UOL Carros
 
23/05/2009 - 11h00

Novo VW Polo sintetiza tendência racional e dinâmica europeia

Da Auto Press
O Volkswagen Polo exerce na Europa a mesma lógica que desempenha no Brasil: o de compacto "premium", quase um mini-Golf. Essa posição mais requintada foi mantida na quinta geração do modelo, que foi exibida no Salão de Genebra, na Suíça, em março último, e ganhará as ruas europeias a partir de junho. A inspiração do hatch médio Golf, que vem desde a origem do modelo, continua firme nas novas linhas. E, além do desenho, o pacote de equipamentos de conforto e de segurança e as opções de motorização também exibem novidades.
  • Divulgação

    Novo Polo alia busca por motores menores e econômicos, sem abrir mão do arrojo tecnológico

Disponível inicialmente apenas na versão hatch de quatro portas, o modelo tem linhas geometricamente mais angulosas, sem perder a sobriedade que caracteriza os veículos da marca alemã. Os faróis estão menos arredondados, em um formato poligonal claramente inspirado nos do Scirocco, e possuem duplo refletor e luzes diurnas nas versões mais caras. A linha dos vidros adotou uma inclinação ascendente, que se acentua nas janelas da terceira coluna. Mas não foi apenas o estilo que distanciou a quinta geração do Polo da anterior, que é produzida no Brasil desde 2002 e recebeu um face-lift.

DOWNSIZING
A gama de motores na Europa abrangerá sete opções -- quatro a gasolina e três a diesel -- com faixa de potência entre 60 cv e 104 cv. O mais potente, curiosamente, possui apenas 1.2 litro. O segredo está na aplicação de um turbocompressor e de injeção direta, o que auxilia o propulsor a extrair 104 cv de potência a 5 mil rpm e um "saudável" torque de 17,8 kgfm a partir de baixas 1.500 rpm.

O pequeno bloco, seguidor da tendência de "downsizing", leva o hatch de zero a 100 km/h em 9,7 segundos e alcança 190 km/h de máxima, segundo a marca. O motor 1.2 TSI, contudo, estará disponível apenas no segundo semestre do ano.

PRIMEIRAS IMPRESSÕES

É finalmente chegado o momento de botar as mãos no novo e aguardado Volkswagen Polo. Dada a tendência geral de "downsizing", parece claro que vários clientes europeus dos segmentos superiores estão caminhando para modelos mais compactos e eficientes. Mas permanecem sendo exigentes e querem um carro econômico e pequeno, mas que seja avançado, bem acabado e equipado como um modelo superior. Essas características formam um panorama do Polo, uma espécie de "baby Golf".

O desenho externo ostenta o mais clássico rigor germânico, embora enfatize uma forte tendência dinâmica. À sombra do Golf, até mesmo os faróis dos dois carros são semelhantes. Mas o Polo está longe de ser o esboço de uma cópia. Com traços fortes, o modelo tem um apelo que era desconhecido para as gerações anteriores. O interior possui a mesma racionalidade, onde cada comando está onde se espera. Não existem partes dignas de serem citadas, mas não há necessidade de originalidade: a posição de dirigir continua correta e os instrumentos passam informações claras e completas, em perfeita combinação.

O parentesco mecânico com o bem sucedido Seat Ibiza é um excelente cartão de visitas, o que resulta em um suave e agradável passeio tanto na cidade quanto em percursos mistos, com estradas. O aumento da rigidez torcional do veículo é claramente perceptível nas mudanças de direção, sempre precisas.

A frenagem é muito modulável e intensa quando necessário, e reage bem mesmo quando se hesita no esforço a ser aplicado. O peso do carro foi reduzido em 7,5%, um ponto a favor da agilidade geral. A utilização de novos motores, somada à caixa de sete marchas com dupla embreagem, fornece consumos reduzidos e redução drástica de emissões. O motor quatro cilindros 1.2 com injeção direta e turbo percorre até 18,8 km/l. E, também muito importante, com emissão de apenas 129 g/km de CO2. Cerca de 19% a menos que o propulsor anterior. (por Carlo Valente, da InfoMotori.com da Itália, exclusivo para Auto Press)
O bom desempenho também é mérito da caixa manual de seis marchas, que pode dar lugar a um câmbio automatizado de sete relações, com dupla embreagem. As suspensões, por sua vez, mantiveram o esquema anterior, McPherson na dianteira e semi-independente na traseira.

Se os motores diminuíram, o mesmo não se pode dizer das dimensões gerais. O Polo possui agora 3,97 metros de comprimento, 5,4 cm a mais. A largura chega agora a 1,68 m (3,2 cm a mais), enquanto a altura de 1,46 m é apenas 1,5 cm menor. O entre-eixos cresceu apenas 0,5 cm, com 2,47 m. O porta-malas comporta 280 litros de bagagens. A plataforma do modelo é a mesma do espanhol Seat Ibiza, apresentado no Salão de Genebra do ano passado.

Um dos maiores destaques do hatch compacto é seu elevado grau de segurança. De série, o modelo virá equipado na Europa com ESP, ou programa eletrônico de estabilidade, que está conjugado a um assistente para subidas, que impede que o modelo desça em aclives, ao diferencial de deslizamento limitado eletrônico, além do controle de tração e freios ABS. Estão presentes de série airbags duplos frontais, laterais e encostos de cabeça ativos nos bancos dianteiros. Toda a parafernália tem um objetivo: obter as cinco estrelas do rigoroso teste do EuroNCAP, instituto que afere a segurança dos novos modelos vendidos na Europa.

O Polo será oferecido em três versões de equipamentos: a básica Trendline, a intermediária Comfortline e a top Highline, antes só disponível no Golf. Entre os opcionais, airbags do tipo cortina, faróis com luzes diurnas -- a partir da Comfortline -- e sistema de navegação, além de, em um segundo momento, lâmpadas bi-xênon e um teto solar panorâmico.

A produção do modelo hatch quatro portas começou em março na Europa. O lançamento comercial será na última semana de junho na Alemanha. Nos demais países da Europa, estará nas lojas em agosto. Segundo a Volkswagen do Brasil, não há previsão de lançamento ou fabricação da nova geração por aqui. (por Julio Cabral)

Veja também

Carregando...
Fale com UOL Carros

SALOES