Carros

Estepe obrigatório é "atraso", diz indústria; veja alternativas

Marcelo Justo/Folhapress
PL propõe padronizar o uso de estepes full size em todos os carros Imagem: Marcelo Justo/Folhapress

Leonardo Felix

Do UOL, em São Paulo (SP)

05/02/2016 07h00

Membros da indústria de veículos e pneus consideraram "um atraso" o Projeto de Lei 952/2015, do deputado Fábio Mitidieri (PSD/SE), que propõe obrigar o uso dos estepes full size (idênticos aos pneus originais de um carro) em todos os automóveis vendidos em território nacional. Caso aprovado, ele tornaria proibido o uso os chamados estepes temporários, mais finos e que atuam com limitação de velocidade e quilometragem. Com o fim do recesso parlamentar de fim de ano, o Congresso Nacional brasileiro voltará a tramitar a proposta ao longo deste ano.

Arquivo Folha
Estepe de emergência é mais fino e leve que um conjunto convencional, e permite andar só até o borracheiro mais próximo Imagem: Arquivo Folha
Atualmente as leis brasileiras obrigam o uso de rodas sobressalentes em toda a frota circulante, mas não especifica que elas precisam ser iguais aos pneus titulares. No ano passado, o Contran (Conselho Nacional de Trânsito) chegou a criar uma resolução para regulamentar o uso de estepes temporários e também o de pneus run flat (capazes de andar temporariamente, mesmo esvaziados), a velocidades de até 80 km/h. Leia a resolução na íntegra clicando aqui.

Para Alberto Mayer, presidente da Anip (Associação Nacional da Indústria de Pneus), a medida colocaria o país na contramão das novas tendências globais . "Ela é totalmente inútil", criticou. "A grande maioria das pessoas anda só na cidade. Estepes provisórios, pneus run flat e até kits de vedação são suficientes nesses casos", seguiu o executivo, que comparou o caso ao dos extintores ABC -- que deixaram de ser obrigatórios poucos meses depois de virar item indispensável.

Lothar Werninghaus, consultor técnico da Audi, apontou outros fatores: "A vida útil de um pneu é de cinco anos. Se um estepe leva três, quatro anos até ser usado, já terá perdido boa parte da cristalização e da aderência da borracha. Além disso, em veículos com tração 4x2 o desenho dos pneus pode mudar de um eixo para o outro. Já os compostos de tipo radial precisam respeitar o sentido de giro correto, para não comprometer a estabilidade. Que critério será seguido nessas situações?", questionou.  

Há ainda as questões de peso, volume e custos: segundo a Anip, um pneu-socorro temporário pesa cerca de 60% menos do que um convencional de aço aro 15 (quem entende de carros minimamente sabe que, quanto maior o lastro presente, mais combustível um veículo vai consumir); uma roda aro 20 com 23,5 cm de largura ocupa até 70 litros de volume em um porta-malas; e enquanto um conjunto de estepe fino com roda e pneu custa menos de R$ 300 em sites como o Mercado Livre, um pneu full size se aproxima de R$ 1.000, dependendo do modelo.

Veja como funciona um kit de vedação de pneus

Justificativa

O objetivo do PL 952/2015 é criar um inciso ao artigo 105 do CTB (Código Brasileiro de Trânsito), que estabelece todos os itens obrigatórios em um automóvel. Em contato com UOL Carros via assessoria, o deputado Fábio Mitidieri defendeu que as condições viárias de certas regiões do Brasil impedem o uso das soluções apontadas pelos especialistas. "Hoje, caso um motorista tenha um problema em rodovia remota, como no Acre, o estepe não está dimensionado a operar em velocidades superiores a 60 km/h, nem a andar por muitos quilômetros. Assim, seu uso aumenta o risco de acidente", justificou.

Divulgação
Kit de mobilidade da Continental veda e enche um pneu furado em poucos minutos, dando sobrevida até que o motorista encontre assistência para troca Imagem: Divulgação
Segundo ele, a alteração no CTB também não causaria grandes impactos à produção local. "Os carros brasileiros sempre foram uns dos mais caros do mundo. Certamente a inclusão de um estepe nas mesmas condições dos pneus originais não afetará estrutura de preços. Entendemos que conforto e segurança devem ser prioridades das montadoras", argumentou. 

O PL já foi aprovado pelo relator da Comissão de Defesa do Consumidor da casa, mas ainda precisa passar pelo crivo das comissões de Desenvolvimento Econômico e Indústria, de Viação e Transporte, e de Constituição, Justiça e Cidadania. Em contato com UOL Carros, a assessoria do autor da proposta admitiu que a circulação ainda deve levar alguns meses até entrar em votação.

Descumprimento a essa nova lei seria considerado infração grave, com perda de cinco pontos na CNH (Carteira Nacional de Habilitação) e multa de R$ 127,69. Procuradas, assessorias de montadoras que operam no país, seja com produção local, caso de Fiat e Renault, seja por importação, caso da Jaguar-Land Rover, não quiseram se manifestar a respeito da questão. 

Divulgação
Reforço no ombro (em laranja) é o que permite pneu run flat continuar andando por mais alguns quilômetros, mesmo quando furado Imagem: Divulgação

Soluções para emergências

+ Estepe full size (R$ 350 a R$ 1.000): possui as mesmas especificações dos pneus usados originalmente no carro. Indicado a veículos 4x4 preparados para o off-road, que usam um jogo padronizado nas quatro rodas e acessam regiões remotas e de terreno bastante acidentado, sendo mais propensos a sofrer rasgos irreparáveis.
+ Estepe temporário (R$ 250 a R$ 300): mais fino e leve do que uma roda convencional, permite que o carro ande por mais 80 quilômetros, a uma máxima de 80 km/h, até que o motorista encontre um borracheiro para fazer o reparo ou a troca definitiva. Recomendado para ambientes urbanos, deve ser usado com cautela, pois compromete todo o equilíbrio do modelo.
+ Pneus run flat (R$ 1.000 a R$ 2.000): solução já presente em alguns modelos importados, tem sua estrutura reforçada para conseguir rodar mesmo quando o ar se dispersa por conta de um furo. Segundo reclamação recorrente de proprietários, os ombros duros desse tipo de composto compromete o conforto, e a durabilidade é menor.
+ Kits de vedação (R$ 50 a R$ 120): bastante usado por ciclistas: É munido de um spray selante e uma bomba compressora de ar para vedar pequenos furos e encher novamente um pneu danificado. Também quebra um bom galho em ruas e estradas asfaltadas, desde que respeitados os limites de quilometragem e velocidade. Não é comercializado oficialmente no Brasil, mas há ofertas em sites como o Mercado Livre.
+ Acionar o seguro: muitos desconhecem, mas a maioria dos seguros automotivos cobrem incidências como furos em pneus. O grupo Mapfre/Banco do Brasil, por exemplo, oferece tal cobertura em todos os seus planos. Segundo a empresa, cerca de 25 mil segurados da companhia acionam a assistência anualmente no Brasil. 

Divulgação
Dependendo do carro, estepe inteiriço vai ocupar espaço considerável do porta-malas Imagem: Divulgação

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Topo