Topo

Mão na roda

Cuidado com "pane seca": veja o que fazer caso acabe o combustível do carro

Adeleke Anthony Fote/Folhapress
Fila de carros: motoristas esperam para abastecer na Avenida das Nações, em São Paulo (SP) Imagem: Adeleke Anthony Fote/Folhapress

André Deliberato

Do UOL, em São Paulo (SP)

30/05/2018 16h00

Muitos postos receberam milhares de litros de combustível nas últimas horas e agora trabalham a todo o vapor para reabastecer as filas de carros e motos que se acumulam em seus entornos.

Isso encobre um perigo que muita gente correu nos últimos dias: motoristas têm se arriscado e rodado com o veículo "no cheiro", com o ponteiro na reserva e/ou sem autonomia no computador de bordo, enquanto procuram pelo posto.

Veja mais

+ Donos de carros a gás natural "rodam tranquilos"
Quer negociar hatches, sedãs e SUVs? Use a Tabela Fipe

Inscreva-se no canal de UOL Carros no Youtube
Instagram oficial de UOL Carros
Siga UOL Carros no Twitter

Essas pessoas correm risco de encarar a chamada "pane seca", que acontece quando o veículo para de funcionar por ter consumido todo o combustível.

A pane seca no CTB (Código de Trânsito Brasileiro) prevê multa de R$ 130,16, remoção do veículo e quatro pontos na CNH -- mas vale lembrar que ela está suspensa desde a última quinta-feira (24) em São Paulo devido a paralisação dos caminhoneiros.

Aconteceu com você? Pode acontecer? UOL Carros lista abaixo algumas dicas para quem se encontra (ou está prestes a vivenciar) esse tipo de situação.

Agradecimento: Cesvi/Mapfre e Menu do Carro.

O que fazer em caso de pane seca

  • Luiz Carlos Murauskas/Folha Imagem

    Pane seca! O que fazer?

    Acredite, a pane seca não é um problema tão simples de ser resolvido, pois muitas vezes a bomba de combustível pode ser danificada e pode haver despesas para seu conserto, que resultaria em valores maiores do que simplesmente reabastecer seu veículo. Se você passou ou está prestes a sofrer com isso, tenha em mãos os contatos de algum serviço que ofereça assistência à pane seca, como o seguro do veículo ou até mesmo o serviço de assistência 24h da fabricante -- seus guinchos podem ser a salvação. Não empurre o carro e/ou tente fazê-lo pegar no tranco.

    Se você não pode contar com esse serviço, existem outras alternativas: chamar um guincho por conta própria; caminhar até o posto mais próximo e tentar encher um galão para levar até o carro ou até mesmo pedir para algum familiar ou amigo fazer isso para você. Para evitar dores de cabeça com o veículo, ande sempre atento à quantidade de combustível no tanque e mantenha a manutenção em dia.

  • Bruno Riganti/Framephoto/Estadão Conteúdo

    Reabasteceu? Fique atento ao painel!

    O nível da reserva pode variar entre 5 e 10 litros, dependendo do modelo do veículo. Esse combustível é aquele representado por uma luz vermelha no finalzinho do marcador. A partir de agora, evite rodar com o carro nessas condições. "Existe um sistema dentro do tanque que alerta o motorista sobre quantidade de combustível presente no veículo. Cuidado: dirigir com o ponteiro na reserva pode mandar sujeira para o sistema de injeção?, afirma Emerson Feliciano, superintendente do Cesvi/Mapfre.

  • Divulgação

    Procure manter o nível acima de 1/4 do volume do tanque

    Rode sempre com uma "precaução", uma quantidade de combustível suficiente para que você não fique na mão. Evite ficar na reserva. "A pane seca acontece quando a bomba de combustível deixa de ser refrigerada, ou seja, o tanque não tem líquido suficiente para manter a temperatura da bomba. Aos poucos ela vai superaquecendo e impedindo o funcionamento do veículo", explica Feliciano.

  • Marcelo Gonçalves/Sigmapress/Estadão Conteúdo

    Fuja de combustíveis "batizados"

    É complicado sacar na hora se o combustível é irregular, mas você pode adotar algumas práticas para se proteger. A primeira delas é pedir nota fiscal -- o documento que comprova sua compra que o posto é obrigado a fornecer. Desconfie de promoções ou preços iguais para aditivados.

    E fique de olho na empresa que fornece o combustível -- postos de bandeira branca (sem distribuidora exclusiva) devem informar em cada bomba qual distribuidora forneceu o combustível (CNPJ, razão social e endereço do posto também devem estar visíveis). Estas informações podem ajudar a localizar autores de irregularidades. E peça o teste de combustível sempre que quiser: os postos são obrigados a fazê-lo e devem manter os equipamentos de medição e certificação em dia.

  • Rivaldo Gomes/Folhapress

    Não deixe o seu veículo inativo por longos períodos

    A gasolina comum tem prazo de validade: dura 3 meses e depois vai perdendo a função de queimar corretamente. Por isso, para quem fica muito tempo longe do carro, é recomendado abastecer o tanque e (se houver) o reservatório de partida a frio com gasolina de alta octanagem.

    Na prática, a gasolina comum quando fica velha seca e forma um "verniz", podendo danificar o sensor de nível, as sondas lambdas, travar a bomba de combustível, o solenóide de partida frio e os bicos injetores. Vai viajar e ficar muito tempo fora? Deixe a chave com alguém de confiança para ligá-lo uma vez por semana, pelo menos, exatamente para que todo o sistema possa ser "alimentado" corretamente.

Fonte: Cesvi/Mapfre e Menu do Carro

Mais Mão na roda