UOL Carros

30/10/2009 - 17h09

Conheça as Zero, motocicletas elétricas com 'M' maiúsculo

Da Infomoto
Enquanto pilotava minha motocicleta a gasolina pelas congestionadas ruas de São Paulo, entre milhares de carros e caminhões igualmente emissores de fumaça, imaginava que um dia meus filhos (ou netos) terão de buscar outra matriz energética que não o petróleo. Caso contrário, vamos todos sucumbir sufocados pelos gases que nós mesmos produzimos.

  • Gustavo Epifânio/Infomoto

    Modelo DS (Dual Sport) da Zero Motorcycle, que custará R$ 39.900 no Brasil

A previsão apocalíptica não veio à mente por acaso. Enfrentava o trânsito matutino da metrópole rumo ao test-ride das motos elétricas da Zero Motorcycles, que chegam agora ao Brasil importadas pelo Grupo Izzo. Todas as alternativas elétricas que havia experimentado até então não serviriam como meio de locomoção diário. Eram scooters para vigias de parques e condomínios e veículos utilizados por seguranças em indústrias que tinham desempenho insatisfatório ou autonomia muito baixa.

BATERIA EFICIENTE
Pode parecer óbvio, mas o grande diferencial das motos produzidas pela Zero Motorcycles é a duradoura e eficiente bateria de íon-lítio, a mesma que faz seu celular e laptop funcionarem. Desenvolvida por Neil Saiki, engenheiro aeronáutico com passagem pela Nasa (a agência espacial norteamericana), o grande benefício da bateria Z-Force é a densidade de potência -- ou seja, o quanto de potência armazena em cada quilo.

ÁLBUM DE FOTOS
Gustavo Epifânio/Infomoto
MAIS IMAGENS DAS MOTOS
Segundo a Zero, essa taxa é a maior do mercado. Imaginando que as baterias estão para as motos elétricas como a gasolina para as motos convencionais, podemos dizer que a Zero usa uma moderna injeção eletrônica sequencial -- enquanto as outras motos elétricas optam pelo velho carburador.

A empresa, localizada em Santa Cruz, na Califórnia, aproveitou-se também da paixão de Saiki pelas mountain bikes e de seu conhecimento em ligas de metal para desenhar motos muito leves e resistentes. "Não se trata de uma adaptação. Todas as nossas motos foram projetadas para serem elétricas", declara o inventor.

A versão pioneira foi a off-road, chamada de X, que pesa apenas 68,5 kg (sendo que 20 deles são da bateria). O quadro feito de alumínio aeronáutico pesa apenas 8 kg. O preço, porém, é um pouco pesado: R$ 31.900 (sem frete). Seu motor elétrico de magneto permanente com escovas é alimentado pela bateria, batizada de Z-Force, e produz o equivalente a 21 cavalos de potência máxima. A autonomia também surpreende: duas horas, ou 64 km de trilhas. Sem fazer barulho ou poluir.

ÀS RUAS
Lançada oficialmente em 2008, a Zero X, exclusiva para trilhas fora-de-estrada, esgotou-se em seis meses. O sucesso incentivou a empresa a entrar no mercado de motos de rua, ou seja, homologadas para o uso em vias públicas. "Desde o início, nosso objetivo foi criar uma moto elétrica de rua com bom desempenho. A nova Zero S é uma excelente motocicleta urbana que, por acaso, tem um motor elétrico", orgulhou-se o criador Saiki à época do lançamento, em abril último.

A Zero S tem design supermotard com suspensões de longo curso e rodas de 16 polegadas calçadas com pneus de perfil esportivo. Conta com setas, farol, luz de freio, espelhos retrovisores e até um painel analógico e digital. O estranho é o marcador da carga da bateria ter o ícone de uma bomba de postos de combustível. Ironia, talvez.

