UOL Carros

13/03/2009 - 18h28

Fiat e fornecedores de MG renovam até abril acordo por emprego

Em Belo Horizonte (MG)
A Fiat Automóveis e 13 empresas fornecedoras da montadora de Minas Gerais renovaram acordo nesta sexta-feira (13) para impedir demissões até 20 de abril, quando será realizada uma nova avaliação. A reunião entre representantes das empresas e dos trabalhadores ocorreu na sede da Federação das Indústrias de Minas Gerais (Fiemg). O acerto envolve o Sindicato dos Metalúrgicos de Betim, Igarapé e São Joaquim de Bicas, na região metropolitana da capital mineira.

O prazo definido nesta sexta vai além daquele estabelecido até agora pelo governo federal para redução das alíquotas do Imposto Sobre Produtos Industrializados (IPI) sobre os veículos, apontado como principal fator para a recuperação do setor. A redução termina -- pelo menos em tese -- em 31 de março.

Além da manutenção dos empregos, as fornecedoras se comprometerem a recontratar 190 funcionários até o fim do mês e, caso o bom desempenho das vendas seja mantido, garantiram a contratação de outros 320 trabalhadores em abril. O primeiro acordo entre as empresas e os trabalhadores foi fechado oficialmente em 17 de fevereiro passado --após compromisso verbal assumido no fim de janeiro -- e, segundo o presidente do sindicato, Marcelino da Rocha, conseguiu reduzir em 47,8% o número de demissões em relação ao mês anterior.

Em janeiro, a Fiat e suas fornecedoras demitiram 1.626 funcionários com mais de um ano de casa. No mês seguinte, as demissões caíram para 848, todas antes do acordo.

SEM TERROR
"Essa foi uma sexta-feira 13 mais alegre, e mostrou que as demissões anteriores foram precipitadas. Falta o governo definir a questão do IPI", observa o sindicalista Rocha, que defende a medida, desde que o governo exija como contrapartida a manutenção de empregos e contratações.

O porta-voz das empresas, Adauto Duarte, ressalta que os acordos são recados para o governo e para a sociedade. "Para o governo, é uma mensagem de que, se ele faz sua parte, os trabalhadores fazem sua parte e as empresas também. O consumidor fica mais confiante", observa. Duarte afirma ainda que as empresas esperam que o governo federal mantenha medidas de estímulo ao setor, principalmente a redução do IPI.
Fale com UOL Carros

SALOES