UOL Carros
 
13/02/2009 - 20h25

Touareg derrapa no preço alto e na fama de 'marca do povão' da Volkswagen

Da AutoPress
Especial para o UOL
Fotos: Pedro Paulo Figueiredo/Carta Z Notícias  
 

Desde o tempo do saudoso Fusca, a Volkswagen é vista no Brasil como fabricante de carros urbanos baratos e robustos. E não é por acaso que a marca alemã tem dificuldade para vender veículos acima de R$ 60 mil no mercado nacional. O Touareg enfrenta este problema, com agravantes. Além de custar a partir de R$ 200 mil, os concorrentes no segmento de utilitários esportivos de luxo, como Porsche, Mercedes-Benz, Audi, BMW e Volvo, são mais tradicionais e têm acabamento superior. E nem mesmo a injeção de tecnologia e conforto aplicada ao modelo é suficiente para vencer a desconfiança do mercado. O Touareg, no ano passado, emplacou 396 unidades -- na média, é como se muitas das concessionárias pelo país sequer conseguissem vender uma unidade ao longo de 2008. Este ano, a conta não mudou substancialmente: foram 41 unidades em janeiro.
 

A versão mais barata do Touareg é a com motor V6 3.6 de 280 cv a 6.200 rpm e torque máximo de 36,7 kgfm, disponíveis em 2.500 giros. A unidade de força trabalha com um câmbio automático Tiptronic de seis velocidades e a tração integral 4Motion, com opção de reduzida com bloqueio do diferencial. O problema é que, ao partir de R$ 201.100, essa configuração fica meio "perdida" no segmento. É mais barata que os modelos premium, mas com menos equipamentos, e mais cara que outros jipões sofisticados e com maior capacidade off-road, como Nissan Pathfinder, Mitsubishi Pajero Full, Toyota Land Cruiser Prado e Land Rover Discovery. E, de fato, são esses os verdadeiros rivais do Touareg. Tanto que a versão V6, mais barata, responde por 53% das vendas.
 

NÚMEROS DO TOUAREG V6
Velocidade máxima: 210 km/h.
Aceleração de 0 a 100 km/h:
9,0 s.
Retomada de 60 a 100 km/h:
8,6 s em 5ª marcha.
10,4 s em Drive.
Consumo médio: 5,8 km/l.

O restante das vendas fica a cargo da top V8, que custa R$ 247 mil. Valor que o distancia, propositalmente, de modelos premium, como seus parceiros de plataforma, Audi Q7 e Porsche Cayenne, e do Mercedes-Benz Classe M, do Volvo XC90 e do BMW X5, que custam acima de R$ 270 mil. O preço "mais em conta", porém, significa uma lista de recursos menos generosa. Ou seja: o Touareg tem o que é considerado "básico" para o segmento. Na segurança, a versão V6 oferece seis airbags, controles eletrônicos de estabilidade e de tração, luz estática para curvas, freios com ABS, EBD e assistente de frenagem, sensores de obstáculos dianteiro e traseiro, faróis e lanterna de neblina e retrovisor eletrocrômico. Mas faltam requintes como sensor dinâmico de distância, câmara de ré, visor de LCD no painel ou radar para ponto cego.
 

Pedro Paulo Figueiredo/Carta Z Notícias

Com motor de 280 cv e tração 4Motion, Touareg V6 encara bem os japoneses mais 'lameiros';
o problema do VW é custar como um utilitário sofisticado, oferecendo um pacote mais 'básico'

Quanto ao conforto, a lógica se repete. Tem ar-condicionado automático dual zone, direção hidráulica, trio elétrico, bancos com ajustes elétricos, volante multifuncional, rádio/CD, computador de bordo, controle de cruzeiro, iluminação do assoalho e do espelho retrovisor, sensor de chuva, retrovisores externos com rebatimento elétrico e aquecedores, entre outros. O problema é que muitos SUVs do mercado oferecem o mesmo por menos. E, em alguns casos, são mais fora-de-estrada que o Touareg.
 

