UOL Carros
 
14/12/2007 - 21h40

Novo Ka tem a missão de 'bombar' a Ford

CLÁUDIO DE SOUZA
Editor de UOL Carros
A Ford apresentou nesta sexta-feira (14) o Novo Ka, versão bastante modificada do carrinho compacto mais singular do mercado brasileiro. Com preço inicial de R$ 25.190 na versão básica de motor 1.0, podendo chegar a R$ 36.390 totalmente equipado e com motor 1.6 (ambos propulsores agora são flex), o Novo Ka chega às lojas em fevereiro de 2008. Antes, no começo de janeiro, já será possível reservá-lo nas revendas.
Divulgação


Novo Ka deve estar nas lojas em fevereiro; design mudou bastante
VEJA MAIS FOTOS DO NOVO KA

A cerimônia de apresentação do carro, realizada na fábrica da Ford em São Bernardo do Campo (SP), contou com as presenças do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, do governador de São Paulo, José Serra, e de vários ministros, além de executivos e funcionários da empresa.

PRIMEIRAS IMPRESSÕES
O UOL Carros dirigiu o Novo Ka num rápido test-drive de 75 km nesta sexta, em trechos de estrada e urbano, este com tráfego pesado. O motor era o 1.0 bicombustível, que deve ser o puxador das vendas.
É pouca quilometragem para uma impressão mais clara, mas mesmo assim ficou evidente que o motor 1.0 é fraquinho na estrada, mesmo para um carro leve (905 kg). A constantes 110 km/h o motor trabalha a 4.000 giros, o que significa que está buscando quase seu torque máximo (que vem a 4.750 giros) para mover o carro.
Na cidade isso faz bem menos diferença: o Ka continua ágil e fácil de conduzir. O exemplar guiado não tinha nem direção hidráulica -- e ela não fez falta.
Por dentro, o Novo Ka ficou menos "redondo" e o painel foi todo rebaixado, aumentando a visibilidade. A posição de dirigir é meio apertada, mas o banco abraça bem o motorista e lhe dá muito conforto. Já o acabamento é espartano. Natural: é um carro feito para ser barato. Por isso, aliás, nem adianta reclamar muito do motor fracote.
O fato é que os que buscam uma opção entre os carros de entrada poderão considerar o Novo Ka como um carrinho pé-de-boi que traz, como uma espécie de brinde para quem o comprar, seu design arrojado.
É que o segmento é mesmo muito sem graça em termos de aparência. E a traseira do Novo Ka, diga-se, vai dividir opiniões. A dianteira, por sua vez, é irretocável.
FICHA TÉCNICA DO NOVO KA
"O mercado interno de automóveis está bombando", disse Lula, num discurso exaltado (quase eufórico) em que apresentou os números favoráveis da indústria automotiva em 2007 -- os quais apontam para mais crescimento no setor no ano que vem.

Tanto na fala de Lula quanto na dos demais oradores, uma clara convergência: ter um carro novo e (supostamente) bom de venda nas lojas será positivo para todos -- não só para a Ford, que luta para aumentar sua fatia no mercado (detém mais ou menos 7%, atrás de Fiat, Volkswagen e GM), mas também para a economia brasileira de um modo geral e, particularmente, para os funcionários da empresa, cuja planta no ABC funcionará inicialmente em turno único para produzir o Novo Ka -- isso, quase dez anos depois de uma megademissão de 2.300 funcionários que traumatizou a indústria automotiva paulista, e que foi tema recorrente de todos os discursos.

O carro que tem a missão de "bombar" (para aproveitar a metáfora de Lula) a produção e as vendas da Ford foi totalmente projetado no Brasil, demandando investimentos de R$ 350 milhões. Ele é bastante diferente da versão que hoje roda nas ruas, pelo menos no visual.

O Novo Ka, que existe apenas com duas portas, não perdeu a cara de carro compacto (e de entrada, ou seja, relativamente barato), mas tem um design muito mais arrojado, garantido pela aplicação do chamado conceito "kinetic", que busca linhas e recortes que mantenham uma permanente idéia de movimento -- mesmo com o carro parado. Os reestilizados Fiesta e EcoSport são exemplos disso.

A Ford escalou como alvos do Novo Ka o Celta, o Gol e o Palio Fire. Para isso, colocou o preço do seu carro o mais perto possível da casa dos R$ 25 mil. Os concorrentes custam um pouco acima.

Configurações
Para afastar do carrinho aquele aspecto de "pelado", a montadora colocou como item de série em todas as versões do Novo Ka alguns mimos interessantes, como travas elétricas, controle remoto para abrir as portas e o porta-malas (que também destranca com um botão no painel) e travamento das portas aos 15 km/h.

O Novo Ka 1.0 tem nada menos que 12 combinações de kits de acessórios. O preço vai subindo gradualmente até chegar a R$ 31.790 na mais completa. Já o carro com motorização 1.6 possui sete combinações, que começam em R$ 31.800 e vão até R$ 36.390.

O Ka no formato atual não vende nada bem. De janeiro a novembro, foram emplacados 21.118 veículos em todo o país, segundo a Fenabrave, a associação dos distribuidores de veículos. Isso o coloca no último lugar do segmento dos carros de entrada, com participação de 3,99%. Para se ter uma idéia, o Celta, que vem imediatamente acima do Ka no ranking, vendeu quase quatro vezes mais (os outros carros de entrada são o líder Gol, o Palio Fire e o Mille). A intenção da Ford é triplicar o desempenho atual: ela espera que o Novo Ka venda 60 mil unidades em 2008. Ainda assim, é metade do que emplaca o Celta.

Veja também

Carregando...
Fale com UOL Carros

SALOES