UOL Carros
 
09/01/2008 - 12h25

Impressões ao dirigir: Câmbio é o grande triunfo do Bora

Da Auto Press
Faróis e lanternas ligeiramente mais estilosos e uma grade um pouco mais imponente. Por baixo dessa sutil maquiagem feita pela Volkswagen, continua ali o velho Bora, vendido por aqui de forma discreta há mais de sete anos. A única e grata diferença está mesmo na transmissão automática do tipo Tiptronic. Não que o câmbio empreste mais vontade ao modelo. O motor 2.0 oito válvulas continua apenas com arrancadas eficientes com um zero a 100 km/h em 11,9 segundos por exemplo.

A transmissão, na verdade, deixa o trabalho de dirigir o Bora mais suave. Ao contrário dos automáticos de quatro velocidades, o Tiptronic atua bem com o motor, melhorando as relações de marchas e promove engates de forma ágil. Ou seja, o modelo não apresenta aqueles incômodos hiatos entre as marchas. Os trancos são mínimos e o desempenho em trechos de serra é beneficiado, já que o câmbio não fica alterando a marcha a todo momento.

Pedro Figueiredo / Carta Z Notícias
O Bora tem problemas de estabilidade quando atinge altas velocidades
BOA RELAÇÃO CUSTO/BENEFÍCIO
CONFIRA O PREÇO DE CARROS NA FIPE
As retomadas também são eficientes, graças ao torque de 17 kgfm disponível aos 2.400 giros. O motor enche bem e são precisos 7,1 segundos para partir dos 60 km/h e alcançar os 100 km/h. Ao forçar a aceleração, se chega aos 150 km/h. Em seguida, o motorista deverá ter paciência e apertar bem o acelerador para alcançar a máxima de 190 km/h. Antes disso, porém, o Bora passa a apresentar uma flutuação, o que desaconselha a manutenção de velocidades tão elevadas.

A estabilidade também é limitada em trechos sinuosos percorridos em alta velocidade. Nesta situação, o Bora joga discretamente a traseira nas curvas. A frente sai de forma sutil, mas é fácil corrigir. O melhor mesmo é não abusar do carro. Já nas frenagens bruscas, o ABS e o EBD dos freios atuam.

No mais, as mesmas virtudes do antigo Bora são mantidas. Bom espaço para as pernas dos ocupantes da frente e uma eficiente ergonomia para o motorista, que tem os principais comandos ao alcance das mãos. Na hora de estacionar, contudo, o pequeno vidro traseiro e a elevada tampa do porta-malas comprometem a visibilidade, assim como as largas colunas centrais. O espaço para os viajantes no banco de trás, porém, não é tão generoso e pessoas com mais de 1,80 m tendem a ter problemas devido ao teto baixo. Na hora de abastecer, o modelo testado se mostrou mais sedento que o desejável: obteve a média de 7,3 km/l, com uso 2/3 urbano e 1/3 na estrada.

EM DEZ PONTOS, VOLKSWAGEN BORA 2.0 TIPTRONIC
DesempenhoOs 116 cv do motor do Bora resultam em uma performance comportada do sedã médio. As arrancadas são satisfatórias e o modelo testado fez o zero a 100 km/h em 11,9 segundos. Mas o moderno câmbio automático Tiptronic usa muito bem as seis velocidades para tirar o melhor do propulsor 2.0. Não há buracos de aceleração nem atrasos nas passagens e as retomadas de velocidade são bem interessantes. Com o torque máximo de 17 kgfm disponível a 2.400 giros foi possível fazer de 60 km/h a 100 km//h em "drive" em 7,1 segundos, e em 6,5 segundos em quinta marcha. Nas subidas, mais uma vez, a transmissão se sai bem. Não fica indecisa e nem altera a marcha a cada momento. A máxima alcançada foi de 190 km/h. 8
EstabilidadeO terceiro volume do Bora se faz notar nas curvas feitas em alta velocidade. Apesar de a carroceria torcer pouco, o modelo joga a traseira e solta discretamente a frente. Nada que seja preocupante, até porque, dentro dos limites civilizados de velocidade, o comportamento é bom nas curvas. Em retas, só é possível notar algum sensação acima dos 160 km/h. Na hora de frear, o ABS e o EBD ajudam a segurar o carro sem sustos.7
InteratividadeComo a maioria dos sedãs médios, o Bora tem problemas de visibilidade. O vidro traseiro é pequeno e as largas colunas traseiras atrapalham na hora de sair de um cruzamento, por exemplo. A posição de dirigir poderia ser um pouco mais elevada, apesar de o modelo contar com ajustes de altura do assento do motorista e da coluna de direção. Já a ergonomia, por sua vez, é eficiente e bem resolvida. O painel tem leitura simples e objetiva, assim como o computador de bordo7
ConsumoCom uso 2/3 na cidade e o restante na estrada, o modelo avaliado fez a média de 7,3 km/l somente com gasolina. Ou seja, o sedã mexicano está longe de ser econômico.6
ConfortoA suspensão do Bora foi bem ajustada para os padrões do asfalto brasileiro. Macia, ela absorve bem as irregularidades da pista. O entre-eixos de 2,51 m compromete um pouco o espaço interno, principalmente para as pernas dos ocupantes de trás. O vão para as cabeças dos viajantes do banco traseiro também é prejudicado pelo baixo teto. O isolamento acústico começa a ficar comprometido quando o modelo passa os 4 mil giros. Nessa hora, barulhos do motor e do atrito dos pneus com o solo se fazem presentes além do necessário. 6
TecnologiaNão se trata de uma plataforma nova e o motor 2.0 de oito válvulas é mais que conhecido. Destaque mesmo para o câmbio automático Tiptronic e para a suspensão independente dianteira. Airbag duplo e ABS são os itens possíveis de segurança. O modelo não oferece sensor de estacionamento.7
HabitabilidadeOs acessos ao interior do Bora são facilitados pelas largas portas e o bagageiro oferece bons 455 litros de capacidade. Há uma quantidade interessante de porta-objetos. A iluminação interna é satisfatória na frente, mas um tanto escassa atrás. 8
AcabamentoO acabamento do Bora aparenta qualidade de uma maneira geral. Os materiais usados agradam ao toque e aos olhos. Os encaixes só são prejudicados por alguns detalhes de aspecto nada sofisticado no teto, como a fixação das luzes de leitura.7
DesignO estilo sóbrio e discreto predomina, assim como as linhas mais retas. O novo visual só conferiu uma grade e conjuntos óticos mais antenados com outros modelos da marca.6
Custo/benefícioÉ onde o Bora joga, ou pelo menos deveria jogar. A versão começa em R$ 63.880, oferecendo o moderno câmbio Tiptronic e uma boa lista de equipamentos. Com teto-solar e pintura metálica chega aos R$ 68.515, o Bora fica competitivo em relação aos seus principais concorrentes.8
Total/médiaO Bora Tiptronic somou 71 pontos em 100.7,1
QuesitoComentárioNota

Veja também

Carregando...
Fale com UOL Carros

SALOES