ACELERADAS
- O Touareg foi lançado em 2002; o face-lift veio em 2006.
- O SUV da Volkswagen é feito na mesma plataforma do Porsche Cayenne e do Audi Q7. As marcas são controladas pela Porsche AG.
- No Brasil, a versão top do Touareg conta com motor 4.2 V8 de 350 cv.
- Na Europa, o modelo conta com três opções de propulsor diesel: 2.5 de 174 cv, 3.0 V6 de 225 cv e 5.0 V10 de 313 cv. A versão mais potente, porém, é uma a gasolina com generosos 450 cv propiciados pelo motor 6.0 com 12 cilindros em "W".
- O sistema de freios do Touareg foi batizado como ABSplus que, segundo a marca alemã, reduz em até 20% a distância de frenagem em pisos de pouca aderência.
- Nesses casos, ele permite curtos travamentos da roda para acumular à frente do pneu um volume de neve, lama, terra ou areia e formar uma "cunha de frenagem".
- O menor e mais novo SUV da Volkswagen é o Tiguan, feito sobre a plataforma antiga do Golf, a de quinta geração -- que ainda é uma à frente da brasileira, que é a de quarta geração. A princípio, o Tiguan chega ao Brasil no primeiro semestre deste ano.
- A Volks do Brasil importa os médios-grandes Passat e Variant, os médios Bora e Jetta e o retrô New Beetle. O conversível Eos está chegando. E há planos de trazer também este ano o cupê Passat CC.

O Jeep Grand Cherokee Overland, por exemplo, versão intermediária do utilitário esportivo ianque, tem motor V8 5.7 de 360 cv e custa R$ 195 mil. O Land Rover Discovery 3.2 V6 sai por R$ 159 mil. Outros utilitários esportivos médios e médios grandes com listas de itens de série semelhantes também ficam mais baratos, como Hyundai Santa Fé automático 7 lugares (R$ 149.700), mesmo preço do Ford Edge, ou ainda o Toyota Land Cruiser Prado (R$ 174.978) ou o Nissan Pathfinder SE 4.0 (R$ 162.440). Coincidência ou não, todos os referidos modelos vendem bem mais que o Touareg.

A seu favor, o Touareg tem, contudo, as mais de 600 revendas da Volkswagen e a imagem de robustez da marca. Robustez reforçada pelo design imponente do utilitário esportivo, mas com poucas ousadias. O trejeito de SUV fica evidente ao se olhar o modelo de perfil, com o caimento seco da terceira coluna e a linha de cintura reta. Como de costume nos modelos da Volks, as linhas são predominantemente lisas, com poucas saliências na carroceria. Na frente, os faróis irregulares e a grade em arco são limitadas na parte superior por um corte reto do capô. Atrás, tampa do porta-malas chapada e lanternas horizontais generosas e comportadas.

DECEPÇÕES
O Volkswagen Touareg V6 causa uma ligeira e rápida decepção quando se entra no carro. Afinal, esperava-se um acabamento mais sofisticado de um utilitário esportivo que compartilha chassi com os luxuosos Porsche Cayenne e Audi Q7. Os materiais usados nos painéis e forrações primam mais pela resistência que pelo requinte. Falta charme às linhas, rebuscamento no projeto e cuidado nos encaixes. O teto solar, por exemplo, apesar de ser em vidro externamente, é forrado por dentro e não funciona como teto panorâmico. Entre o painel e a porta, por exemplo, há frestas onde cabe uma mão. Nem o fato de o Touareg ser mais barato que seus parceiros de plataforma justificam esses detalhes. Afinal, é um carro de mais de R$ 200 mil.
 

Pedro Paulo Figueiredo/Carta Z Notícias

Interior prima mais pela sensação de robustez do que pela impressão de requinte

O melhor, então, é ver o que o propulsor de 280 cv faz. Com a chave no bolso, basta apertar o botão start/stop no console central e sentir o ronco do motor V6 com injeção direta para criar expectativa de um desempenho interessante. E realmente o Touareg entrega boas acelerações. O zero a 100 km/h, por exemplo, foi feito em 9 segundos cravados. As retomadas, contudo, poderiam ser mais eficientes.
 

