UOL Carros

19/10/2007 - 22h08

GM põe Omega para lutar em dois fronts

Da Auto Press
A General Motors usa uma estratégia curiosa com o seu modelo mais requintado no Brasil. O Chevrolet Omega é um sedã grande que, pelo tamanho, só teria concorrentes no Brasil entre os grandes modelos premium. Mas com seu preço de R$ 145 mil, o carro importado da Austrália -- onde se chama Holden Commodore -- acaba por brigar justamente em um segmento imediatamente abaixo, o de sedãs médios-grandes.

E de forma competitiva. Afinal, seus principais rivais com motor V6, Citroën C5 e Peugeot 407, têm preços próximos (R$ 142.400 e R$ 140 mil). Enquanto isso, o Toyota Camry XLE 3.5 V6 sai por R$ 163.077. Só o Honda Accord é significativamente mais barato: R$ 134.795. Mas o sedã japonês vendido agora ainda é da sétima geração e vem do México. O da oitava geração, que chega em dezembro, já virá do Japão e certamente terá preço mais salgado.

Luiza Dantas/Carta Z Notícias
VEJA MAIS FOTOS DO OMEGA 2008

A estratégia surtiu efeito nas vendas. Em setembro, o primeiro mês cheio da nova geração do Omega no mercado brasileiro, o sedã atingiu 64 unidades. Bem melhor que a média anterior. De janeiro a junho, ainda com o modelo da antiga geração (bem menos charmoso), registrou média de 25 unidades mensais. O tímido volume de vendas e os três dígitos no preço refletem o restrito mercado onde o Omega está inserido.

IMPRESÕES AO DIRIGIR
A retocada no visual do Omega teve a clara intenção de deixá-lo mais jovem e arrojado. E chegou bem perto do seu objetivo. Indiscutivelmente, o sedã tem detalhes mais arrojados no visual que merecem destaque -- como os faróis, a grade dianteira e as saídas de ar auxiliares. Mas o arrojo mesmo teve efeitos sob o capô, no "reengenheirado" motor V6 de 3.6 litros.
LEIA O TEXTO COMPLETO
Conforto, equipamentos e tecnologia são itens óbvios. No que diz respeito à segurança, por exemplo, o novo Omega conta com seis airbags, freios com ABS, EBD e assistente de frenagem de emergência, detector de obstáculos traseiro e dianteiro com monitoramento no display, controles eletrônicos de estabilidade e de tração e encostos de cabeça ativos (acompanham a trajetória da cabeça para a frente em caso de colisão traseira) estão entre os componentes.

No conforto, ar-condicionado automático com dual zone e saídas traseiras, direção hidráulica, computador de bordo, trio elétrico, bancos de couro, ajuste de altura e profundidade do volante, acendimento automático dos faróis, controle de cruzeiro e ajuste elétrico dos bancos dianteiros.

A busca por diferenciação se dá pelo DVD player, com um segundo monitor traseiro instalado no teto. A incorporação do sistema de telefonia bluetooth com comandos no volante e de novo sistema de som com MP3 foi apenas uma adequação à realidade que já inclui até veículos de segmentos inferiores.

FICHA TÉCNICA
Luiza Dantas/Carta Z Notícias
Motor: Gasolina, dianteiro, longitudinal, 3.565 cm³, seis cilindros em V, quatro válvulas por cilindro. Comando duplo e variável de válvulas na admissão e no escape em cada um dos dois cabeçotes. Injeção eletrônica de combustível seqüencial e acelerador eletrônico.
Transmissão: Câmbio automático com cinco velocidades à frente e uma a ré e opção de modo seqüencial. Tração traseira e controles eletrônicos de estabilidade e tração.
Potência: 254 cv a 6.000 rpm.
Torque: 35,7 kgfm a 2.600 giros.
Diâmetro e curso: 94,0 mm X 85,6 mm. Taxa de compressão: 10,2:1.
Freios: A disco ventilados nas quatro rodas, com ABS, EBD e assistente de frenagem.
Carroceria: Sedã em monobloco, com quatro portas e cinco lugares. Com 4,89 metros de comprimento, 1,89 metro de largura, 1,47 metro de altura e 2,91 metros de entre-eixos.
Peso: 1.770 kg em ordem de marcha com 408 kg de carga máxima.
Porta-malas: 496 litros.
Tanque: 73 litros.
Chevrolet Omega V6 3.6
Mas o conforto ganha mesmo sentido no espaço interno. A nova geração tem 12 cm a mais que a antiga, mas o espaço entre-eixos cresceu muito mais. Passou dos anteriores 2,78 m para 2,91 m. O concorrente direto mais generoso nesse item tem tímidos 2,77 m -- no caso, o Toyota Camry.

Motorização e design
Sob o capô, o propulsor de seis cilindros em V foi retrabalhado. A unidade de força Alloytec 3.6 litros ganhou 6% de potência e passou de 238 cv a 254 cv a 6.000 giros. O torque máximo agora é de 35,7 kgfm contra 34,7 kgfm, mas o ganho maior foi na faixa de giros onde a força alcança seu ápice: caiu dos anteriores 3.200 rpm para 2.600 giros.

No visual, a GM tratou de tirar o aspecto conservador do Omega. E, de fato, ele não transparece os 4,89 metros de comprimento que tem. O alongamento do habitáculo fez com que o terceiro volume ficasse bem curto e desse a impressão de que o sedã não é tão grande. Além disso, ganhou toques de design bem agressivos. O conjunto ótico de dupla parábola tem cortes retos, mas num estilo triangular. Em conjunto com a grade frontal trapezoidal e com o capô mais elevado, empresta uma boa dose de ousadia ao (agora) estiloso sedã.

