UOL Carros
 
16/04/2008 - 19h49

Renault Logan mostra que é duro na queda

Claudio de Souza
Do UOL, em São Paulo (SP)

Em meados de dezembro de 2007 a Renault anunciou um recall de praticamente todos os Logan vendidos no Brasil até então, para verificar peças da caixa de direção. Um mau funcionamento ali poderia causar acidentes graves com o carro, como a própria montadora admitiu ao fazer o chamado -- com exemplar transparência, aliás. Amplamente divulgado na mídia, o grave mega-recall queimou o filme do mais novo sedã da Renault para sempre, certo?

Nada disso: as vendas do Logan só têm crescido. Hoje ele detém praticamente 10% do segmento de sedãs pequenos (onde é colocado pela Fenabrave, a federação dos distribuidores) e fechou março como o 16º carro de passeio mais vendido do país (3.160 unidades; no ano, são 8.577). Junto com seu irmão hatch, o Sandero, foi decisivo para a Renault tornar-se a quinta maior montadora do mercado na categoria de automóveis.

UOL Carros foi conferir de perto a valentia (e o valor) desse sedã. Rodou com um Logan Privilège equipado com o motor Hi-Torque 1.6 8V, intermediário na gama que inclui ainda os propulsores Hi-Flex 1.0 16V e Hi-Torque 1.6 8V (o acabamento é o top, acima do Authentique e do Expression). Detalhe: de acordo com o número do chassi, o exemplar avaliado foi incluído no recall de dezembro. O preço é de R$ 40.090, e vai a R$ 40.940 com pintura metálica. Não há opcionais.

O maior apelo do Logan é ele supostamente tratar-se de uma opção de compra racional, vale dizer, de bom custo/benefício, especialmente pelo espaço interno e desempenho compatíveis com os de um sedã médio (o qual custaria pelo menos R$ 15 mil a mais). Além disso, há a garantia de três anos e a promessa de manutenção a menos de R$ 1 por dia.
 

DETALHES E FICHA TÉCNICA


FORMA E FUNÇÃO
Traseira do Logan lembra um pouco a do Clio; alta, permite ao porta-malas levar 510 litros


DNA ROMENO
Peça de borracha do acabamento interno do Logan traz à esquerda a marca romena Dacia, país de origem do projeto do Renault Logan
FICHA TÉCNICA OFICIAL (.pdf)

O trem de força do Logan 1.6 8V é mesmo muito bom. Ele gera potência de 92 cavalos com gasolina e 95 com álcool (combustível com o qual foi avaliado), e torque de 13,7 kgfm (gasolina) e 14,1 kgfm (álcool), números que ficam mais interessantes porque essa força surge já a 2.850 rpm. O gerenciamento é feito por um câmbio manual de cinco velocidades de curso confortável e engates precisos.

Vai que vai
Na cidade, devido ao torque chegar bem cedo, é um conjunto que agrada -- e que, quanto à performance, sobra. O Logan só fica atrás dos outros carros se o motorista quiser. E na estrada chega a surpreender: mal-acostumado com equipamentos como piloto automático e limitador de velocidade (indisponíveis no Logan), UOL Carros tomou um susto ao ver, de repente, o ponteiro nos 140 km/h. O Logan chegou a essa velocidade com absoluta naturalidade, nenhuma vibração e -- ao contrário do que muita gente escreveu -- um nível bem aceitável de ruído, inclusive do vento. A máxima, segundo a Renault, é de 173 km/h e 175 km/h (gasolina/álcool).

A suspensão, claramente, privilegia o conforto, e em pisos regulares o Logan deita e rola. Mas a maciez do conjunto faz com que pisos ondulados sejam muito sentidos no habitáculo. E os bancos em tecido são muito moles, o que agrava essa sensação.

Mas esses mesmos bancos, atrás, recebem com respeito três pessoas, que se acomodam com mais conforto que na maioria dos modelos equivalentes. Para comparar: o Logan tem 2,63 metros de entre-eixos (o Toyota Corolla tem 2,6 metros) e 1,74 metro de largura (1 cm a menos que o Honda Civic). E ponto para a Renault: na unidade testada havia três apoios de cabeça traseiros -- item de segurança e, ao mesmo tempo, "propaganda" do espaço interno.

Outro ponto a favor do Logan é a visibilidade à frente. O motorista se sente praticamente "em cima" da via -- o capô relativamente curto favorece tal impressão. Mas os retrovisores laterais, pequenos, são muito ruins. E assim adentramos o terreno das restrições ao Logan.

A maior parte delas, é bom que se diga, refere-se ao design, ao acabamento e ao funcionamento de alguns instrumentos. Vale lembrar que, tendo sua origem numa fábrica da Romênia (a Dacia, hoje pertencente à Renault), um dos países mais atrasados do ex-bloco socialista do Leste Europeu, apenas recentemente admitido na União Européia, talvez o Logan nem possa, de nascença, oferecer muita coisa nesses quesitos.
 

TUDO TEM DOIS LADOS
Fotos UOL Carros

MUITO, MUITO BOM:
O propulsor Hi-Torque 1.6 8V, alimentado com álcool, é forte

MUITO, MUITO RUIM:
Painel oferece uma única luz de direção para os dois sentidos

O carro é quadradão e possui um conjunto óptico dianteiro pequeno e dos mais sem charme do mercado. A traseira, alta e volumosa, até que tem algum apelo visual (lembra de leve a do Clio sedã), mas só se justifica pelo fato de a forma submeter-se à função -- ou seja, garantir um ótimo porta-malas de 510 litros, mais amplo que os dos sedãs médios e semelhante ao de algumas peruas (medidos até as janelas).

Por dentro, há peculiaridades irritantes, cujo maior exemplo é o indicador de seta único para as duas direções. Também para "racionalizar" as fiações elétricas, os comandos são instalados ao centro: os das janelas ficam no console (sem função one-touch), o dos retrovisores sob a alavanca do freio de mão, difícil e perigoso de manusear com o carro em marcha. O interruptor do desembaçador traseiro não avisa na tecla quando está ligado (ou seja, não acende), e -- detalhe inacreditável -- o lavador do pára-brisa esguicha água, mas não aciona o limpador automaticamente. Tudo isso num carro de mais de R$ 40 mil.

Por fim, o consumo: rodando 65% na cidade e 35% na estrada, o Logan registrou média de 6,05 km/litro (álcool). Ruim, como ocorre com vários outros modelos 1.6 abastecidos com o combustível vegetal.

Mas cabe aqui um palpite: nada vai parar o Logan. O tal apelo racional desse carro, bem calçado no desempenho e no espaço interno (nem tanto no preço e no consumo), parece capaz de atropelar suas deficiências, que acabarão virando assunto de boteco: "Pois é, o Logan é engraçado. Os caras da Renault economizaram até nas luzinhas. Mas o bicho anda bem e, na hora de ir para casa, dá para levar todo mundo dessa mesa". As vendas nos próximos meses poderão confirmar isso.

Veja também

Carregando...
Fale com UOL Carros

SALOES