Topo

Cultura do carro

Conheça a história da Rimac, única fabricante de carros da Croácia

Divulgação
Concept_One é o orgulho da pequena Rimac, fundada em 2009 Imagem: Divulgação

Vitor Matsubara

Do UOL, em São Paulo (SP)

13/07/2018 04h00

Marca de hiperesportivos elétricos ganhou fama mundial após acidente com ex-membro do programa "Top Gear"

A Croácia está em evidência após a histórica classificação para a final da Copa do Mundo. Sem dúvida um feito e tanto para um país tão jovem. Fruto da antiga Iugoslávia, a nação só conseguiu sua independência em 1992, após uma violenta guerra civil encerrada apenas após a intervenção da ONU.

Atualmente, 4,17 milhões de habitantes residem na Croácia. Isso também explica o tamanho da indústria automobilística croata. O modelo mais vendido do país é o Skoda Octavia, que emplacou 2,5 mil carros em 2017. Há apenas uma empresa fabricando automóveis no país -- outras duas empresas surgem em pesquisas, mas entregando máquinas industriais e agrícolas e veículos de transporte em massa.

Mas essa solitária fabricante automotiva já tem alguma fama. Trata-se da Rimac Automobili, marca de carros elétricos fundada em 2009 em uma garagem na pequena cidade de Sveta Nedelja, nos arredores da capital Zagreb.

Veja mais

+ Os carros mais vendidos nos 32 países da Copa do Mundo
Quer negociar hatches, sedãs e SUVs? Use a Tabela Fipe

Inscreva-se no canal de UOL Carros no Youtube
Instagram oficial de UOL Carros
Siga UOL Carros no Twitter

De entusiasta a empresário

A empresa nasceu para fazer superesportivos movidos a eletricidade. Seu fundador, Mate Rimac, já trabalhava há alguns anos em sua garagem e conseguiu até converter seu BMW Série 3 1984 para rodar com eletricidade, atraindo atenção de entusiastas e imprensa.

"Eu participava de competições até que o motor do meu carro explodiu. A partir daquele momento pensei em transformá-lo em um carro elétrico. Consegui fazê-lo um ano depois, mas não fiquei satisfeito com o resultado. Era um veículo pesado, fraco e tinha autonomia muito baixa. Foi aí que decidi montar um time de especialistas para desenvolver nossos próprios componentes, pois acreditava que a propulsão elétrica poderia oferecer mais do que oferecia naquela época. E felizmente todo nosso esforço está se transformando na materialização do meu sonho", declarou Mate.

Divulgação
BMW M3 virou carro elétrico -- e deixou outros veículos para trás Imagem: Divulgação

Projeto inédito

Rimac construiu um M3 elétrico para participar de competições contra carros de corrida movidos a combustão. E venceu a maioria delas. O carro tinha 608 cv e 91,8 kgfm, precisando de 3,3 segundos para acelerar de 0 a 100 km/h e atingindo a velocidade máxima de 280 km/h.

Não havia praticamente nada do BMW original, que havia dado origem ao sonho do empresário. Diante disso, Rimac decidiu criar um carro inteiramente novo partindo do zero.

Nascia em 2011 o primeiro protótipo do Concept One, apresentado no Salão de Frankfurt de 2011. Tinha 1.103 cv, peso de 1.805 kg e levava 2,8 segundos para atingir os 100 km/h. A velocidade máxima era de 305 km/h.

A versão definitiva seria revelada apenas cinco anos depois. O hiperesportivo possuía 1.241 cv e torque máximo de 163,2 kgfm. Embora fosse mais pesado (1.900 kg), o tempo de aceleração de 0 a 100 km/h caiu para 2,5 segundos e a velocidade máxima subiu para 355 km/h.

Um novo projeto surgiu em 2016. O Concept S foi mostrado no Salão de Genebra daquele ano, e conseguia ser ainda mais impressionante do que o Concept One. O carro tem 1.403 cv, 183,5 kgfm e acelerava até os 365 km/h.

Reprodução/Internet
Assim ficou o Concept_One destruído por Hammond na Suíça Imagem: Reprodução/Internet

O acidente

Foi em junho de 2017 que a Rimac se viu em meio a uma situação extremamente delicada. O Concept One participava de gravações do programa "The Grand Tour" quando Richard Hammond, ex-apresentador do famoso programa inglês "Top Gear", sofreu um grave acidente em uma região montanhosa da Suíça.

Embora ninguém saiba as reais causas do acidente, especula-se que Hammond tenha entrado rápido demais em uma curva e perdeu o controle do veículo, que capotou algumas vezes antes de parar a 110 metros de distância do ponto de impacto.

A força da batida foi tão grande que o veículo ficou inteiramente destruído, com exceção da célula de sobrevivência dos passageiros -- feita de fibra de carbono. Foi justamente ela que fez Hammond sofrer apenas ferimentos leves e fraturar um dos joelhos. O Concept One se incendiou logo em seguida, e felizmente membros da produção conseguiram puxá-lo pelos braços para fora do carro.

"Ainda estamos avaliando os dados e a filmagem, mas o carro suportou muito bem o impacto naquelas circunstâncias. Claro que é ruim o fato de ele ter pegado fogo. Há muitos supercarros e elétricos por aí que pegam fogo parados e acho que é compreensível considerando tudo o que nosso carro passou. Mas obviamente queremos evitar que este tipo de coisa aconteça no futuro", afirmou Mate Rimac em vídeo gravado ao lado do próprio Hammond.

O acidente poderia ter representado o fim de uma empresa pequena como a Rimac. Mas, no fim das contas, ele foi até positivo para sua imagem, uma vez que o Concept One demonstrou ser um carro seguro mesmo em um acidente grave como o que aconteceu.

UOL Carros viu o Concept Two em Genebra

UOL Carros

Evolução

Já refeita do susto (e com fama mundial), a Rimac mostrou sua criação mais recente no Salão de Genebra deste ano.

O Concept Two se tornou o carro elétrico mais rápido do planeta, precisando de meros 1,8 segundo para ir de 0 a 96 km/h. Com 1.940 cv e torque máximo de 234,5 kgfm, o hiperesportivo vai até os 412 km/h e ainda tem autonomia de até 650 km.

Embora seja um carro feito para acelerar, ele traz várias tecnologias de fazer inveja a qualquer carrão de luxo alemão.

As rodas de liga leve têm desenho aerodinâmico que "direciona o ar para resfriar o sistema de freios de carbono-cerâmica", os pneus foram desenvolvidos especialmente para o carro com a Pirelli e o assoalho do Concept_Two foi desenhado para canalizar o ar para resfriar o conjunto de baterias.

Há sensores por todos os lados, incluindo um que abre a porta quando reconhece o motorista, sistema de condução semiautônoma de nível 4 (sem qualquer necessidade de interferência do motorista, embora conte com volantes e pedais) e até tecnologia de reconhecimento facial que dispensa a chave para ligar o carro.

A Rimac pretende fabricar 150 unidades do hiperesportivo, e praticamente todas já estão reservadas. O preço sugerido é de 1,7 milhão de euros, ou aproximadamente R$ 7,7 milhões.

Além de dinheiro, quem quiser comprar um também vai precisar de paciência, já que os primeiros exemplares serão entregues apenas em 2020.

Mais Cultura do carro