  • Gustavo Epifânio/Infomoto

    A S, muito parecida com a DS, é descrita pela marca como essencialmente urbana

Além da S, vai ser importada para o Brasil a versão DS (de "Dual Sport"). Com rodas de 17 polegadas na dianteira e 16 na traseira, ambas calçadas com pneus de uso misto, a DS também tem todos os equipamentos para ser emplacada e rodar nas ruas. Os dois modelos, S e DS, importados, vão custar R$ 39.900 (sem frete).

DADOS TÉCNICOS DAS MOTOS

Detalhes dos propulsores movidos a eletricidade e da ciclística das motos Zero X, S e DS
O grande diferencial das versões de rua para a pioneira X é a bateria mais potente, para oferecer o mesmo desempenho mesmo "carregando" um peso maior. Tanto a S como a DS pesam 122,5 kg, equivalente a uma motocicleta de 250cc movida por motor de combustão interna. A bateria das versões de rua produz 4 KWh, o dobro que a versão X. A potência final fica em 31 cv, e a autonomia chega a 80 km. Porém, ela leva quatro horas para ser recarregada, enquanto a versão X precisa ficar apenas duas horas na tomada. Vale dizer que os três modelos vêm com um recarregador que pode ser ligado a qualquer tomada comum de 110V ou 220V.

PILOTAGEM
Na teoria, as motos Zero são mais "motos" que outras já existentes e movidas a eletricidade. Restava conferir isso na prática. O test-ride não foi feito na rua, mas num lugar fechado.

Pilotei primeiro a Zero DS, de uso misto. A posição de pilotagem é bastante ereta e agressiva e o banco não é dos mais confortáveis. Por se tratar de uma moto, num primeiro momento senti falta do pedal de câmbio, já que a Zero usa apenas uma marcha e não tem embreagem. O único som que se ouve ao pilotar a DS é a transmissão final por corrente; no caso das motos elétricas, o som do futuro é um longo silêncio.

A DS e a S têm torque declarado de 8,6 kgfm e, segundo a empresa, atinge até 90 km/h de velocidade máxima. Números que a tornam compatível com o uso urbano. As suspensões -- garfo invertido na dianteira e balança monoamortecida na traseira -- pareciam um pouco duras, mas dentro da proposta trail da moto. Os freios, a disco em ambas as rodas, também funcionaram perfeitamente. A versão S, supermotard, tem as mesmas especificações, porém mostra mais firmeza nas curvas e estabilidade no asfalto. Enfim, tive a sensação de pilotar uma moto qualquer, mas movida a eletricidade.

  • Gustavo Epifânio/Infomoto

    Modelo X da Zero Motorcycles é bastante leve é muito divertido de pilotar

Por último, rodei com a X. Leve, parece mais uma mountain bike. Impressão reforçada pelo guidão e também pelos freios, acionados por manetes. O disco de freio também lembra as bicicletas de downhill, usadas em descidas acentuadas. Duvidava que funcionassem bem. Engano meu. Com pinças de quatro pistões opostos, paravam com eficiência a Zero X, apesar da aparência frágil.

A Zero X é a mais divertida de se pilotar. Pesando cerca de 70 kg e com 21 cv de potência, numa moto do tamanho de uma bicicleta, dá para imaginar o quão divertido pode ser fazer trilhas com uma dessas. Bastava girar o acelerador para que o motor despejasse potência na roda traseira e fizesse a lama e as pedras levantarem. Praticamente igual a uma moto a gasolina, só que sem poluir.

Tão divertida, que todos queriam testá-la. Até que um dos pontos frágeis das motos elétricas apareceu. A carga da bateria acabou. Era preciso colocá-la na tomada por duas horas até recarregá-la por completo: a X tem apenas duas horas de autonomia. Por outro lado, as versões de rua continuavam funcionando sem problemas.

Surpreendido com seu desempenho, despedi-me das motos elétricas. Liguei minha moto "normal" e quase me assustei com o barulho. Acelerei e percebi que, um dia, podemos usar motos elétricas por opção, e não apenas por necessidade. (por Arthur Caldeira)

Compartilhe:

    Fale com UOL Carros

    SALOES