Carros

Mobi Way chega para enfim colocar citycar no top 10; veja como anda

Leonardo Felix

Do UOL, em Itu (São Paulo)

06/06/2016 08h00

A Fiat lançou o Mobi, em abril, com a meta de vender 65 mil unidades até o fim de 2016 e voltar a brigar pelo topo do ranking de modelos mais vendidos do Brasil. 

Alguns fatores atrapalharam a escalada do citycar até o momento. Três deles: a decepcionante tabela de preços, acima de R$ 30 mil mesmo na versão mais pelada; a queda livre do segmento de carros de entrada; e a sensação de que o Mobi vai pouco além de um "mini-Uno".

Nesta sexta-feira (3) começaram a chegar às lojas os primeiros exemplares das versões aventureiras Way e Way On, que desembarcam tendo uma grande responsabilidade: fazer com que o subcompacto enfim se estabeleça entre os dez veículos mais comercializados do país.

Preços já haviam sido anunciados no lançamento geral:

+ Mobi Way 1.0 -- R$ 39.300
+ Mobi Way On 1.0 -- R$ 43.800

De série, a configuração conta com os mesmos itens da Like/Like On. O Mobi Way traz chave canivete; direção hidráulica; vidros (só dianteiros) e travas elétricos; ar-condicionado; limpador, lavador e desembaçador de vidro traseiro; quadro de instrumentos com computador de bordo digital de 3,5 polegadas; volante e cintos dianteiros com regulagem de altura; preparação para rádio; e rodas aro 14 de aço.

Murilo Góes/UOL
Pneus de perfil mais alto e protetores nas caixas de roda são de série em toda a configuração Way, mas rodas em liga leve só versão On tem Imagem: Murilo Góes/UOL
O Way On acrescenta: alarme; retrovisores externos com ajuste elétrico, luz de seta integrada e tilt down (sistema que rebaixa automaticamente o espelho do lado direito durante manobras à ré); rádio com sistema de áudio via Bluetooth (o mesmo de Uno e Toro Freedom); faróis de neblina; console de teto com porta-óculos e espelho convexo para "vigiar" as crianças no banco traseiro; e rodas de liga leve.

Além disso, ambas as versões contam com apliques plásticos nos para-choques, paralamas e nas caixas de rodas, barras longitudinais de teto, suspensões elevadas e pneus de perfil mais alto que os convencionais.

Graças aos penduricalhos espalhados pela carroceria, o Mobi Way ficou 1,5 cm mais alto e 5 cm mais largo (sem contar os retrovisores) que o Like.

Com tal pacote, a Fiat espera, já em junho, elevar dos atuais 2.400 carros vendidos por mês para pelo menos 4.000 o total mensal de emplacamentos. 

Murilo Góes/UOL
Suspensões elevadas em 1,5 cm deixaram modelo um pouco mais valente em pisos não asfaltados; adesivo na tampa de vidro do porta-malas é exclusivo da versão Imagem: Murilo Góes/UOL

Como anda

UOL Carros teve oportunidade de rodar com o Mobi Way On por cerca de 100 quilômetros entre rodovias e alguns trechos de terra do interior de São Paulo. O resultado? Nada diferente daquilo que vimos no teste do Mobi Like On.

Divulgação
No teto, Mobi tem porta-óculos e pequeno espelho convexo equipa somente o Mobi Way On Imagem: Divulgação
Há um destaque positivo extra: com as modificações feitas no conjunto de suspensões -- novos amortecedores e molas, inclusão de barra estabilizadora e coxim hidráulico (componentes inexistentes na traseira das versões civis) --, o Mobi Way se mostra mais firme que o Like, a ponto de encarar até trilhas de barro.

Valente como já é o Uno. o pequenino vai bem nas inúmeras imperfeições da malha rodoviária brasileira, mas não queira abusar nas curvas: rolamento da carroceria continua excessivo para um modelo desse porte.

De resto, estamos falando das mesmas limitações de qualquer outra versão: acabamento simples, espaço demasiadamente apertado, ruídos que invadem a cabine a toda hora e um motor -- 1.0 Fire flex, de 4 cilindros e 73/75 cv (gasolina/etanol) a altos 6.250 rpm -- que precisa "berrar" a mais de 3 mil giros, em quarta ou quinta marcha, para acompanhar o ritmo dos demais carros em velocidades nromais de uma rodovia.

Consumo médio ficou na casa de 10 km/l, segundo o computador de bordo.

E a "central-celular"?

No lançamento, a Fiat também prometeu oferecer, a partir deste mês, o pacote Live On, que transforma o celular do motorista em central multimídia: você baixa um aplicativo, usa a conexão Bluetooth, encaixa o smartphone no painel e pode acessar estações AM/FM, lista de músicas no Spotify, informações de clima e horário, dicas de condução econômica e até Waze.

Os comandos são feitos no celular ou pelo volante, que ganha teclas e botões multifuncionais especialmente para isso. O item existirá na gama apenas como opcional, mas virá com atraso: a nova previsão é de que esteja pronto no fim de julho, com boas chances de ir para o mercado só em agosto.

"Tivemos problemas de ajustes para celulares Apple e precisamos de mais tempo do que o esperado para encontrar a solução", justificou Carlos Eugênio Dutra, diretor de produto da marca.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Mais Carros

Topo