Carros

A R$ 99.990, novo Jeep Compass renega passado para ser líder

André Deliberato

Do UOL, em Goiana (Pernambuco)

26/09/2016 20h59

Você que acompanha UOL Carros sabe desde junho que o terceiro carro inédito a surgir na fábrica da FCA em Goiana (PE) será a nova geração do Compass, SUV de porte médio, que usa base do Renegade e é um tanto menor que o Cherokee.

Adiantamos, há três semanas, que o lançamento estava mais próximo devido à enxurrada de flagras recebidos diariamente. E cravamos que o novo Compass seria mostrado antes, ainda no final de setembro, ainda que a revelação ao público seja feita mesmo no Salão do Automóvel. Pois bem: chegou o dia. 

Murilo Góes/UOL
Jeep Compass é um dos lançamentos mais aguardados do ano; desenho externo agrada Imagem: Murilo Góes/UOL

Andando sozinho sobre os rivais

A Jeep promete ofertar no Compass todo o pacote tecnológico e até semi-autônomo que modelos recém-lançados no mercado nacional oferecem. Ou seja, em termos de tecnologia, será o carro mais avançado da Jeep no Brasil, neste momento, batendo até o Grand Cherokee -- de quem, aliás, se inspira no visual.

Serão quatro versões de acabamento: Sport e Limited, sempre com motor flex; Longitude (flex ou diesel) e Trailhawk (somente a diesel).

Estes são os valores:

+ Compass 2.0 Sport Flex AT6: R$ 99.990

+ Compass 2.0 Longitude Flex AT6: R$ 106.990

+ Compass 2.0 Opening Edition Flex: a definir

+ Compass 2.0 Limited Flex AT6: R$ 124.990

+ Compass 2.0 Longitude Diesel AT9: R$ 132.990

+ Compass Trailhawk Diesel AT9: R$ 149.990

A Jeep espera que configurações com motor flex respondam por 70% das vendas. Questão de preço. Para puxar estas vendas, vai apostar até em configuração Opening Edition, série especial e limitada baseada na versão Longitude flex, mas com pacote mais completo. É a mesma estratégia usada com o Renegade, em abril de 2015. O preço, porém, ainda não foi anunciado.

Para opções a diesel, 30% de entregas, ainda que a marca não revele quantas unidades pretende vender por mês. Objetivo é claro: liderar o segmento de SUVs médios no Brasil e, por que não, no mundo.

"Os sedãs e alguns modelos premiuns têm tecnologia semi-autônoma, mas a categoria de SUV médio ainda não. O Compass será o primeiro", revela Alexandre Clemes, gerente de produto da FCA.

Na mira estão modelos como Hyundai ix35, Kia Sportage e Mitsubishi ASX, além dos premiuns alemães Audi Q3, BMW X1 e Mercedes GLA.

Entregas às lojas começam logo após sua estreia oficial, que acontece no Salão do Automóvel de São Paulo, entre os dias 10 e 20 de novembro. Mas já é possível espiar o visual do Compass no vídeo exclusivo de UOL Carros.

Murilo Góes/UOL
Imponente por fora, Compass quer liderar segmento e ser visto aos montes na rua Imagem: Murilo Góes/UOL

Conteúdo

O Grupo FCA dividiu o lançamento em duas partes e não revelou o catálogo de equipamentos completo do Compass -- por enquanto, conheceremos apenas o das versões a diesel; o das versões flex deve ficar para outubro.

Divulgou, porém, que o SUV terá faróis e lanternas em LED, câmera de ré e sensor de pressão dos pneus como item de série nas quatro configurações. Detalhes do conjunto mecânico já haviam sido decifrados: o 2.0 MultiJet a diesel tem 170 cv e 35,7 kgfm de torque, assim como câmbio automático de nove velocidades (da ZF), sempre com a primeira marcha com função de reduzida e aliado à tração 4x4.

Mas podemos adiantar que o flex terá os novos motores 2.0 TigerShark (166 cavalos) e transmissão automática de seis marchas da Aisin.

