UOL Carros

28/05/2009 - 19h24

GM e Tesouro dos EUA fazem nova oferta a credores para acelerar concordata

A General Motors e o Departamento do Tesouro dos EUA fizeram uma oferta melhorada de troca de dívida nesta quinta-feira aos credores da empresa, que possuem US$ 27 bilhões da dívida da GM. A intenção da oferta é abrir caminho para um processo rápido de concordata da montadora.

Sob o acordo proposto, que segundo a GM tem o apoio de credores que detêm cerca de 20% de sua dívida, seria oferecido aos detentores de bônus 10% da empresa re-estruturada, e eles ganhariam garantias para a compra de mais 15%.

Em troca de uma melhora no pagamento, os credores terão que concordar em não se opor a uma medida para vender os ativos lucrativos da GM a uma nova empresa, financiada pelo governo norte-americano, em um processo de concordata acelerada. A oferta de troca está disponível aos acionistas até às 18h deste sábado (horário de Brasília), informou a GM.

A seguir estão detalhes do processo de concordata e 'venda 363' da GM, proposta pelo Tesouro norte-americano, e sua nova oferta de troca de dívida para os credores:

PROTEÇÃO JUDICIAL
* A GM deve fazer um pedido de recuperação sob proteção judicial em forma de concordata (Capítulo 11, sob a lei norte-americana), e deve buscar compradores sob o artigo 363b do código de falências dos EUA. A montadora seria, então dividida em duas empresas: a Velha GM e a Nova GM.

* A GM e suas subsidiárias devedoras venderiam a maior parte de seus ativos à Nova GM. O resto dos ativos seria mantido pela Velha GM, que permaneceria em concordata.

* Após a venda, sob o artigo 363, o Tesouro norte-americano calcula que cerca de 27,2 bilhões de dólares da quantia principal de títulos abrangeria, basicamente, praticamente toda a dívida da Velha GM.

* As estimativas oficiais do governo Obama são de que qualquer tipo de processo ou recuperação judicial da GM duraria pelo menos de 60 a 90 dias.

NOVA CAPITALIZAÇÃO
* Dívida: a estimativa é de que a Nova GM tenha aproximadamente US$ 17 bilhões de dívida total consolidada, sem contar dívidas relacionadas aos seus programas de financiamento de fornecedores de autopeças e de garantia. A dívida inclui US$ 8 bilhões devidos ao Tesouro dos EUA, US$ 2,5 bilhões devidos ao fundo de pensão de saúde do sindicato United Auto Workers --o Voluntary Employee Beneficiary Association (VEBA)-- e mais 6,5 bilhões em outras dívidas.

* Ações preferenciais perpétuas: são 9 bilhões de ações preferenciais perpétuas acumuladas, com um dividendo de 9% ao ano. Desses 9 bilhões, 2,5 serão do Tesouro norte-americano e 6,5 serão do novo VEBA.

PROPRIEDADE
* A participação acionária ordinária da Nova GM seria distribuída da seguinte forma após completar a 'venda 363':

-- 72,5% para o Tesouro dos EUA

-- 17,5% para o novo VEBA

-- 10% para a Velha GM

GARANTIAS
* A Velha GM receberia garantias para a compra de novas ações da Nova GM em valor igual a 7,5% da participação acionária ordinária. Estas poderão ser executadas a qualquer momento antes do sétimo ano de emissão destas ações.

* A Nova VEBA receberia garantias ara a compra que novas ações da Nova GM em valor igual a 2,5% da participação acionária ordinária. Estas poderão ser executadas a qualquer momento antes do dia 31 de dezembro de 2015.

FINANCIAMENTO DIP
* O Tesouro norte-americano, junto com um ou mais órgãos governamentais, irá oferecer financiamento sob termos de preferência de pagamento (debtor-in-possession financing, em inglês)

* Sem contar os US$ 8 bilhões devidos ao Tesouro dos EUA pela Nova GM, os outros valores devidos ao Tesouro sob financiamento da dívida existente e da dívida com pagamento preferencial relacionadas à 'venda 363' passariam por uma troca de dívida.

* O Tesouro já deu US$ 19,4 bilhões em empréstimos para manter a GM funcionando desde o início do ano.

SINDICATO
* O sindicato United Auto Workers terá um diretor no conselho da Nova GM.

* O sindicato não espera ter que exercer sua garantia de 2,5% de participação na Nova GM.

* Pelas estimativas do sindicato, a Nova GM precisaria ser avaliada em 75 bilhões de dólares para que as garantias sejam exercidas.

MAIS AUXÍLIO
A GM deve receber um total de US$ 40 bilhões em auxílio governamental, incluindo US$ 9 bilhões do governo canadense. (reportagem de Soyoung Kim e Poornima Gupta)
Fale com UOL Carros

SALOES