Topo

Testes e lançamentos

Volkswagen confirma T-Cross com motores 1.0 e 1.4 turbo; SUV chega em 2019

Do UOL, em São Paulo (SP)

03/10/2018 17h54

Modelo será baseado no Polo, terá ESP em todas as versões e pode vir com painel digital

A Volkswagen confirmou nesta quarta-feira (3) o lançamento do T-Cross com motores 1.0 (até 128 cv) e 1.4 TSI (150 cv) no Brasil.

Feito sobre a plataforma modular MQB, o SUV mede 4,19 metros de comprimento, 1,56 metro de altura (1 cm mais alto que o modelo europeu por conta da calibração diferente das suspensões) e tem distância entre-eixos de 2,65 metros, 8,8 cm a mais em relação ao projeto original.

Isso acontece porque enquanto o utilitário feito na Espanha será um modelo "de entrada", derivado diretamente do Polo (2,56 metros de entre-eixos), o nosso utilizará a base do sedã Virtus (2,65 m nessa medida), procurando uma posição intermediária no mercado.

Esse espaço aberto será usado por um crossover menor, com entre-eixos do Polo, exclusivo para o mercado latino-americano. O início da produção do T-Cross está marcado para abril de 2019, com estreia prevista para maio, conforme afirma o colunista de UOL Carros, Fernando Calmon.

Veja mais

Andamos no T-Cross 1.0 TSI; veja avaliação
Para europeus, modelo será ameaça ao Golf 
Quer negociar hatches, sedãs e SUVs? Use a Tabela Fipe
Inscreva-se no canal de UOL Carros no Youtube
Instagram oficial de UOL Carros
Siga UOL Carros no Twitter

De acordo com a fabricante, a capacidade do porta-malas varia de 373 a 420 litros. Não foram divulgados muitos detalhes, mas a Volks antecipou que o T-Cross pode ser equipado com central multimídia com tela tátil de oito polegadas e painel digital.

Todas as versões sairão de fábrica com controle de estabilidade e, dependendo da configuração, a lista de equipamentos ainda inclui sistema de estacionamento Park Assist 3.0 (que funciona em vagas paralelas e transversais), seletor de modos de condução, frenagem automática pós-colisão e detector de fadiga.

Separados no nascimento

T-Cross brasileiro e europeu serão parecidos visualmente, mas não iguais. A divisão brasileira da Volkswagen trabalhou diretamente no projeto, tendo liberdade para interferir nos dois balanços, o que altera o visual -- em grau maior, por exemplo, do que ocorreu com o Polo. Objetivo é deixar o SUV produzido no Paraná um pouco mais "invocadinho" e esportivo.

Na parte dianteira haverá diferenças no desenho das divisórias da grade e no para-choque. Esta última contará com o nome do modelo grafado em baixo relevo ao centro (a exemplo da picape-conceito Tanoak), além de apliques remodelados na base.

Lanternas terão o mesmo formato do homônimo europeu e também contarão com luzes de posição e frenagem em LED, porém com assinaturas internas rearranjadas. Nosso para-choque traseiro evidenciará a pegada mais "esportiva" ao ostentar duas falsas ponteiras cromadas de escape, solução esnobada no europeu.

Por outro lado, faróis serão idênticos em ambos os continentes, contando com extremidades externas mais curvilíneas que as de Polo e Virtus. Nas versões básicas o conjunto óptico será halógeno biparábola, com luz diurna em LED integrada aos faróis de neblina. Já nas de topo ele será Full-LED.

Outro ponto em comum: o filete horizontal refletor que atravessa a tampa do porta-malas e integra as duas lanternas, contornada por duas chamativas faixas em preto brilhante.

Divulgação
SUV aproveita plataforma MQB de vários modelos da marca Imagem: Divulgação

Motores diferentes

A gama de motorizações é diferente no Velho Continente. Apesar de ter o mesmo motor 1.0 TSI, ele é movido só a gasolina e tem duas calibrações distintas: 95 ou 115 cv. O 1.4 dá lugar a uma unidade 1.5 TSI, também com 150 cv, que tende a ser mais econômica (e com mais torque).

Por fim, haverá versões 1.6 turbodiesel de 95 cv. Câmbios serão manual ou automatizado de dupla embreagem. Em comum com o brasileiro, apenas a presença padronizada de tração dianteira em todas as versões.

Quando chega?

O T-Cross será produzido na fábrica de São José dos Pinhais (PR), que recebeu investimentos de R$ 2 bilhões para fazer o modelo. Dentro do plano de lançar 20 carros até 2020, o T-Cross é um dos cinco SUVs que vão estrear na região nos próximos dois anos.

Sua estreia mundial é prometida para este ano, e o carro é presença certa no Salão do Automóvel de São Paulo, que será realizado em novembro.

Mais Testes e lançamentos