Topo

Salão de São Paulo

Avaliação: Novo Honda HR-V fica mais confortável; turbo só em 2019. Assista

Alessandro Reis, André Deliberato

Colaboração para o UOL; do UOL, em São Paulo (SP)

06/11/2018 16h05

Líder entre SUVs tem novo design, melhoras no acabamento e suspensão mais suave -- motor turbo, só em 2019; assista

Depois de apresentar a reestilização do Honda HR-V na linha 2019 apenas para as versões aspiradas, com motor 1.8 flex de 140 cavalos, na última semana, a fabricante japonesa fez o óbvio: usou sua apresentação no Salão do Automóvel de São Paulo, nesta terça-feira (6), para revelar o novo HR-V Touring, agora com motor turbo.

Ele usará o mesmo motor EarthDreams do Honda Civic Touring: um quatro-cilindros de 1,5 litro, injeção direta de gasolina, que rende 173 cv (a 5.500 rpm) e 22,4 kgfm (já a 1.700 giros).

Essa nova configuração do HR-V Touring surgirá no final do primeiro do semestre de 2019. Marca não comenta possibilidade de o motor ser convertido para o sistema flex, nem se essa configuração terá o Honda Sensing, pacote de assistes à condução e segurança ainda indisponível nos modelos da marca no Brasil.

Preços também não foram adiantados, mas linha aspirada do HR-V, já à venda, parte de R$ 92.500 (versão LX) e vai até R$ 108.500 (versão EXL, do vídeo que abre a reportagem). O HR-V Touring Turbo certamente custará mais de R$ 110 mil, na aposta de UOL Carros.

Veja mais

+ O que mudou e como anda o Jeep Renegade 2019
+ Fiat mostra conceito Fastback e vai investir R$ 8 bilhões ate 2023
+ Quer negociar hatches, sedãs e SUVs? Use a Tabela Fipe

+ Inscreva-se no canal de UOL Carros no Youtube
+ Instagram de UOL Carros
+ Siga UOL Carros no Twitter

O que o HR-V 2019 tem

Líder de mercado, o HR-V muda pouco. São alterações pontuais de design concentradas na dianteira -- agora alinhada ao novo padrão estético da marca --; ajustes na suspensão para melhor absorção de impactos de nossas ruas; e implementação de novas mantas no assoalho e nas portas para uma cabine mais silenciosa e confortável.

Visual pode agradar boa parte do atual público, mas vai incomodar a alguns por conta do certo exagero na grade cromada "Solid Wing". Agora o rolamento da carroceria ficou mais progressivo em curvas, o que passa ainda mais sensação de segurança ao já elogiado comportamento dinâmico urbano do carro.

Fora isso, quem dirige consegue perceber que o interior ficou mais silencioso e que as pancadas sobre cada buraco ficaram menos brutas. Pelo menos para quem viaja nos bancos dianteiros. Atrás, ainda temos um nível menor de conforto.

No mais, ele oferece boa dirigibilidade. Posição correta de condução para um SUV, assistência elétrica da direção bem calibrada para altas e baixas velocidades e espaço suficiente para cinco pessoas são seus destaques.

Mas a ergonomia ainda tem poréns, como a central multimídia pouco intuitiva e que obriga desvios de olhares, além das entradas USB e HDMI escondidas atrás do console flutuante.

Os bancos ficaram mais confortáveis, com abas mais salientes que acomodam melhor o corpo do motorista. Este ainda recebeu reforço no apoio das pernas, com o assento mais comprido. O revestimento com couro perfurado e costuras duplas aparentes é novo, assim como o acabamento do console, agora pintado de preto brilhante.

Quem mais chega

Além do HR-V, a Honda anunciou já para dezembro a chegada da nova geração do Accord. O sedã executivo será o primeiro a trazer o "Honda Sensing", sistema de auxílios ao condutor composto por controle de velocidade de cruzeiro adaptativo, frenagem automática de emergência, assistente de manutenção de faixa e mitigação de saída de pista.

Com jeitão de cupê, a exemplo do Civic, traz inédito motor 2.0 turbo que rende potência e torque superiores ao V6 utilizado no modelo anterior -- os preços ainda não foram divulgados.

A Honda informa que futuramente outros modelos da marca vendidos aqui também vão trazer o pacote de segurança -- mas não confirmou se o HR-V Turbo, por exemplo, pode ter o sistema.

A montadora também anunciou que vai investir nos veículos híbridos no país, que vai receber ao menos três modelos com essa tecnologia nos próximos cinco anos. Um deles pode ser o CR-V, cuja versão híbrida, combinando dois motores elétricos com uma unidade 2.0 a combustão, está exposto no Salão ainda na forma de conceito, mas é certo que dará origem a uma versão produzida em série que estreia na Europa no ano que vem.

A fabricante também apresentou a linha 2019 do WR-V, que manteve visual e mecânica inalterados e ganhou novos itens de série.

Mais Salão de São Paulo