Topo

Salão de São Paulo

Volkswagen T-Cross: veja as primeiras imagens internas do SUV do Polo

Leonardo Felix, Vitor Matsubara

Do UOL, em São Paulo (SP)

22/10/2018 12h22

VW revelará modelo esta semana em eventos simultâneos no Brasil, Holanda e China; vídeo antecipa detalhes

A Volkswagen vem se esforçando para alimentar expectativas em relação ao T-Cross, SUV compacto derivado da plataforma MQB A0, de Polo e Virtus, e que será revelado mundialmente na próxima quinta-feira (25), em eventos simultâneos realizados no Brasil (para mercado da América Latina), Holanda (com modelo europeu) e China (para o SUV asiático).

Havia dúvidas, ainda, sobre se a fabricante revelaria apenas o visual externo ou também o interior de seu mais novo utilitário esportivo, que será fabricado em São José dos Pinhais (PR) e entrará no mercado em 2019 para peitar Honda HR-V, Jeep Renegade, Hyundai Creta, Nissan Kicks e companhia.

Veja o que já falamos sobre o T-Cross:

Cinco pontos fortes e cinco vacilos do SUV
SUV vai atrasar e começa a ser feito só em abril
Motores serão 1.0 e 1.4 turbo
T-Cross brasileiro será melhor que o europeu? Veja diferenças
Para europeus, T-Cross pode ameaçar o Golf
T-Cross 1.0 TSI é ágil; veja avaliação

Pois agora parece estar claro que o T-Cross se mostrará por inteiro. Isso porque a divisão alemã da montadora divulgou nesta segunda (22) um novo vídeo-teaser do modelo, que se destaca justamente por imagens de detalhes de conjunto óptico dianteiro, grade frontal, lanternas traseiras e... elementos da cabine.

Vale lembrar que, após ser revelado no dia 25, o T-Cross será a grande atração da Volkswagen no Salão de São Paulo, entre os dias 8 e 18 de novembro. Assista ao vídeo que abre esta reportagem para conferir. Passou tudo muito rápido? UOL Carros preparou um álbum com imagens congeladas para esmiuçar os detalhes.

Nos detalhes

É preciso dizer que o T-Cross exibido pela Volkswagen nesse teaser é o modelo europeu, e portanto haverá diferenças em relação ao que será vendido no Brasil até o fim do primeiro semestre do ano que vem.

Se o formato dos faróis é idêntico, incluindo o nicho das luzes de neblina contornado por uma chamativa faixa em cromo semi-ovalada, a divisória da grade será ligeiramente remodelada, assim como o aplique na base do para-choque dianteiro, que no SUV nacional contará com uma inscrição "T-Cross" em baixo relevo.

Também não espere por rodas coloridas seguindo o tom da carroceria no T-Cross brasileiro. Por aqui as peças serão todas de liga leve e receberão até acabamento diamantado bicolor nas versões mais caras, porém sem tanta extravagância.

Na parte de trás, o desenho do miolo das lanternas será diferente, embora também haja luzes em LED no suvinho brasileiro. Destaque para o refletor e para as muito bem destacadas molduras em preto brilhante integrando as peças com a tampa do porta-malas.

Internamente, o desenho do painel deve ser idêntico, incluindo um nicho diagonalmente destacado que acomoda comandos do ar-condicionado e entradas USB e auxiliar. Bancos também devem passar por mudanças, incluindo os revestimentos. Maior destaque, porém, vai para o volante com desenho inédito, mais delgado do que estamos acostumados a ver na gama nacional da Volkswagen. Ainda não se sabe se o T-Cross brasileiro seguirá a tendência ou se utilizará a mesma peça já conhecida de Polo e Virtus.

Quadro de instrumentos 100% digital e central multimídia de 8 polegadas são os mesmos equipamentos vistos nos modelos mais recentes da marca.

O que mais terá o nosso T-Cross

O SUV feito no Paraná terá outras distinções em relação ao europeu, todas já esmiuçadas por UOL Carros. Nunca é demais lembrar as principais delas: distância entre-eixos alongada de 2,56 para 2,65 metros, equiparando-o ao sedã Virtus, e motorização 1.0 e 1.4 turboflex (128 e 150 cv, respectivamente), sendo aliada a câmbio manual de cinco marchas (só 1.0 TSI) ou automático de seis velocidades.

Se por um lado teremos mais espaço interno em nosso T-Cross, por outro o porta-malas será levemente menor: 373 litros em configuração normal e 420 com um recuo no encosto lombar da fileira traseira. Os europeus terão à disposição 385 litros convencionalmente (fruto da ausência de estepe) e até 455 litros com a possibilidade de se deslocar todo o banco de trás através de um trilho (solução que, infelizmente, não chegou ao Brasil).

Mais Salão de São Paulo