Últimas de Carros

O que houve com os envolvidos na fraude da Volkswagen? Veja

Do UOL, em São Paulo (SP)

O escândalo das fraudes em emissões de poluentes nos motores a diesel do Grupo Volkswagen parece não ter fim. A cada dia, novos desdobramentos indicam que um dos maiores conglomerados do mundo no setor automotivo tenta agir rápido para minimizar os impactos -- calculados na casa dos bilhões de euros.

A manipulação, descoberta por acaso pelo ambientalista Peter Mock, funcionava assim: um software, instalado em modelos equipados com motores turbodiesel da família EA189, identificava quando o carro se encontrava em testes de eficiência energética e camuflava a emissão de poluentes, especialmente óxidos de nitrogênio para deixá-la de acordo com os padrões exigidos por Estados Unidos e Europa.

Quando o carro se encontrava em uso normal, contudo, as emissões alcançavam índices até 40 vezes maiores do que aqueles auferidos pelas autoridades.

Desde que o escândalo eclodiu, com abertura de processo no Departamento de Justiça dos EUA, a cúpula da Volkswagen tenta dar respostas que adiantem as investigações e agilizem o desfecho do caso. Confira abaixo algumas das consequências que o dieselgate já provocou ao grupo. 

Os envolvidos

  • AFP

    Martin Winterkorn, ex-CEO

    Pediu demissão e, segundo fontes da marca, pode receber até 60 milhões de euros em indenização. Porém, será processado pela Justiça alemã. Leia mais

    Imagem: AFP

  • Darren Ornitz/Reuters

    Michael Horn, presidente da VW EUA

    Surpreendentemente não caiu, e continua como presidente da marca nos Estados Unidos, mas agora terá de se reportar ao recém-criado cargo de CEO da Volkswagen para a América do Norte.

    Imagem: Darren Ornitz/Reuters

  • Getty

    Grupo Volkswagen

    Demitiu, além de Winterkorn, os chefes de Pesquisa e Desenvolvimento de Volkswagen (Heinz-Jakob Neusse), Audi (Ulrich Hackenberg) e Porsche (Wolfgang Hatz). Também se prepara para arcar com multas bilionárias nos EUA, Europa, Ásia, e já começa a enfrentar proibições na venda de veículos a diesel em países como a Suíça. Leia mais

    Imagem: Getty

  • Paul Sancya/AP

    Audi e Seat

    Marcas vanguardistas do grupo ficaram enfraquecidas após escândalo: no caso da montadora alemã, são 2,1 milhões de carros envolvidos. Leia mais

    Imagem: Paul Sancya/AP

  • Reuters

    Porsche

    Fabricante de esportivos de luxo se fortalece no conglomerado com a ascensão do chefão Matthias Müller ao cargo de CEO geral. Leia mais

    Imagem: Reuters

Topo