FICHA TÉCNICA
Volkswagen Touareg 3.6 V6 FSI
Motor: A gasolina, dianteiro, longitudinal, 3.597 cm³, seis cilindros em V, duplo comando de válvulas no cabeçote. Injeção direta de combustível e acelerador eletrônico.
Transmissão: Câmbio automático de seis marchas à frente e uma a ré Tiptronic, com opção de trocas sequenciais na manopla e através de borboletas atrás do volante. Tração integral nas quatro rodas com seletor para reduzida com bloqueio do diferencial. Controle eletrônico de tração.
Potência: 280 cv a 6.200 rpm.
Torque: 36,7 kgfm a 2.500 rpm.
Diâmetro e curso: 89,0 mm x 96,4 mm. Taxa de compressão: 12,0:1.
Suspensão: Dianteira e traseira independentes, com braço duplo transversal, molas helicoidais, amortecedores hidráulicos e barra estabilizadora. Controle eletrônico de estabilidade.
Freios: Discos ventilados nas quatro rodas, com sistemas ABS, EBD e assistente de frenagem de emergência.
Carroceria: Utilitário esportivo médio-grande em monobloco com quatro portas e cinco lugares com 4,75 metros de comprimento, 1,92 m de largura, 1,72 m de altura e 2,85 m de distância entre-eixos. Oferece seis airbags.
Peso: 2.238 kg, com 707 kg de carga útil.
Porta-malas: 555 litros.
Tanque: 100 litros.

A culpa é do câmbio automático. Apesar de ter seis velocidades, ele fica impreciso em torno dos 2.500 giros e apresenta buracos que prejudicam a performance do modelo -- principalmente em subidas e ultrapassagens. O 60 km/h a 100 km/h em "drive" foi feito em 10,4 s. Serra acima, o melhor mesmo é colocar no modo sequencial para ter mais eficiência. E também, nas retomadas. O mesmo 60 km/h a 100 km/h em quinta sequencial, por exemplo, foi obtido em 8,6 segundos. Muito ajudado também pelo torque de 36 kgfm, que enche o motor já nos 2.500 rpm.

E basta pisar mais fundo para o Touareg corresponder. Foi possível chegar à velocidade máxima de 210 km/h. Antes disso, porém, o Touareg mostra algumas falhas de estabilidade. Em retas, a frente passa a flutuar e a provocar ruídos na comunicação entre volante e rodas a partir dos 180 km/h. Nas curvas, a carroceria torce além do desejável. Os controles eletrônicos de estabilidade e de tração se fazem realmente valer. Nas freadas o modelo segura bem as mais de duas toneladas. Com apoio do ABS, EBD e assistente de emergência, o SUV não sai da trajetória, apesar de mergulhar a frente.

Na hora de estacionar, a direção precisa, a boa visibilidade e o sensor de obstáculos ajudam a tarefa de manobrar o Touareg. Passível de crítica é o apoio visual do sensor de estacionamento, um tanto kitsch, com luzes verdes, amarelas e vermelhas em um espalhafatoso display acima do painel -- como quando esse tipo de equipamento surgiu, no início dos anos 90. Outros detalhes no interior também são de gosto duvidoso, como o enorme rádio/CD e os descomunais botões giratórios de regulagens do ar. Comandos, que aliás, são duros de manusear, como a haste do limpador de para-brisa. Nesta, é preciso forçar tanto para acionar o limpador do vidro dianteiro, que acaba ligando-se o limpador do vidro traseiro também. Na hora de recolher a mesma haste, é inevitável acionar o esguicho do para-brisa. O consumo, de 5,8 km/l, também incomoda.
(por Fernando Miragaya)

