Salão de São Paulo

Pé aberto e "zero comida": mulheres ganham força, mas ainda sofrem no Salão

Anelisa Lopes/UOL
2016 e as mulheres ainda sofrem no Salão do Automóvel Imagem: Anelisa Lopes/UOL

Anelisa Lopes, Karina Craveiro, Eugênio Augusto Brito, André Deliberato e Leonardo Felix

Do UOL, em São Paulo (SP)

13/11/2016 17h25

UOL Carros mostra a (ainda) sofrida vida das mulheres no evento

Uma imagem que circulou pelas redes sociais na sexta-feira (11), segundo dia de abertura ao público, causou comoção nos bastidores do Salão do Automóvel de São Paulo 2016: o pé de uma modelo em "carne viva", em razão do sapato usado para trabalhar (uma sandália de salto alto tipo gladiador*), era destaque e reacendeu a discussão a respeito do papel da mulher no evento. A discussão segue viva apos a publicação desta reportagem e ações estão sendo tomadas ao longo do domingo para adequar a situação de quem trabalha na feira, de melhoria nos trajes a melhor monitoramento da temperatura do Pavilhão SP Expo.

Cabelo comprido, maquiagem e roupa sensual: se a imagem feminina típica de uma mostra de carros tem mudado ao longo dos anos, com a escolha de homens como promotores e de executivas ocupando o topo da pirâmide das marcas, algumas montadoras ainda fazem valer a relação estereotipada entre mulher e carro, infelizmente.

Reprodução
Pé de uma modelo em "carne viva" causou comoção nos bastidores do Salão Imagem: Reprodução

Oficialmente chamadas de "promotoras", muitas modelos ainda são apenas "enfeites". Na Europa, onde muitas das montadoras têm sede, promotoras e promotores sabem detalhes minuciosos de cada modelo e usam roupas cada vez mais formais.

Segundo Ana Theresa Borsari, inédita presidente da Peugeot do Brasil e também a primeira mulher a comandar uma unidade do Grupo PSA no mundo, "a característica em ser muito preocupada com detalhes, diretiva e orientativa em relação às suas estratégias" faz a diferença no sucesso da carreira. "As mulheres sabem achar os caminhos para as coisas", afirmou a executiva.

Divulgação
Ana Theresa Borsari, 44, advogada, é a atual presidente da Peugeot do Brasil Imagem: Divulgação

"Você vem junto com o carro?"

Na teoria a receita soa bem, mas a realidade é dura. "Se me pagassem uns R$ 600 por dia, acho que toparia machucar o pé", disse uma das promotoras, com macacão colado ao corpo, a outra que descansava o pé cheio de curativos longe do salto, no banheiro.

Em outra situação relatada à reportagem de UOL Carros, uma promotora passava mal no banheiro enquanto uma colega a incentivava a provocar o próprio vômito, a fim de acelerar a recuperação e retornar logo ao trabalho.

Larissa** contou que houve reclamação de colegas promotoras e promotores, que também trabalham no estande da Jaguar Land Rover, na sexta: "Vimos que era nossa única refeição do dia e ainda assim era de menos de 400 gramas para ficarmos o dia todo. Foi a gota d'água".

Modelos do estande, mulheres e homens, pediram melhores condições à agência que os contratou. Alguns se mostraram insatisfeitos e ameaçaram não voltar ao trabalho no sábado (12), primeiro dia de final de semana do Salão. Ninguém desistiu, porém, segundo a conta da montadora inglesa, que é cliente da agência que contrata modelos homens e mulheres e disse à reportagem de UOL Carros, no final deste domingo, estar constantemente ouvindo os promotores que trabalham em seu espaço.

Segundo a marca, ajustes foram feitos baseados nessa "conversa" com meninas e meninos que se manifestaram: a pausa passou de um período de uma hora para dois tempos de uma hora; destaques (que ficam ao lado de carros em plataformas giratórias) agora podem tirar alguns momentos para sentar; por fim, a refeição principal foi adequada e inclui um mesão de café da manhã e lanche à tarde disponíveis.

Ainda de acordo com a Jaguar Land Rover, a fabricante soube apenas durante o evento que a ração diária de modelos era diminuta e tratou de ampliar a refeição assim que conversou com modelos e promotores do estande. Além disso, echarpes foram compradas, complementando o vestuário das modelos, que já era mais confortável que o de outros estandes, segundo a empresa. A marca inglesa informou ter procurado organização do Salão e representantes de outras marcas para acordar uma solução para a questão da baixa temperatura no Pavilhão.

"Nenhum funcionário do nosso estande, porém, paga pela alimentação, até porque isso é proibido. A Jaguar Land Rover faz o repasse integral do vale [referente à refeição do período], tanto que foi assim que pudemos verificar e corrigir o caso da alimentação", informou representante da empresa.

