UOL Carros
 
19/05/2008 - 19h03

GM híbrido usa 3 motores para economizar 50% de gasolina

CLÁUDIO DE SOUZA
Editor de UOL Carros
A General Motors trouxe a São Paulo dois veículos com tecnologia híbrida na propulsão, ou seja, que usam motores a combustão tradicionais conjugados a motores elétricos. O objetivo é economizar combustível em até 50% (no melhor dos dois casos apresentados) e diminuir as emissões poluentes, mas sem sacrificar desempenho.

Os carros -- "testados" numa rápida volta no Autódromo de Interlagos, na tarde desta segunda (19) -- são o sedã Malibu e o utilitário Tahoe. Nenhum deles está disponível no Brasil, nem com a propulsão tradicional. O Malibu possui um motor VVT Ecotec de 4 cilindros de 2.4 litros, 166 cavalos e torque máximo de 22,4 kgfm. Acoplado ao trem de força há um motor/gerador de 36 volts. Já o Tahoe possui um enorme propulsor convencional Vortec V8 de 6.0 litros, que disponibiliza 337 cavalos de potência e 50,7 kgfm de torque (o utilitário, de oito lugares, pesa cerca de 2.800 kg). Seu gerador é de 300 volts.

O Malibu trabalha com o sistema BAS (sigla de "belt alternator starter"), no qual o gerador elétrico assiste o motor a combustão, mas não tem a função de fazer o carro andar. Por exemplo, o motor a gasolina é totalmente cortado numa situação de trânsito parado -- o que poupa combustível e evita poluição. Graças à ação do gerador, ele volta a funcionar assim que o pé libera o freio. De acordo com a GM, a economia de combustível de um Malibu com o sistema BAS ante o mesmo modelo com motor a combustão chega a 20%.


Tela no console do Tahoe avisa qual tipo de propulsão, a gasolina ou a eletricidade, ou ambas, está sendo usada; abaixo o sedã médio-grande Malibu, que usa sistema quase-híbrido
Já o Tahoe faz mais jus à definição "híbrido". Ele possui o sistema denominado Two Mode Hybrid, composto por dois motores elétricos usuários da energia do gerador de 300 volts e que podem, efetivamente, substituir totoalmente o motor a gasolina em algumas situações.

Na partida e até ganhar certa velocidade (cerca de 50 km/h), o Tahoe é capaz de rodar impulsionado apenas pelos motores elétricos. Tipicamente, à medida que a velocidade vai aumentando, ele passa a usar os dois tipos de propulsão conjugados e, em seguida, apenas o motor a gasolina. O gerenciamento do sistema, feito eletronicamente, permite que os propulsores elétricos liberem o motor a combustão do uso de metade dos cilindros -- medida que também diminui o consumo.

Uma tela no console central avisa quando o Tahoe está usando apenas eletricidade, eletricidade mais gasolina, ou somente gasolina. Também informa quando o gerador está sendo recarregado: isso acontece sempre que o freio mecânico é acionado, quando se usa o freio-motor (numa redução de marcha), ou simplesmente quando se tira o pé do acelerador. Um sistema de regeneração da frenagem captura a energia liberada nessas operações, recarregando a unidade elétrica.

No caso do Tahoe, há números: o veículo híbrido obteria uma média de 8,9 km/l de consumo na cidade, contra 5,9 km/l de um Tahoe equipado apenas com propulsor convencional -- e menor, de 5.3 litros.

Mais caros
Os primeiros veículos híbridos de passeio da GM foram lançados entre 2005 e 2006. Atualmente, 1.600 profissionais da empresa, em 11 países, pesquisam esse tipo de tecnologia. Ela tem um preço: o Malibu híbrido começa em US$ 24.290 nos Estados Unidos; o carro tem quatro versões, e a híbrida (com "disponibilidade muito limitada", como avisa o site da marca) é a segunda mais cara. Já no caso do Tahoe, a versão Hybrid é disparada a de maior preço entre as quatro existentes, começando em US$ 50.490. A mais barata sai por US$ 35.530.

O carro híbrido mais vendido no mundo é o Toyota Prius, de relativo sucesso nos EUA. Já chegou à marca de 1 milhão de unidades vendidas em todo o planeta. Por aqui, no Brasil, não há nem sinal desse tipo de veículo.

Veja também

Carregando...
Fale com UOL Carros

SALOES