Este é o conteúdo do Compass a diesel:

- Longitude: traz de série itens como os obrigatórios freios ABS e airbag duplo; controle de tração e estabilidade; controle eletrônico anticapotamento; faróis e lanterna de neblina; luzes diurnas (DRL); freios a disco nas quatro rodas; assistente de partida em rampas; ganchos Isofix para fixação de cadeirinhas e limpador e desembaçador do vidro traseiro. 

Itens de conforto e conveniência abrigam alerta, limitador e controlador automático de velocidade; seletor da tração 4x4 para quatro tipos de terreno; painel de instrumentos digital com três polegadas; chave inteligente; direção elétrica; ar-condicionado de duas zonas; freio de estacionamento elétrico; sensor de estacionamento traseiro; vidros com função one-touch; volante multifuncional; tela tátil central colorida de 8,4 polegadas, seis alto-falantes, entrada USB, conexão Bluetooth com comando de voz e GPS; rodas de liga leve de 18 polegadas.

Como opcional, oferece o pacote Safety, que adiciona cinco airbags (dois laterais dianteiros, dois de cortina e um para o joelho do motorista). Há ainda teto solar e o pacote Premium (bancos com couro, sistema de som da grife Beats, sensor de chuva, para acendimento automático dos faróis e retrovisor interno antiofuscante).

- Trailhawk: a versão off-road incorpora de série os itens opcionais do Longitude e mais ganchos de reboque na carroceria; painel de instrumentos em TFT com display colorido de 7 polegadas; protetores de cárter, da transmissão e do tanque de combustível; faróis em xenon; seletor da tração 4x4 para cinco terrenos; suspensão elevada e detalhes estéticos aventureiros.

São três pacotes opcionais: teto solar panorâmico; Advanced Assist (inclui os tecnológicos controle adaptativo de velocidade -- ACC, monitoramento de mudança de faixa, farol alto automático e aviso/prevenção de colisão frontal); e o Pack Top III (estacionamento automático, chave presencial com partida remota, bancos dianteiros com ajuste elétrico e som Beats com nove falantes e subwoofer).

Clique aqui para conhecer o catálogo do Compass com motor a diesel. Para visualizar a ficha técnica, acesse este link. 

Murilo Góes/UOL
Compartilhamento de peças: apesar de usar elementos de design do Cherokee, painel remete mais ao Renegade -- note que o volante, por exemplo, é praticamente o mesmo Imagem: Murilo Góes/UOL

Passado renegado

Como o Renegade e a picape Fiat Toro -- quem vendem muito bem em seus segmentos -- o novo Compass também sairá da moderna fábrica da FCA em Goiana (PE). Esta será, claro, a missão do também novo Compass, que terá de renegar (com o perdão do trocadilho) seu passado com excesso de recalls e reclamações de preço elevado para o que entregava, se quiser ser bom de loja.

Se o antigo Compass vendeu pouquíssimo no Brasil, a nova geração manterá o nome, mas apenas isso: alguns elementos mecânicos e visual vêm do Renegade (repare na lateral chapada e no formato das caixas de roda), enquanto o desenho elegante na dianteira lembra uma espécie de "Mini-Grand Cherokee". Internamente, na FCA, ele foi até apelidado de "Baby-Grand", um bebê do Grand Cherokee.

De toda forma, o nome Compass -- "bússola" em inglês -- foi mantido por conta do registro definido e da origem aventureira. Outra opção era Patriot, SUV que nunca foi vendido no Brasil, mas que existiu e ainda existe em outros mercados -- mas que confundiria consumidores e ainda soaria "americano demais", segundo fonte da FCA. Um terceira alternativa foi estudada, mas o nome não foi revelado.

O interior mistura a praticidade do Renegade com o requinte do Cherokee, o próximo SUV, maior e mais caro, na hierarquia da Jeep.

E atenção: há ainda a expectativa de um quarto produto a ser feito em Goiana, ainda que o Grupo FCA guarde segredo. As apostas seguem sendo de um médio (hatch e sedã) da Fiat, com pinta do Tipo europeu.

UOL Carros teve a oportunidade de rodar com o Compass e publica as impressões ao volante na quarta-feira (28), às 10h. Volte e confira.

*Viagem a convite da FCA do Brasil

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Mais Carros

Topo