UOL Carros
 
15/12/2008 - 15h11

Quase milionário, Salão de Bolonha é terra de oportunidades

LUÍS PEREZ
Em Bolonha (Itália)
Especial para UOL Carros
Quem normalmente visita profissionalmente salões do automóvel mundo afora normalmente busca as novidades mundiais -- na Itália chamadas "anteprima mondiale". O Salão de Bolonha, que nesse ano (segundo estimativas) foi quase "milionário", recebendo 970 mil pessoas em dez dias (50% mais que o Salão de São Paulo), apresentou poucas novidades, algumas delas não exatamente o que estamos acostumados a definir como tal, como veículos de competição, caso do Chevrolet Cruze WTCC 2009 e do Peugeot 207 Rally.

Fotos: Luís Perez/UOL - Interpress

Espremido entre Paris e o final do ano, salão italiano que terminou no domingo (14) trouxe novidades como o Golf Plus (mais imagens AQUI) e boas surpresas para 970 mil pessoas

A grande novidade que vai virar mesmo veículo de série a partir de 2009 apresentada na histórica e epicêntrica Bolonha (basta verificar a posição geográfica, a menos de duas centenas de quilômetros de cidades fantásticas, como Gênova, Veneza, Milão, entre outras...) foi o Volkswagen Golf Plus, uma versão monovolume da sexta geração do médio lançado na Europa neste ano.

Também são novidades os "irmãos" Peugeot 107 e Citroën C1 reestilizados, bem como o Mazda3 hatch, a Opel Zafira Turbo Methane e o Tata Indica Eletric EV. Sem constar do material oficial do salão, foi a primeira apresentação pública ainda da Ferrari Scuderia Spider 16M, que comemora o 16º título de construtores na Fórmula 1 da marca do cavalinho rampante.

Também foi uma novidade no último grande salão do ano o Ford Ka que aparece no mais recente filme do agente 007, "Quantum of Solace", devidamente batizado de Bond Ka. Outra "novidade" (as aspas já explicaremos) foi o Iveco Campagnola, ex-Fiat, agora sob a marca Iveco (que pertence ao mesmo grupo).

OUTRAS NOVIDADES DE BOLONHA
Luís Perez/UOL - Interpress
Mahindra Thar Concept
Conceito indiano tem visual "clássico" (oficialmente) ou "clone"
Luís Perez/UOL - Interpress
Opel Meriva Concept
Com portas traseiras suicidas, conceito europeu antecipa linhas
da nova geração da minivan
Luís Perez/UOL - Interpress
Ford Kuga
Utilitário esportiva compacto, ou crossover para a montadora, apareceu com motor 2.5 turbo
Luís Perez/UOL - Interpress
Mazda 3
Linhas fluidas do modelo foram apresentadas em carroceria hatch
Crédito
Citroën C1
Reestilizado, pequeno francês surgiu ao lado do "irmão" Peugeot 107
BOLONHA É TERMÔMETRO DA CISE
Não é bem uma novidade porque foi produzido em inúmeras versões entre 1951 e 1987. Mas agora incorpora soluções mais recentes, a começar pelo motor 3.0 16V turbodiesel de quatro cilindros de 176 cv, que atende às normas Euro 4, associado a uma transmissão manual de seis velocidades. Vem com toca-CDs e, como opcional, sistema de navegação por GPS.

Outra novidade mundial, embora seja por enquanto apenas um conceito, é o indiano Mahindra Thar, que a marca chama de design "clássico" -- na verdade, uma espécie de clone do Jeep Willys. Tendo como trunfo a robustez, o modelo exposto tem motor 2.5 turbodiesel de quatro cilindros com injeção direta "common rail" dotado de intercooler, capaz de desenvolver 107 cv (cavalos) de potência, associado a um câmbio manual de cinco velocidades.

Um dos grandes diferenciais do Salão de Bolonha em relação a outras exposições mundo afora é a quantidade de pistas na área externa para a realização de test-drives. São nove delas, contando a destinada a exibições, em que os visitantes podem experimentar os mais recentes lançamentos europeus, bastando para isso se inscrever.

Conseguimos, por exemplo, ter o gostinho de dirigir, no circuito interno montador pela revista "Quattroruote" em parceria com a Volkswagen, o novo Golf em sua sexta geração (havia duas versões do modelo, uma a gasolina e outra diesel). Também havia o cupê Scirocco e o utilitário esportivo Touareg, entre outros modelos.

Só de atrações na área externa, o salão italiano tem 90 mil metros quadrados. É mais do que todo o Salão de São Paulo, que ocupa 85 mil metros quadrados no Pavilhão de Exposições do Anhembi. De exposições "indoor", Bolonha reserva 140 mil metros quadrados em 11 pavilhões, em geral muito bem divididos de acordo com a geopolítica de cada marca. Exemplo: grupos Volkswagen, Ford, Fiat e General Motors, por exemplo, ocupam um pavilhão inteiro cada um com as marcas que são ou foram até outro dia suas.

Bolonha pensa no verde -- daí apresentar um Hummer H2 Flexpower, o smart fortwo elétrico e inúmeros modelos da indiana Tata com essa filosofia --, mas sem se esquecer dos carrões. Os principais lançamentos de marcas esportivas, incluindo a Lamborghini e seu Estoque, estavam por lá, às vezes até redundando com o Salão de Paris, que aconteceu em outubro.

Mas Bolonha deve ser descoberto aos poucos. Algumas das atrações mais empolgantes não constam do material de divulgação do salão ou dos catálogos oficiais. Exemplo é, no estande do programa "Top Gear", "escondido" no pavilhão 36, um Pagani Zonda F (motor AMG 7.2 de 12 cilindros e 650 cv de potência) ao alcance das mãos, para quem quisesse conferir. Ou o que não dizer do Lamborghini Gallardo LP-560-4 (5.2 V10 de 560 cv) discretamente (se é que um carro desses pode ser discreto) exibido no estande da polícia italiana?

Eis o grande mérito do Salão de Bolonha, que fica espremido entre o Salão de Paris e o final do ano: conseguir atrair para uma exposição ainda não tão badalada e tradicional atrações tão poderosas e, ao mesmo tempo, apresentar algumas boas novas. Sim, se a idéia de Bolonha é ser grande, está no caminho certo.

Só mais uma observação: o salão italiano (ainda) é uma excelente oportunidade para fazer um belo barulho, lançando um automóvel completamente novo. Em Paris (anos pares) e Frankfurt (anos ímpares), esses lançamentos ficam diluídos. Em Bolonha (que é anual), apresentar um veículo completamente novo é, na certa, manchete no mundo inteiro.

O jornalista, editor de Interpress Motor, viajou a convite do evento

Veja também

Carregando...
Fale com UOL Carros

SALOES