O arrojo também se faz presente pelas saídas de ar auxiliares nas laterais, nas quais há piscas incrustados, e nos vincos que cortam a carroceria. Ainda de perfil, a traseira alta é conectada à frente baixa pela linha de base das janelas, que são acentuadamente inclinadas e transmitem uma idéia de velocidade ao modelo.

As saias das rodas também são um bocado generosas e ampliam o aspecto de robustez e esportividade. Atrás, o duplo escape cromado se destaca em meio a um visual um pouco mais comportado, com lanternas trapezoidais e pára-choques bojudos. Seja entre grandes ou médios-grandes, o Omega conseguiu até ousar, mas sem perder a classe. (por Fernando Miragaya)

O OMEGA 2008 EM DEZ PONTOS
Desempenho - Os 16 cv a mais que o motor do novo Omega tem deixaram o sedã ainda mais divertido. Só que é no torque que o ganho se torna mais perceptível. Disponível mais cedo, aos 2.600 giros, os 35,7 kgfm empurram com facilidade os 1.770 kg do sedã e garantem arrancadas convincentes e retomadas seguras. Além disso, o motor V6 trabalha em boa harmonia com o câmbio automático de cinco velocidades e o motor responde bem à aceleração. Nota 9
Estabilidade - Os controles de estabilidade e tração ajudam a segurar o pesado sedã nas curvas, tanto em alta quanto em baixa velocidade. A suspensão independente na frente e atrás com barras estabilizadoras também confere uma boa estabilidade. A carroceria torce bem pouco e mesmo quando se testa ao limite é possível perceber que os dispositivos corrigem com eficiência a trajetória do carro. Em altas velocidades, só a partir de proibidos 200 km/h se tem uma sensação de flutuação, onde a comunicação roda/volante fica comprometida. Nas frenagens bruscas, porém, comportamento mais uma vez exemplar. ABS e EBD ajudam a não deixar o carro travar. Nota 9
Interatividade - O display no painel central oferece, de forma clara e objetiva, boas informações do computador de bordo, do sistema de som e do bluetooth. A ergonomia dos comandos, todos ao alcance das mãos, é perfeita. A visualização do painel também é boa. Tudo ainda é facilitado pelos ajustes elétricos dos bancos dianteiros - o do motorista inclui na memória o ajuste dos retrovisores - e pelas regulagens de altura e profundidade da coluna de direção. A manobrabilidade só é prejudicada pelas largas colunas laterais e traseiras e pelo porta-malas elevado. Mas o sensor de obstáculos, com distâncias monitoradas no display, auxilia na hora de estacionar. Ajudaria também se tivesse as borboletas para troca de marchas na coluna de direção, como existe na versão vendida na Austrália. Nota 8
Consumo - Os impressionantes 73 litros de capacidade no tanque se justificam: o modelo fez a média de 5,9 km/l, com 2/3 de uso na cidade e o restante na estrada. Nota 6
Conforto - É um dos trunfos do Omega. O entre-eixos de 2,91 m contribui para um bom espaço para as pernas e atrás três adultos viajam tranqüilamente. Na frente, os bancos acomodam bem motorista e carona, que enfrentam grandes percursos sem ter de visitar o ortopedista depois. A suspensão bem acertada absorve bem as irregularidades da pista. O isolamento acústico do motor também é eficiente. Nota 9
Tecnologia - O motor é o relativamente moderno Alloytec, foi recalibrado e ganhou em torque e potência. A suspensão independente e com barras estabilizadoras ainda conta com o sistema de braços múltiplos atrás. Deve-se destacar ainda que o entre-eixos foi aumentado em 13 cm, o que se refletiu no espaço interno. O modelo conta com seis airbags, controles de tração e estabilidade, ABS e EBD e sensor de estacionamento. Entre os itens de conforto e entretenimento, ganhou sistema Bluetooth, DVD, novo som e ar dual zone. Nota 9
Habitabilidade - Há uma boa quantidade de porta-copos e porta-objetos. Os ocupantes não precisam fazer contorcionismos para entrar e se acomodar no interior do veículo graças às generosas portas e também ao bom espaço interno. A iluminação é boa, com várias luzes de leituras espalhadas. O porta-malas de 495 litros acomoda bem malas, valises, necessaires e tralhas em geral. Nota 10
Acabamento - O Omega utiliza materiais de qualidade bem razoável, os bancos são revestidos com um couro que aparenta requinte, não há sinais de rebarbas e a forração dos painéis é exemplar. Mas falha em pequenos detalhes. Os encaixes e fechamentos deixam a desejar no console do DVD no teto e nas maçanetas externas das portas. Incompreensível também a GM tapar o local onde ficam as borboletas do paddle-shift na versão original australiana do sedã com um plástico, que faz um incômodo barulho e, ainda por cima, é malfixado. Nota 7
Design - A GM conseguiu emprestar jovialidade ao três volumes sem perder a aura classuda que o segmento exige. Os novos conjuntos ópticos, a grade central, as novas rodas aro 17, os ombros dos pára-lamas, o perfil veloz e as saídas de ar auxiliares laterais... Tudo confere arrojo. A traseira, porém, não acompanha em ousadia o restante. Nota 8
Custo/benefício - É o grande trunfo do novo Omega. Briga nos médios-grandes com entre-eixos de sedã grande. E por R$ 145 mil fica bem próximo aos preços do 407 3.0 V6 (R$ 140 mil), do C5 Exclusive 3.0 V6 (R$ 142.400) e do Accord (R$ 134.795), e é mais barato que o Camry XLE 3.5 V6 (R$ 163.077). Nota 9
Total - O Chevrolet Omega somou 84 pontos em 100. NOTA FINAL: 8,4

Compartilhe:

    Fale com UOL Carros

    SALOES