto no fundo do estande.

Alaskan era produzida no México, nas instalações da Nissan, mas lá foi descontinuada recentemente. Na Argentina, ao contrário, as picapes são fabriadas em instalações da Renault, em Córdoba.

Mais Testes e lançamentos