Carros

Chery inaugura fábrica no Brasil; Celer nacional chega em setembro

André Deliberato/UOL
Primeira unidade do Chery Celer nacional é observada pela imprensa em Jacareí (SP) Imagem: André Deliberato/UOL

André Deliberato

Do UOL, em Jacareí (SP)

28/08/2014 14h11Atualizada em 28/08/2014 15h20

Depois de mais de três anos de construção, a fábrica da Chery em Jacareí, cidade de aproximadamente 220 mil habitantes a cerca de 80 quilômetros de São Paulo (SP), ficou pronta. O lançamento oficial da primeira instalação fabril da empresa fora da China -- considerando produção integral, não por montagem CKD -- aconteceu na manhã desta quinta-feira (28).

Nesta unidade será fabricado o compacto Celer (configurações hatch e sedã, com visual renovado). Unidades pré-série começam a sair da linha de montagem agora em setembro para o Salão do Automóvel de São Paulo, em outubro, e exposição em concessionárias. A produção comercial se inicia em dezembro.

Esta nova sede da Chery contou com aporte da matriz chinesa de US$ 530 milhões (cerca de R$ 1,2 bilhão), sendo US$ 400 milhões (aproximadamente R$ 850 milhões) para a fábrica de automóveis e US$ 130 milhões (mais de R$ 250 milhões) para a de motores. Quando estiver totalmente operacional, a unidade terá capacidade de produção anual de 150 mil veículos.

Participaram da cerimônia de inauguração o vice-presidente da República, Michel Temer, e o governador do Estado, Geraldo Alckmin, candidatos à reeleição, além de executivos chineses, como Zhou Biren, presidente da Chery International e vice-presidente global da empresa.

Geely aguarda

  • Imagem: Divulgação
    Divulgação
    Imagem: Divulgação

    Geely GC2 é trunfo da marca

    Após apresentar o compacto GC2, que custa R$ 29.900, tem visual fofinho e vai competir com Chery QQ, Kia Picanto e Volkswagen up!, entre outros, a chinesa Geely (controladora da Volvo) afirmou que tem planos de erguer fábrica no Brasil, mas vai esperar o resultado das Eleições de outubro para definir sua ação. SAIBA MAIS

CELER É O 1º
O Celer inicia sua produção com mais de 50% de índice de nacionalização, graças a importantes fornecedores locais, como Pirelli, Moura, Bosch, Goodyear, Basf e Petronas, entre outros.

"Todas estas empresas estão situadas em um raio de até 100 km. E ainda contamos com um espaço ao redor da fábrica de automóveis que em breve poderá receber um polo de fornecedores", aponta Luis Curi, vice-presidente da Chery do Brasil.

Espera-se aumento do índice de nacionalização, segundo a fabricante, para até 70% em dois anos, momento no qual as transmissões também começam a ser produzidas localmente.

AMPLIAÇÃO
O novo QQ
, já testado por UOL Carros na China, surge apenas em abril do ano que vem. Para 2016, a marca anuncia planos mais ambiciosos: fará um utilitário esportivo no local e iniciará a exportação dos três modelos para Argentina, Uruguai, Colômbia, Equador, Venezuela e Peru.

Com a fábrica, a marca espera chegar a 3% de participação de mercado brasileiro ao longo dos próximos anos, além de praticamente dobrar a quantidade de concessionárias disponíveis no Brasil. "Com a fábrica operando, teremos maior demanda de mercado, o que também refletirá no aumento da rede. A meta é chegar ao fim de 2014 com 100 revendas", analisa Curi.

A Chery vendeu 8 mil carros em 2013 e espera fechar 2014 com 15 mil carros vendidos. Atualmente, são 67 lojas espalhadas pelo Brasil.

Conheça a fábrica da Chery em Jacareí (SP)

1.0 TURBO
Além da linha de montagem dos três modelos, a unidade de Jacareí também terá fábrica de motores da linha Acteco -- marca austríaca pertencente ao grupo Chery. Neste primeiro momento, serão feitos motores de 1,0 e 1,5 litro. No futuro, motor 1.0 turbo também deve ser fabricado pela empresa.

"No futuro, também serão produzidos outros motores, para abastecer não só a demanda da Chery em Jacareí, mas também de outras localidades", revela o presidente da empresa no Brasil, Roger Peng.

Divulgação
Linha já faz o Celer nacional, que começa a ser entregue de fato em dezembro Imagem: Divulgação

O LOCAL
Construída em um terreno de mais de um 1 milhão de metros quadrados, a fábrica possui área construída de 400 mil metros quadrados, onde estão localizadas três unidades produtivas -- montagem, soldagem e pintura --, além de prédio administrativo e restaurante. O complexo ainda contempla uma pista de testes.

De acordo com a marca, mais de 300 empregos foram gerados durante as obras. Para operação parcial até dezembro serão empregados também 300 funcionários -- 30% destes são ex-profissionais General Motors de São José dos Campos. Até o final de 2014, a fábrica espera contar com 500 colaboradores.

Além da estreia da fábrica, a Chery anunciou planos de um centro de pesquisa e desenvolvimento (CPD) exclusivamente para a filial brasileira. Ainda sem local definido para ser instalado (executivos afirmam que São José dos Campos, pela proximidade, é um dos locais mais cotados), o projeto conta com investimento de R$ 50 milhões.

A empresa afirma que já estuda parcerias com universidades locais, como FGV, Faap, Univap, Unip e Anhanguera, e também com centros tecnológicos, como os de Jacareí e São José dos Campos.

Fábrica vai entregar três modelos para mercado nacional e também para exportação

Viagem a convite da Chery do Brasil

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Mais Carros

Topo