Ainda de acordo com a marca, "qualquer sugestão para melhorar o trabalho durante os 10 dias é bem-vinda". "Eles reclamaram do cachê e de não ter café de manhã. Estamos aqui para ajudar no que for possível. A partir deste domingo (13), até dia 20, todos terão direito a uma mesa de café da manhã e da tarde. E se estiver frio, pode usar meia-calça e casaco, por que não? Basta falar com a gente", complementou o executivo da marca.

Divulgação
Jaguar Land Rover coloca mesão de lanche no estande após ouvir modelos Imagem: Divulgação

"O problema é que uma única agência de modelos presta serviço a quase 70% das montadoras que têm estandes. As meninas e também os meninos temem reclamar e ficar sem trabalho", disse Larissa.

Mesmo com ajustes, a maior parte dos promotores em todos os estandes fica em pé das 13h às 22h, com apenas uma hora de descanso - "você tem de escolher se vai almoçar ou jantar". No caso das meninas, a condição é agravada de acordo com os sapatos exigidos: em muitos casos, há saltos de 15 cm.

"Enquanto houver meninas que se sujeitem a isso, as marcas vão abusar de sapato e roupa", apontou outra promotora, que pediu sigilo total.

Herlander Zola, diretor de marketing da Audi no Brasil, disse que as promotoras estão acostumadas a usar este tipo de calçado. A fabricante alemã, porém, reiterou que tenta ajustar os critérios definidos para sua apresentação, de forma a atender a visão de sofisticação da marca sem reduzir o conforto de modelos. Segundo a marca, há uso de saltos, mas de menor tamanho, assim como de vestidos que não exponham tanto as modelos. Além disso, a seleção deste ano conta com meninas que já trabalharam em outras edições. 

"O critério da Audi para escolha das modelos e da vestimenta é equilibrar o conservadorismo e a sensualidade; uma sofisticação com toque de ousadia", afirmou o executivo.

De toda forma, o estande da marca alemã valem beleza, salto alto e vestidos longos, sem espaço para homens.

Anelisa Lopes/UOL
Modelos saem com os pés machucados depois de um dia no Salão do Automóvel Imagem: Anelisa Lopes/UOL

Outra visão

Na Citroën, seis homens e oito mulheres dividem tênis e roupas mais despojadas. A diversidade é semelhante (ainda que não igual) à do espaço da Jaguar Land Rover, que readequou o tratamento aos promotores após conversas internas. Qual a diferença?

"As áreas de marketing e de eventos escolhem os modelos por meio de entrevistas presenciais. Eles têm de conseguir passar a essência da marca, como elegância, personalidade e bem-estar, afinal, a expressão dos promotores reflete o estado de espírito que estão no momento", afirma Fabiana Rizzi, coordenadora de marketing de eventos na Citroën. "Além disso, precisam ter habilidade para lidar em público para explicar sobre os carros", completou.

Treinamento no pano

Falando em treinamento, uma das "flanelinhas" de carro de uma marca premium, que chega a limpar um modelo cerca de 150 vezes ao dia, fez sua trajetória profissional lustrando carros em concessionárias.

"Já trabalhei na Toyota, Volkswagen... Conheço cada cantinho desses carros", disse Lívia**. Para ela, modelos dos estande da marca em que trabalha não sabem nada sobre os carros que estão representando. "Ontem dei uma explicação sobre os modelos para elas. Mas tive de fazer isso escondido", afirmou.

Assédio ainda é regra

BMW, Mercedes-Benz, Mitsubishi, Suzuki, Chevrolet, além de Citroën e Jaguar Land Rover, são exemplos de montadoras que dividiram a equipe de promotores em equipe mista, com homens e mulheres.

Alguns profissionais de ambos os sexos admitiram sofrer com assédio, seja o de público (geralmente sexual), seja das empresas contratantes (moral). Para as mulheres, no entanto, a carga do machismo ainda é maior.

Em qualquer caso, novamente, é uma realidade muito diferente daquela vista em salões europeus, onde homens e mulheres de praticamente todos os estandes são treinados para conhecer o carro e passar informações detalhadas aos visitantes. UOL Carros constatou isso em Frankfurt 2015, quando foi uma promotora da FCA quem explicou as novidades do pequenino 500.

Se aqui é exceção, lá a regra já é ter muito mais que rostinhos bonitos.

*Após o post nas redes sociais, a sandália mencionada foi trocada por um sapato "mais confortável".

**Algumas personagens da reportagem tiveram o nome alterado a pedido próprio ou por entendimento da Redação; outras preferiram sigilo total.

 

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Topo