Carros

Volvo diz que carro já pode andar sem motorista. De verdade

Divulgação
Que tal não se preocupar com o volante? Isso finalmente vai acontecer, promete Volvo Imagem: Divulgação

Eugênio Augusto Brito
Leonardo Felix

Do UOL, em São Paulo (SP)

19/02/2015 15h08Atualizada em 19/02/2015 18h02

O carro autônomo da Volvo está pronto para andar... sozinho. Sem motorista. De verdade. A marca sueca de veículos de passeio anunciou no começo da tarde desta quinta-feira (19), por teleconferência global, a segunda fase do projeto Drive Me para modelos que dispensam a condução do motorista. A partir de agora, os protótipos já podem, finalmente, dispensar a supervisão de uma pessoa atrás do volante -- até então, engenheiros e técnicos precisavam ficar de prontidão, prontos a assumir a direção, caso o sistema autônomo falhasse.

Também foi confirmado que o primeiro modelo comercial da marca a contar com o sistema autônomo será o XC90, como UOL Carros havia adiantado. Apresentado no Salão de Paris, em outubro, o SUV grande começa a ser vendido este ano na Europa e deve chegar ao Brasil até 2016. Mas calma...

Ainda será preciso guiar o XC90 normalmente -- com mãos ao volante e pés usando freio e acelerador (o modelo é automático) --, uma vez que o sistema autônomo seguirá em testes restritos de validação, em estradas selecionadas e apenas na Suécia, até o final do ano que vem.

Unidades autônomas nas mãos e garagens de clientes só em 2017, quando 100 pessoas comuns serão escolhidas para a fase final do projeto. "Os escolhidos têm que representar toda a base de consumidores: dos motoristas mais jovens aos mais velhos, dos iniciantes aos mais experientes. A intenção é que eles lidem com os veículos como lidariam com qualquer outro carro", afirma Erik Coelingh, um dos engenheiros responsáveis pelo projeto da Volvo. 

Divulgação
Novo XC90 será o modelo oficial para o projeto autônomo a partir de agora Imagem: Divulgação
Vendas de modelos totalmente operacionais devem ficar para 2019 ou 2020, já que a montadora precisa de tempo para lidar com modificações nas legislações de vários países. Por isso, a Volvo trata as questões "cronograma" e "prazos" com muita cautela.

Segundo a executivos da marca, a capacidade de autodireção eleva o preço final do carro em não mais de 2.000 euros (pouco mais de R$ 6.000). No Brasil, onde os Volvo chegam por importação, o valor extra pode subir a R$ 12 mil. Salgado, mas não absurdo: dá menos de 10% do preço atual de modelos como S60 e V60 T6, ambos acima de R$ 200 mil. Vale lembrar que o XC90 ainda não tem preço definido, mas será mais caro que estes modelos e pode passar dos R$ 300 mil.       

Divulgação
De olho no mundo: câmeras trifocais (foto), estereoscópicas (3D) e de visão noturna se aliam a sensores laser, radares, processadores e conexões wi-fi com centrais de trânsito para permitir que carro enxergue outros veículos ciclistas e pedestres. Imagem: Divulgação
É UM CARRO OU UM AVIÃO?
Segundo a marca, é possível comparar o carro autônomo a um avião para entender a nova fase do projeto: se preciso, o piloto pode comandar a situação até a altura de cruzeiro e então confiar o deslocamento da aeronave ao computador de bordo, sem receio. Em caso de falha  do sistema de navegação principal, dispositivos secundários garantem a segurança de todos.

Voltando ao carro autônomo da Volvo, o "dispositivo secundário" de segurança era o técnico/motorista -- como UOL Carros mostrou em série de reportagens especiais sobre o tema feitas na Suécia -- que deveria estar sempre atento.

Agora, essa redundância (como dizem os engenheiros) será feita pelo sistema automatizado do carro, com novos sensores a laser, radares, câmeras (de três focos, estereoscópicas e normais) espalhadas ao redor do veículos e no para-brisa, bem computadores de processamento rápido. A chave para tudo, porém, está na comunicação com as companhias de trânsito das cidades. A Volvo finalmente inaugurou um sistema de nuvem de dados (cloud computing), com mapas de trânsito e informações sobre veículos autônomos, em parceria com as "CETs" de cidades suecas como Gotemburgo, onde os primeiros testes estão sendo feitos.  

PLANOS
Uma das primeiras montadoras a anunciar planos de veículos autônomos, ao lado da Mercedes-Benz, a Volvo resolveu acelerar alguns passos nesse caminho com o aumento da concorrência. A marca alemã havia dito que colocaria um modelo autônomo nas ruas em 2020, mas pode antecipar o cronograma. Já a americana Ford revelou no final de janeiro que contratou engenheiro da Apple especialista em iPhones para engrenar seus planos de ter um Fusion que ande sozinho.

Todo o projeto sueco -- que envolve ainda universidades locais e o próprio governo -- faz parte da política de segurança de redução de acidentes de trânsito a níveis quase virtuais. A meta da marca é reduzir ao máximo o total de acidentes a curto prazo, chegando ao auge (por ora, utópico) de não ter qualquer vítima fatal em ocorrências envolvendo um modelo Volvo.

Até mesmo o Brasil tem chance de recebê-los, cerca de seis meses após o lançamento na Europa. Tudo, claro, se as leis locais permitirem.

E SE CHOVER?
Quando os primeiros autônomos de produção surgirem, sua utilização só será possível em vias e estradas previamente mapeadas. Ou em locais de tráfego controlado, como estacionamentos e condomínios. O sistema também será incapaz, pelo menos na fase inicial, de se autocontrolar em condições climáticas extremas, como nevascas ou chuvas muito fortes. 

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Mais Carros

Topo