Cultura do carro

Brasil virou exportador global de Kombi; parece bom, mas gera polêmica

Reprodução/Autos Segredos
Imagem: Reprodução/Autos Segredos

Rodrigo Mora

Colaboração para o UOL, em São Paulo (SP)

01/09/2017 08h00

Uma rápida busca no Google aponta meia dúzia de empresas que se dizem especializadas em vender Kombi para o exterior. A página na internet do Import Kombi Export tem visual um tanto tosco, mas se comunica com clientes em inglês, alemão e espanhol. E diz ter a missão de entregar a amada van entre cinco e sete dias.

Sem números oficiais, é difícil fechar dados concretos sobre a exportação de um modelo aposentado como a Kombi. Outra empresa do ramo, a Cool Kombi diz já ter despachado 178 unidades, segundo seu site. 

Porém, o mercado local de unidades usadas está bem aquecido: foram quase 73 mil operações de revenda em 2016, além de outras 43 mil no primeiro semestre deste ano, segundo a Fenabrave. E isso pode dar uma ideia do porte do negócio.

Fato é que não há timidez quando o assunto é preço. Um dos anúncios, em inglês, é tentador: "Camper 1973 for sale. Cheap! Only US$ 16.500. Ready to go". Traduzindo para o português "PT-BR": Kombi 1973 à venda. Barata! Só R$ 52.150. Pronta para embarcar".

Talvez esteja em conta, mesmo. Segundo outra agência, a Combi Brésil, um modelo similar varia entre 25 mil e 50 mil euros (entre R$ 100 e R$ 200 mil). No Brasil, a mesma Kombi em melhores estados de conservação e originalidade gira em torno de R$ 100 mil. E faz só quatro anos desde que a Kombi deixou de ser produzida.

"Patrimônio nacional"

Mercado em alta, produção inexistente, polêmica no ar: um dia a Kombi brasileira vai sumir do mapa, entrar em extinção? 

Essa polêmica surge a partir daquilo que alguns adoradores do modelo chamam de "evasão de patrimônio histórico". Em uma página do Facebook dedicada à Velha Senhora, é lançada a pergunta: aprova ou desaprova o envio de Kombis para o exterior? 

Um fã responde:

Totalmente Contra. Kombi fabricada no Brasil é um patrimônio nacional."

"Não aprovo, são nossas Kombis, nossa história, construída pela nossa gente! É parte da nossa história indo pra fora do nosso país! O nosso povo pode valorizar mais", lamenta outro.

Há quem discorde.

"Não vejo com maus olhos a exportação de carros brasileiros. O fato de eles terem sido fabricados aqui, povoado nossas ruas, não quer dizer que eles estão amarrados ao nosso país. Deveríamos, por outro lado, facilitar o ingresso de carros provenientes de fora. Essa troca de diferentes carros acrescentaria muito à nossa cultura geral e à nossa cultura automotiva, pois somos muito centrados nos modelos de fabricação nacional", afirma Eugenio Chiti, que é especialista em Romi-Isetta, o primeiro carro nacional.

"Vale lembrar que fabricamos mais de 1,5 milhão de exemplares. Portanto, há ainda um bom estoque a circular por nossas ruas, inclusive dos modelos com as icônicas janelas divididas", conclui.

Dono de uma Safari (motorhome produzido pela Karmann-Ghia) 1985 que ainda usa em viagens pelo país, José Barazal Alvarez faz ainda uma observação pertinente: “exportar não é acabar com a Kombi. Acabar com ela é o que estão fazendo alguns proprietários, ao rebaixar suspensão, abrir (na lataria) janelas onde não há e submetê-la a qualquer tipo de customização”. 

Bem na fita

Na contramão da tese do patrimônio perdido, um clássico brasileiro em ruas estrangeiras pode fazer bem à imagem da indústria nacional.

"Graças às exportações de modelos para os quais ninguém pagava nada, tem gente lá fora comprando e dando visibilidade ao produto brasileiro. Esse discurso nacionalista não faz sentido", avalia Roberto Suga, presidente da Federação Brasileira de Veículos Antigos e também colecionador.

Para o comerciante Maurício Marx, trata-se de uma negociação como outra qualquer: "Tem gente que diz que não pode mandar para fora Kombi, mas importa carro dos EUA. Isso é incoerência".

Ele complementa a argumentação:

Não é legal ver um Willys Interlagos em um concurso de elegância na França? Ou um encontro de Puma no interior da Alemanha? É sensacional levar a bandeira do Brasil para esses países."

Há um porém, segundo Chiti: "O único senão é que, em muitos casos, nossos carros e em especial a Kombi, não vão rodar no mundo como 'made in Brazil'. Na maior parte dos casos, vão passar como se fossem 'made in Germany'. Chato, não?".

SIGA UOL CARROS NO YOUTUBE

+ Inscreva-se no canal: https://goo.gl/B4mHyi

+ Instagram: https://www.instagram.com/uolcarros/

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Mais Cultura do carro

Topo