Carros

Volks corta investimentos para salvar empregos; Brasil espera definição

Do UOL, em São Paulo (SP), com EFE, em Berlim (Alemanha)

06/10/2015 15h27Atualizada em 06/10/2015 17h21

O novo presidente da Volkswagen, Matthias Müller, anunciou nesta terça-feira (6) aos trabalhadores da companhia que o grupo revisará todos os investimentos previstos e "cancelará ou adiará os que não forem estritamente necessários", após o escândalo de manipulação das emissões de poluentes.

"Serei muito claro: isto vai ser doloroso", disse Müller para os 20 mil funcionários reunidos na sede central de Wolfsburg (Alemanha), na primeira assembleia convocada desde que vazou o escândalo de fraude nos testes de emissão de poluentes em motores à diesel de 11 milhões de veículos.

O plano de crescimento projetado em 2010 por seu antecessor, Martin Winterkorn, que renunciou por causa do escândalo, era investir em pelo menos seis novas fábricas e contratar 370 mil trabalhadores até 2018. Tudo deve ser reajustado, com objetivo prioritário de assegurar o emprego de quem já trabalha no grupo -- espera-se que a marca tenha de desembolsar quase US$ 30 bilhões entre multas e indenizações.

No Brasil, em janeiro deste ano, a fabricante havia anunciado planos para investir em "novas plataformas globais" para produção em São Bernardo do Campo (SP), para construir modelos como o Jetta nacional (já lançado) e, possivelmente, a próxima geração do Gol. Curiosamente, a medida visava, à época, a não empreender uma demissão em massa de metalúrgicos da unidade.

Procurada por UOL Carros, a assessoria da montadora se limitou a informar que "a divisão brasileira seguirá o mesmo posicionamento global", sem detalhar se os investimentos no país serão ou não afetados pelo anúncio de Müller. Fica em aberta, portanto, a possibilidade de o país também ser afetado pelos cortes. 

Salvar empregos

Müller prometeu um esclarecimento "rápido e sem cerimônia" de tudo o que aconteceu e garantiu que os 11 milhões de veículos manipulados podem circular sem problemas, já que a "segurança dos clientes da Volkswagen nunca foi colocada em perigo".

O presidente do comitê da empresa, Bernd Osterloh, informou hoje aos funcionários que o escândalo dos motores manipulados não tem, por enquanto, consequências sobre os postos de trabalho do grupo. Osterloh assinalou que o objetivo é "fazer todo o possível" para manter os empregos.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Topo