Ford Ranger 4x2 Flex impõe respeito enquanto se mantém na cidade

André Deliberato

Do UOL, em São Paulo (SP)

  • Murilo Góes/UOL

    Ford Ranger 4x2 Flex Limited tem jeito de durona... até o asfalto terminar

    Ford Ranger 4x2 Flex Limited tem jeito de durona... até o asfalto terminar

A Ranger é uma picape conhecida no mercado brasileiro por sua tradição e resistência desde 1995, quando chegou para combater outra então recém-nascida do segmento, a Chevrolet S10. Desde então, trava duelo com a picape da GM por oferecer versões que vão da mais simples, com motor flex, à topo-de-linha, a diesel, com tração 4x4 e cabine dupla.

Essa gama variada (atualmente, também oferecida por outras picapes) é perfeita para o país, pois atinge do frotista, que busca o pacote mais barato, ao fazendeiro, que precisa de um carro que encare situações extremas fora-de-estrada.

As especificações intermediárias e topo da gama, curiosamente, acabam sendo as preferidas também de caubóis do asfalto, que gostam de colocar veículos altos e robustos para rodar de casa para o trabalho e de lá para o shopping-center. Os também chamados agroboys não têm preocupação com espaço, nem querem sabem o que significa tração 4x4. Só precisam de um "carrão" para impor respeito na cidade.

São eles o alvo da Ranger Limited flex, de R$ 87.500, avaliada nesta reportagem. Ela tem configuração inicial: motor 2.5 flex de 173 cv e 24,8 kgfm de torque (etanol), câmbio manual de cinco marchas e apenas tração traseira (4x2). Por outro lado, o visual é idêntico ao da versão mais cara -- aquela configuração com cabine dupla, motor diesel, tração 4x4, muito equipamento e verdadeira responsável pela eleição da Ranger como picape do ano pelo júri de UOL Carros (saiba mais aqui).

POR DENTRO DA 4x2 FLEX LIMITED 
Esta grandalhona entrega mimos como o sistema de som com programa SYNC (que ouve os comandos de voz do condutor, mas exige um bocado de tempo até ser compreendido), tela de LCD para rádio, telefonia (por Bluetooth) e navegação por GPS, câmera de ré no retrovisor, bancos de couro com ajuste elétrico para o motorista e ar-condicionado de duas zonas. Além disso, a picape conta com comandos no volante e controle de tração.

Atrás, na cabine, há bom espaço para três pessoas, principalmente para a cabeça -- a área livre para pernas também é boa, mas menos privilegiada. O vão central, normalmente mais alto em picapes médias por causa do eixo cardã, é quase nivelado ao assoalho, graças ao projeto moderno da Ranger. A caçamba da versão com cabine dupla leva bons 1.180 litros, 119 l a mais que uma Chevrolet S10 com a mesma configuração.

Os detalhes da Ranger boa de aslfato
Veja Álbum de fotos

O LADO BOM DE SER GRANDE
Esse apanhado de itens equivale ao pacote de um sedã de luxo em uma embalagem tamanho extra G. No trânsito, há prós e contras. O lado ruim, obviamente, é circular em vias apertadas e manobrar a picape em vagas comuns (mesmo com auxílio da câmera de ré).

Já a vantagem seria uma grosseria em locais civilizados, mas certamente é o diferencial apreciado por agroboys: nenhum carro de passeio ousa te fechar, nem mesmo disputar uma faixa com você -- muitos cederão passagem, raridade nas ruas de nossas capitais.

É UM SUBMARINO?

  • Marcelo Pellegrino/UOL

    Fusca amarelo fica parcialmente submerso em alagamento no cruzamento das avenidas Rebouças e Faria Lima, na Zona Oeste de São Paulo, na última quinta-feira (13). Metade da cidade ficou em estado de atenção. A Ranger trafegou tranquila.

Além disso, nas típicas enchentes de final de ano você vira rei. Em um dos dias do teste, enfrentamos um alagamento absurdo na região da avenida Brigadeiro Faria Lima, em São Paulo (SP). Enquanto todos os outros carros estavam ilhados ou recuados em relação ao alagamento (um Fusca chegou a sucumbir -- a imagem do fato pode ser vista aqui), a Ranger passou com tranquilidade, para a alegria de alguns motociclistas que estavam presos e a acompanharam.

O LADO RUIM DE SER GRANDE
Em alguns pontos, porém, a Ranger está mais para caminhão e dos antigos. O câmbio manual de cinco marchas joga contra: os engates são imprecisos e cortam importantes segundos em uma retomada de velocidade, por exemplo.

Além disso, sua associação a um motor flex num veículo de quase 2 toneladas agrada ao inconsciente coletivo do comprador brasileiro, mas deveria ser proibida por conta do consumo assustador: 4,5 km/l com etanol na cidade. A "salvação" vem do tanque com generosos 80 litros.

A suspensão se comporta bem em vias lisinhas. Mas o leitor sabe o quanto isso é raro no Brasil: prepare-se para trafegar pela cidade como se estivesse na mais atribulada das trilhas.

Leia mais sobre a Ranger

SÓ NO CASCALHO
Vamos falar agora do lado off-road. Mas nem deveríamos: a Ranger 4x2 é um veículo tipicamente urbano, feito no máximo para transitar entre a estradinha recoberta de cascalho que liga a sede da fazenda à rodovia.

Quem realmente precisa de força e desempenho fora-de-estrada tem de optar pela Ranger 4x4 a diesel, avaliado por UOL Carros no início de julho, que faz exatamente o que qualquer outro veículo com este tipo de tração faz.

Assim mesmo, resolvemos jogar esta Ranger "de passeio" na lama, num dia de garoa leve, durante a sessão de fotos em uma pedreira só para saber o que aconteceria. A situação virou motivo de risos. A picape sofreu para se livrar, o controle de tração precisou ser desligado por cortar a rotação do motor na faixa das 4 mil rpm, e os empregados do local tiveram motivo para tripudiar: "O que houve? Uma carro desse não consegue sair?".

É o que dá ter visual de picape completa, a diesel e "traçada", mas ser totalmente urbana. Sem tração integral, a picape estava longe de se sentir em casa. No fim, a Ranger 4x2 até escapou do atoleiro e no retorno à cidade melhorou seu consumo ao rodar pela estrada: 8,9 km/l.

UOL Cursos Online

Todos os cursos