UOL Carros
 
28/12/2008 - 11h30

Toyota iQ, "carro do ano" no Japão, é apresentado na Europa

Da Auto Press
  • Divulgação
  • Divulgação
Podem chamá-lo de caixinha de surpresas. Mas nada no Toyota iQ é lugar-comum. O subcompacto tipicamente urbano tem habitáculo espaçoso, ambiente sofisticado e nível de segurança elevado. Até aí nada demais, mas o iQ revela também desempenho dinâmico muito equilibrado para um veículo de chassi tão curto e bem impulsionado por duas opções de motorização: um 1.0 litro a gasolina de 68 cv e pelo turbodiesel de 1.4 litro de 90 cv. Lançado no Japão em outubro e com desembarque na Europa confirmado para janeiro de 2009 -- inicialmente na Inglaterra --, o iQ irá se posicionar entre o Smart Fortwo e o Fiat 500.

Mas para reunir espaço razoável, o pequeno da Toyota passou por uma série de inovações para chegar aos seus 2,98 m de comprimento, 1,68 m de largura e os 2,0 m de entreeixos. Para reduzir o volume do compartimento do motor, os engenheiros da marca japonesa foram forçados a redesenhar alguns componentes mecânicos. Conceberam um novo diferencial frontal, que resultou na redução de 12 cm de distância entre os pára-choques e os pedais. Outra modificação foi a montagem da caixa de direção, colocada em uma posição mais elevada e central, liberando espaço para o grupo propulsor ficar mais recuado que o normal. E até o depósito de combustível foi adaptado para o iQ. Com apenas 12 cm de altura, ele foi instalado por baixo dos bancos traseiros, permitindo o avanço das rodas traseiras. Já o ar-condicionado tem sistema compacto e seu volume foi reduzido em 20%, se comparado aos sistemas tradicionais. O painel também diminui em termos de espessura e de volume. Assim, há bom espaço para as pernas. Os bancos também são ultrafinos, e possuem uma concavidade nas costas para folgar em cerca de 4 cm o espaço para os joelhos dos passageiros.

FICHA TÉCNICA
Toyota iQ 1.0 VVT-i/1.4 D-4D
Motor: A diesel, dianteiro, transversal dianteiro, 998 cm³/1.364 cm³, com três/quatro cilindros em linha.
Transmissão: Câmbio manual de cinco/seis marchas à frente e uma a ré. Tração dianteira.
Potência: 68 cv a 6 mil rpm/90 cv a 3.400 mil rpm.
Torque: 9,27 kgfm a 4.800 rpm/19,3 kgfm entre 1.800 e 3.200 rpm.
Diâmetro e curso: 71 mm×83.90 mm/73.00 mm × 81.50 mm. Taxa de compressão: 10.90:1/16.50:1
Suspensão: Dianteira independente do tipo McPherson, com molas helicoidais, amortecedores hidráulicos e barra estabilizadora. Traseira por eixo de torção, com molas helicoidais, amortecedores hidráulicos e barra estabilizadora. Oferece controle eletrônico de estabilidade e assistente de frenagem.
Freios: Dianteiros e traseiros a discos ventilados. ABS e EBD de série na versão.
Carroceria: Subcompacto em monobloco com duas portas e quatro lugares. Medidas: 2,98 m de comprimento, 1,68 m de largura, 1,50 de altura e 2,0 m de entre-eixos. Oferece nove airbags, sendo dois frontais, dois laterais, dois de cortina, um traseiro de cortina, um de joelhos para o condutor e um de assento para o carona.
Peso: 845 kg/935 kg.
Porta-malas: não informado.
Tanque: 32 litros.
Com todas essas adaptações, o iQ ainda se destaca pelo ambiente sofisticado. O console central tem forma de triângulo e os materiais são quase todos de plástico, mas com qualidade bastante aceitável. Os encaixes também são bem precisos. Entretanto o que mais impressiona é o espaço disponível para o condutor, que não se sente enclausurado com a proximidade dos painéis, enquanto o passageiro se beneficia de uma certa liberdade de movimentos, sendo possível até cruzar as pernas sem tocar no painel. No banco de trás, o espaço é mais acanhado, mas permite a um adulto de estatura média viajar com folga razoável para os joelhos. Já o banco traseiro do lado do condutor, só mesmo crianças podem ocupar.

SOLUÇÃO URBANA
Os dois motores que animam o iQ dispõem de vários tipos de transmissões. O propulsor 1.0 VVT- i de 68 cv surge de série com uma caixa manual de cinco velocidades, dispondo ainda de uma opção de seis velocidades chamada "Multidrive". Já o motor 1.4 D-4D de 90 cv oferece apenas o câmbio manual de seis velocidades de série. Na pista, o motor 1.0 l tem acelerações prontas e seguras, capazes de atribuir ao iQ um ritmo vivo no seu habitat natural, a cidade. O 1.4 l já revela um fôlego expressivo, que se faz sentir numa ampla faixa de giros, surpreendendo ainda pelo ruído, bastante contido.

A agilidade é a nota mais marcante do iQ, mas o que impressiona é o rolamento consistente e equilibrado na estrada. Com um esquema de suspensões do tipo McPherson à frente e eixo de torção atrás, o subcompacto suporta velocidades elevadas, sem deixar transparecer grandes trepidações ou oscilações. Na Europa, a gama será composta por dois níveis de equipamento, iQ e iQ2, que tem em comum recheio de série generoso, destacando-se os nove airbags -- incluindo o primeiro airbag de cortina traseira do mundo --, ABS, EBD, assistente de frenagem e controle de estabilidade e de tração. O previsto é que a versão 1.0 litro esteja disponível a partir de 13 mil euros, o equivalente a R$ 43.368, enquanto o 1.4 litro será oferecido a 16 mil euros, ou R$ 53.336.
(por Nelson Oliveira, da AutoMotor/Portugal, especial para Auto Press)

Veja também

Carregando...
Fale com UOL Carros

SALOES