UOL Carros
 
28/03/2008 - 22h06

Só Mégane Grand Tour já coloca Renault na ponta

Claudio de Souza
Do UOL, em São Paulo (SP)

Atualizada às 22h12 de 1/4

Nos últimos meses a Renault só tem falado de Logan e Sandero, seus dois modelos mais recentes e importantes apostas nos segmentos de sedãs e hatches, respectivamente. Os franceses precisam deles e de seu volume de vendas para entrar e se consolidar no grupo das quatro (ou cinco, ao menos) maiores montadoras do Brasil. E a Fenabrave já mostra a Renault na posição de nº 5 em março, perdendo para Fiat, Volkswagen, General Motors e Ford, e superando a Honda.

É tanta responsabilidade nas costas (ou no porta-malas) desses dois carros, que o único modelo da Renault líder de um segmento do mercado acaba sendo pouco comentado.

Trata-se da Mégane Grand Tour, uma station wagon que, de janeiro até o final de março, vendeu 1.266 unidades -- contra 1.084 da Toyota Fielder, 374 da Peugeot 307 SW e 95 da Volkswagen Passat Variant (esta somente até a 1ª quinzena do mês), os outros três carros que compõem o segmento das station wagons grandes, segundo os critérios da Fenabrave (federação dos distribuidores). No ano passado, a Fielder vendeu 8.500 unidades, e a Mégane Grand Tour, 5.800 unidades (esta semana, a Jetta Variant, da Volks, também entrou na briga).
 

Cláudio de Souza/UOL

A perua Renault Mégane Grand Tour é o único modelo da marca francesa que lidera um segmento do mercado, o de SW grandes; o carro mede exatos 4,5 metros, o que o deixa sobrando em algumas vagas, mas abre bons 520 litros de volume para acomodar a bagagem
FICHA TÉCNICA OFICIAL DA RENAULT MÉGANE GRAND TOUR


Lançada no Brasil em novembro de 2006, a Mégane Grand Tour deriva do sedã homônimo, que a antecedeu em oito meses e que hoje -- provavelmente de modo injusto -- só assiste, e de longe, à disputa entre Honda Civic, Toyota Corolla e Chevrolet Vectra pela liderença entre os três-volumes médios.

UOL Carros avaliou a perua na versão única Dynamique, dotada do motor 2.0 16v (138 cavalos) a gasolina, com transmissão automática. Esse carro parte de R$ 73.510. Com trocas manuais, o preço cai para R$ 69.400. A Mégane Grand Tour pode também trazer o motor 1.6 litro bicombustível (110 cavalos com gasolina, 115 com álcool), e aí o preço fica em R$ 66.190.

O comportamento geral do carro agrada. Ele é grande (4,5 metros, suficiente para "sobrar" na maioria das vagas em que foi estacionado) e relativamente pesado (1.370 kg), mas mesmo assim é muito fácil de guiar.
 

Cláudio de Souza/UOL

A dianteira da Mégane Grand Tour é a mesma do sedã da qual ela deriva; motorização é 1.6 (flex) ou 2.0, este com 138 cavalos e apenas a gasolina; na traseira, lanterna pode ter inspirado as do Sandero
FICHA TÉCNICA OFICIAL DA RENAULT MÉGANE GRAND TOUR

A direção elétrica com assistência variável deixa a Grand Tour bem levinha. UOL Carros não a dirigiu totalmente carregada, mas o efeito deve se repetir mesmo em condições mais duras. A posição de dirigir é ótima, o painel é completo, os comandos estão bem à mão (inclusive no volante e atrás deste) e são intuitivos. Claramente, é um carro pensado para ser dirigido por qualquer membro da família, não importando seu tamanho e força.

A transmissão automática não chega a dar trabalho ao motorista, mas é o ponto fraco da Mégane Grand Tour -- por ter apenas quatro marchas. É chato notar que, às vezes, ela segue em terceira numa rotação em que já teríamos colocado a quarta há tempos. Até porque isso gasta mais gasolina (o consumo médio, rodando 65% em cidade e o restante em estrada, ficou em torno de 8,5 km/l). Verdade que, com um deslocamento da alavanca para o lado, entra o modo seqüencial, e então mudam-se as marchas à vontade. Mas elas continuam sendo apenas quatro.

O que vem e quanto cabe
A versão Dynamique é bem completa, tanto que os únicos opcionais são o CD changer para seis discos e os bancos em couro. De série, há itens como computador de bordo (muito bom), piloto automático e limitador de velocidade, apoio de braço dianteiro, tela retrátil de cobertura no porta-malas (o que evita ruídos), chave-cartão e partida no botão, além de vários porta-isso e porta-aquilo espalhados pelo habitáculo.

Quanto às capacidades: a Mégane Grand Tour leva com muito conforto quatro adultos, ou dois adultos e três crianças/adolescentes. Três adultos atrás já ficam um tanto próximos demais uns dos outros. Já o porta-malas é grande, comportando 520 litros (1.600 se o banco for rebatido). Se a liderança no segmento depender só disso, ela supera de longe a Fielder, que carrega 411 litros.

Não é razoável esperar que uma perua grande dê um show de design, e esse também é o caso da Mégane Grand Tour. A dianteira é idêntica à do sedã, e a traseira, dominada pela enorme quinta porta, acaba lembrando a de carros mais antigos -- como algumas versões da Parati e da Santana Quantum. Mas é curioso reparar nas lanternas, que são incrustadas nas colunas, e perceber que o desenho delas lembra o das mesmas peças do Sandero.

Veja também

Carregando...
Fale com UOL Carros

SALOES