DE ZERO A 100 PONTOS, O VOLKSWAGEN TOUAREG 3.6 V6FSI
Desempenho - Os 280 cv emprestam disposição na medida certa ao Touareg V6. As arrancadas são eficientes e o ponteiro do conta-giros sobe rápido a cada pisada no pedal do acelerador. O torque de 36 kgfm disponível aos 2.500 giros também ajuda nas ultrapassagens, mas as retomadas acabam prejudicadas pelo escalonamento do câmbio Tiptronic. Apesar das seis velocidades, a transmissão apresenta incômodos delays, principalmente entre 2.500 e 3 mil rotações, e tende a ficar indecisa, principalmente em trechos de subida, onde é melhor optar pelo modo sequencial. Nos trechos do off-road, o desempenho do SUV foi eficiente. Em trechos mais elameados, a reduzida com bloqueio e a valentia do motor dão conta do recado. Nota 8.
Estabilidade - Apesar da tração integral e dos controles de estabilidade e de tração, o Touareg deixa um pouco a desejar nesse quesito. Ao entrar mais agressivamente em curvas, o modelo torce demais a carroceria e faz menção de rolar lateralmente. Nas freadas bruscas, a frente mergulha, embora o modelo se mantenha na trajetória e não pregue sustos, muito auxiliado pelo ABS, EBD e break-assistance. O mesmo comportamento se dá em situações de fora-de-estrada amenas. No asfalto, o modelo começa a exigir correções constantes nas retas apenas a partir dos 180 km/h. Nota 7.
Interatividade - O Touareg oferece ajustes elétricos dos bancos dianteiros, o que sempre é bem-vindo na tarefa de encontrar uma boa posição de dirigir. Além disso, o utilitário esportivo oferece uma visibilidade satisfatória e os sensores de obstáculos na frente e atrás, embora sejam de modelo antiguinho, são aliados na hora de estacionar o generoso utilitário esportivo de 4,75 metros de comprimento e 1,92 metro de largura. Os instrumentos são de fácil visualização, assim como o computador de bordo com informações dispostas na parte superior do quadro. Já a maioria dos botões são bem intuitivos e não exigem grandes desvios do motorista. Alguns comandos, contudo, pecam pela rigidez excessiva. Os generosos botões giratórios do ar, por exemplo, são pouco suaves. Assim como a haste que aciona os limpadores dos vidros. Nota 7.
Consumo - A tração integral, o motor V6 e o câmbio automático entregam a conta. O Touareg fez a média de 5,8 km/l. Nota 6.
Conforto - Há espaço de sobra no utilitário esportivo médio-grande. O vão para pernas na frente e atrás é amplo, assim como o espaço para as cabeças. Atrás, três adultos viajam sem maiores problemas. A suspensão absorve de forma competente as irregularidades dos trechos urbanos, mas no off-road o modelo tende a quicar um pouco. O isolamento acústico do motor é eficiente. Nota 8.
Tecnologia - Trata-se de uma estrutura relativamente moderna, que data de 2002. Além disso, o Touareg tem motor V6 com injeção direta, tração integral 4motion e câmbio Tiptronic. Na segurança, o modelo oferece seis airbags, controles de tração e de estabilidade, freios com ABS e EBD, e sensores de obstáculos. No conforto, a lista é mais contida e traz apenas o esperado em um veículo de R$ 201 mil. Nota 7.
Habitabilidade - Entrar em um SUV é sempre uma tarefa complicada e no Touareg não é diferente difícil à altura do veículo. Já a iluminação interna é eficiente, com luzes de leitura na frente e iluminação do assoalho na frente e atrás. Ao mesmo tempo, o modelo oferece variados porta-objetos e porta-copos no habitáculo. O porta-malas de 555 litros é condizente com o segmento. Nota 8.
Acabamento - Os materiais utilizados no interior do modelo aparentam resistência, mas estão longe de reforçar requinte e arrojo. Na verdade, a qualidade fica bem abaixo do que faz supor o preço pedido pelo veículo. O som ocupa um espaço exagerado que denuncia a falta de um equipamento mais sofisticado ali -- na Europa, ele recebe um visor de LCD que controla os sistemas do carro, inclusive o GPS. Comandos de ar e som também são exageradamente grandes. Entre os painéis de plástico no interior há frestas excessivas nos encaixes. Nota 6.
Design - Volkswagen e desenhos ousados dificilmente andam juntos, ainda mais em um segmento de utilitários esportivos. Apesar de ter um visual imponente e robusto, o Touareg não apresenta saliências na carroceria ou outros arroubos de originalidade no estilo, que já sente o peso da idade. Nota 6.
Custo/benefício - Com os R$ 201 mil pedidos no Touareg V6 é possível comprar outros utilitários esportivos mais charmosos e com nível de equipamentos superior. Além do mais, a marca da montadora incrustada na grade dianteira não evoca qualquer status. Nota 5.
Total - O Volkswagen Touareg V6 somou 68 pontos em 100 possíveis. NOTA FINAL: 6,8.

 

Veja também

Carregando...
Fale com UOL Carros

SALOES