Últimas de Carros

Conheça sete exemplos de carros que usam motor de moto

Newspress
Honda Project 2&4, mostrado no Salão de Frankfurt 2015, é mais recente criação que unifica estrutura de automóvel a propulsor de motocicleta imagem: Newspress

Arthur Caldeira

Da Infomoto

A Honda apresentou no Salão de Frankfurt 2015 o conceito 2&4, conceito de monoposto esportivo empurrado por um motor V4 usado na RC213V, moto com a qual a marca venceu três dos últimos quatro Mundiais de MotoGP (2011, 2013 e 2014).

Parece ousado, não? Nem tanto: equipar carros com motores de motocicletas não é uma ideia assim tão inovadora. No início do século 20, a Morgan fez isso pela primeira vez ao criar o inusitado triciclo 3-Wheeler. Criar veículos de três rodas era moda na época, motivada pela intenção de evitar os impostos cobrados dos automóveis convencionais.

Desde então, várias adaptações de motores de motos em carros foram feitas. Conheça abaixo sete exemplos:

Honda Project 2&4

Newspress
imagem: Newspress
Concebido em trabalho conjunto pelos estúdios de design de carros e motocicletas da Honda, o protótipo 2&4 é basicamente um monoposto de cockpit aberto adaptado para andar nas ruas. A estrutura foi inspirada no RA272, primeiro carro japonês a ganhar um GP de F1, em 1965, no México. Já o motor é o V4 de 215 cv (a 13.000 rpm) e 12,04 kgfm (a 10.500 giros) que empurra a RC213V na MotoGP. A transmissão é automatizada de dupla embreagem e seis velocidades, a mesma usada em outras motocicletas e carros esportivos da fabricante.

Morgan 3-Wheeler

Divulgação
imagem: Divulgação
Primeiro veículo criado por HFS Morgan, para uso pessoal, em 1909, o triciclo -- projetado com duas rodas na frente e uma atrás -- ficou mais famoso por ser um veículo popular do que pelo desempenho. Isso não o impediu de vencer competições de protótipos, já utilizando motores de motocicletas. Em 2011, a Morgan relançou o 3-Wheeler como um roadster equipado com motor V2 de 2.000 cc da S&S, utilizado em motos customizadas nos Estados Unidos. Com 85 cv, caixa de cinco marchas do Mazda Miata e 505 kg, o Morgan 3-Wheeler moderno vai de 0 a 100 km/h em 6s a atinge velocidade máxima de 185 km/h.

BMW i3

Murilo Góes/UOL
imagem: Murilo Góes/UOL
O compacto elétrico BMW i3, vendido no Brasil entre R$ 199.950 e R$ 209.950, possui um motor auxiliar a combustão. Adivinhe de onde vem esse motor? Dos scooters C 600 Sport e o C 650 GT. Vale lembrar que o bicilíndrico de 647 cm³ não move as rodas do modelo: ele serve apenas para gerar energia extra quando a carga da bateria elétrica cai para menos de 20%.

Volkswagen XL Sport

Murilo Góes/UOL
imagem: Murilo Góes/UOL
Mostrado no Salão de Paris em 2014, o Volkswagen XL Sport é um conceito de esportivo empurrado pelo potente motor V2 da Ducati 1199 Superleggera. Capaz de produzir 197 cv (a 11.000 rpm), o propulsor substituiu o eficiente bicilíndrico turbodiesel do XL1, modelo do qual a versão deriva. Como a pegada do XL Sport não é ser eficiente em consumo, o protótipo não economiza em esportividade: pesa meros 890 kg, tem coeficiente de atrito de apenas 0,258 e usa transmissão DCT de sete marchas, suspensões esportivas e freios de carbono-cerâmica.

Radical SR1

Divulgação
imagem: Divulgação
A inglesa Radical aproveitou o fôlego do motor 4-cilindros em linha da Suzuki Hayabusa, de 1.340 cm³, para criar o SR1, uma miniatura dos protótipos LMP2 que disputam as 24 Horas de Le Mans. Com chassi tubular e monoposto, o SR1 é um modelo de entrada com o qual a empresa organiza um campeonato para iniciantes. Por ser usado por novatos, a potência foi reduzida de 197 para 185 cv, o que ainda faz o SR1 ser capaz de atingir 221 km/h. Para participar da temporada com oito provas, basta desembolsar o equivalente a R$ 220.000. 

Motus RCR

Divulgação
imagem: Divulgação
A fabricante americana Motus, conhecida por fazer as sport-touring MST e MSTR, usa em todas suas criações um motor V4 de 1.650 cc e 180 cv (a 8.200 rpm). Trata-se, basicamente, de um Chevrolet V8 "cortado ao meio". Em 2014, a empresa cedeu esse propulsor para o RCR (Race Car Replica), monoposto inspirado na Ferrari D246 que competiu na F1 em 1958. O Motus RCR deu algumas voltas de exibição durante o GP do Texas da MotoGP, no ano passado.

Ariel Atom 500 V8

Divulgação
imagem: Divulgação
Se a Radical utilizou um único motor de Hayabusa, a Ariel foi ao extremo e encomendou à Hartley Engineering um V8 que une dois blocos do 4-cilindros da Suzuki. Com quase 3.000 cc, injetores sequenciais, corpos de aceleração individuais e pistões forjados, o propulsor produz 500 cv no esportivo artesanal Atom 500 V8. Como o chassi é formado por estrutura tubular de pouco mais de 500 kg tubular, a relação peso/potência chega a quase 1 cv/kg, o suficiente para levá-lo de 0 a 100 km/h em absurdos 2,3 segundos. Apenas 25 unidades do modelo foram construídas. 

Topo