Topo

Mão na roda

Carro ficou parado por causa da greve? Veja dicas para voltar a usá-lo

Reprodução
Imagem: Reprodução

Alessandro Reis

Colaboração para o UOL, em São Paulo (SP)

05/06/2018 04h00

Especialistas explicam os riscos de andar com tanque na reserva e orientam para a hora de reabastecer

Encerrada no último dia 31 após 11 dias, a greve dos caminhoneiros deixou boa parte do país sem combustível. A situação já começou a se normalizar, mas muita gente ficou com o tanque vazio nesse período, sofrendo a famosa "pane seca", que pode causar danos ao automóvel.

Além disso, tem pessoas cujo carro ficou parado todo esse tempo. E com a escassez de combustível, muitos compraram combustível adulterado.

Com gasolina, etanol e diesel de volta às bombas, surge a pergunta: devo ter algum cuidado especial ou fazer manutenção no veículo antes de voltar a abastecer? UOL Carros ouviu especialistas e responde com algumas dicas.

Veja mais

Eles transformaram Gol, Fusca e até Gurgel em elétricos 
Quer negociar hatches, sedãs e SUVs? Use a Tabela Fipe

Inscreva-se no canal de UOL Carros no Youtube
Instagram oficial de UOL Carros
Siga UOL Carros no Twitter

"Se o veículo estiver com o tanque vazio ou quase, abasteça o quanto antes para evitar danos na bomba de combustível, que depende do fluxo do líquido nas tubulações para se manter lubrificada ou resfriada. Evite rodar com o tanque na reserva, pois partículas no fundo do reservatório podem ser enviadas ao motor, podendo entupir bicos injetores e outros componentes", alerta Gerson Burin, coordenador técnico do Cesvi/ Mapfre, centro de experimentação e segurança viária.

Outra recomendação de Burin, em veículos flex, é abastecer com o mesmo tipo de combustível que estava no tanque se o carro for rodar em um trecho curto, inferior a 5 km. "O carro precisa de um tempo para o sistema de injeção se ajustar ao novo combustível., como passar de gasolina para etanol. Com pouca quilometragem, não dá tempo para o ajuste adequado e o motor pode demorar a pegar", destaca o especialista.

Para Henrique Pereira, engenheiro membro da comissão técnica de Motores Ciclo Otto da SAE Brasil, carros parados entre 15 dias e um mês não costumam exigir nenhum cuidado específico desde que estejam com a manutenção em dia.

"Nesse período, o combustível não se deteriora nem a bateria descarrega. Também não é preciso se preocupar com resíduos que eventualmente poderiam se desprender do reservatório vazio do posto, que tem mecanismos para evitar que as bombas suguem impurezas. Além disso, o próprio carro tem filtros de combustível capazes de reter eventuais resíduos", explica.

Paradas maiores

Em caso de paradas mais longas, de seis meses ou mais, Pereira recomenda desligar a bateria ou usar carregadores portáteis para mantê-la carregadas. Além disso, ele orienta drenar todo o combustível do tanque, se possível, pois a gasolina sofre oxidação e perde suas características originais em seis meses. "Se possível, coloque gasolina aditivada ou etanol, que duram mais tempo", destaca Pereira.

Se o carro ficar dois anos ou mais parado, também é recomendável colocá-lo em um cavalete para não deformar os pneus. "Antes disso, basta deixar os pneus calibrados, em pressão um pouco acima da recomendada. Ao voltar a ligá-lo, ligue a bateria, encha o tanque, recalibre os pneus e troque o óleo do motor, que também se oxida e tem prazo de validade", destaca o engenheiro.

Se o automóvel apresentar sinal de mau funcionamento após alguma fase em que ficou parado, isso pode ser um indício de que você colocou produto de má qualidade ou "batizado" em algum posto suspeito.

Aí, a situação é diferente. "Nesses casos, o correto é drenar o combustível ruim o quanto antes e fazer a limpeza do reservatório, o que deve ser feito em oficina especializada por questões de segurança. O uso de solvente para aumentar o volume da gasolina, por exemplo, pode trazer danos ou mesmo corrosão das linhas de combustível e borrachas", alerta Burin.

Teve "Pane seca"?

Caso seu carro tenha ficado com o tanque totalmente seco durante a greve, a sujeira no fundo do tanque pode ter saturado o filtro de combustível, o que impede o fluxo e pode até danificar a bomba, por superaquecimento, além de causar engasgos no motor.

Caso esse sintoma se manifeste, o indicado é buscar a ajuda de um mecânico de confiança.

"Verifique o estado do filtro de combustível, da bomba e do sistema de injeção. Se houver muitos resíduos no tanque, talvez seja necessário drená-lo e efetuar uma limpeza", informa Henrique Pereira. Clique aqui e veja outras dicas de UOL Carros para o caso de "pane seca".

Mais Mão na roda