UOL Carros

07/09/2007 - 19h00

Mesmo sem taxas, carros no Brasil custam mais que na Europa e EUA

Da Auto Press
Tradicionalmente, os impostos levam a culpa pelo alto preço dos carros brasileiros. A indústria costuma usar a alta carga tributária como uma espécie de biombo. A voracidade do estado brasileiro, é fato, beira a indecência. Mas as taxas sobre os produtos não são os únicos vilões dessa história.

Ao se comparar diretamente os automóveis brasileiros com seus similares na Europa e nos Estados Unidos, descontados os impostos, a constatação é só uma: carro no Brasil é muito, muito caro. E isso em números absolutos, dólar a dólar ou euro a euro, sem relativizar o poder aquisitivo médio, que é muito maior em países desenvolvidos.

Um exemplo: um Volkswagen Polo Sportline 1.6, com ar, trio, ABS e airbag (equipamentos sempre encontrados na Europa), custa R$ 60.095. Sem ICMS, IPI e PIS/Cofins, cai para R$ 42.668, o que equivale a 15.800 euros. Um Polo similar na Europa, sem impostos, sai por 12.768 euros, 23% a menos.

JOGO DO ÚNICO ERRO
Divulgação
O Dacia Logan é a versão européia do Renault Logan brasileiro...
Carta Z Notícias
...que custa 21,5% mais caro que o original, mesmo sem os impostos
Sem a desculpa da carga tributária, sobram poucos argumentos para justificar porque um Fiat Punto ELX 1.4 com ABS e airbag, feito em Betim, custa 18,5% a mais que o similar europeu, que ainda por cima tem uma plataforma mais moderna. Aqui ele sai a R$ 48.399, ou R$ 34.064 sem os tributos, o que representa 12.616 euros. Na Alemanha, o Grande Punto 1.4 Active, com os mesmos recursos, sai por 10.645 euros.

A única explicação que sobra é a velha teoria de formação de preço: o preço de um produto é o valor máximo que o mercado aceita pagar por ele.

Burocracia e produtividade
Estudos do Instituto Brasileiro de Mercado de Capitais (Ibmec) estimam que 10% do valor de um automóvel seja do famigerado "custo Brasil". Embora países como França e Alemanha tenham políticas sociais mais sofisticadas que a do Brasil, aqui se agregam os ônus da falta de infra-estrutura de transporte e até custos administrativos.

Um exemplo: para cada R$ 1 bilhão faturado por uma empresa na Europa é necessário um funcionário para cuidar das questões tributárias. No Brasil, a proporção é de 20 funcionários para cada R$ 1 bilhão. "Essa burocracia também faz parte do custo", afirma Gilberto Braga, professor de Finanças do Ibmec.

Por outro lado, um funcionário europeu recebe salário mensal médio de 3.000 euros, contra 500 euros médios de um operário brasileiro. Sem contar que, no chão da fábrica, a produtividade das plantas brasileiras é bem parecida com as obtidas em países desenvolvidos.

Fábricas modernas, como a da General Motors em Gravataí, no Rio Grande do Sul, e a da Ford, em Camaçari, na Bahia, produzem cerca de 100 automóveis/ano por empregado, índice considerado altíssimo.

Não há como negar que os impostos exercem um papel nefasto neste jogo. Por isso mesmo, as diferenças ficam ainda mais gritantes se a referência for os preços nos Estados Unidos, um dos países com menor oneração de taxas no mundo.

Enquanto um Honda Civic EX no Brasil custa, sem impostos, R$ 45.027 (ou US$ 22.500), para os americanos ele custa US$ 15 mil. Ou seja: aqui é 50% mais caro. "O mercado dos EUA tem ganhos de escalas e custos mais baratos, e nosso mercado ainda é muito menor", diz Miguel José de Oliveira, vice-presidente da Associação Nacional dos Executivos de Finanças e Contabilidade.

Lucros à vontade
Aparentemente, há muitos motivos para esta gritante diferença de preços entre um país com renda per capita anual de US$ 5 mil, como o Brasil, e outros de US$ 30 mil para cima, como Alemanha, França, Itália, Espanha e Estados Unidos. E os lucros são certamente um deles.

No ano passado, a Fiat do Brasil lucrou nada menos que R$ 804 milhões líquidos. No primeiro semestre deste ano, a divisão da General Motors para América Latina, Ásia e Oriente Médio auferiu US$ 414 milhões de lucro -- 67% das vendas deste braço são da América Latina. E a Ford alcançou US$ 255 milhões de lucro apenas no segundo trimestre deste ano no Mercosul. O tal do "custo Brasil", aparentemente, ainda deixa uma margem muito simpática para as empresas.

E não se podem desprezar os "favores" que as montadoras costumam ganhar. Estados que querem abrigar novas fábricas acenam com as mais diversas regalias, que vão desde a doação de terrenos até isenção de ICMS e IPTU.

Foram procuradas para falar sobre o assunto Renault, Volkswagen, Citroën, Fiat, Honda e General Motors. Nenhuma quis se pronunciar.

CARROS EQUIVALENTES, PREÇOS DIFERENTES
(com dólar a R$ 2,00 e euro a R$ 2,70)
VW POLO 1.6 (Alemanha)
14.675 euros
Sem os impostos: 12.768 euros


VW POLO 1.6 SPORTLINE
R$ 60.095 (com ABS e airbag)
Sem os impostos: R$ 42.668
Conversão: 15.803 euros
Diferença: 23,7% mais caro
DACIA LOGAN 1.6 (Alemanha)
10.550 euros
Sem impostos: 9.175 euros


RENAULT LOGAN PRIVILEGE 1.6
R$ 42.790 (completo)
Sem impostos: R$ 30.090
Conversão: 11.144 euros.
Diferença: 21,4% mais caro
HONDA CIVIC SEDAN (EUA)
Preço final: US$ 14.990



HONDA CIVIC EX
R$ 63.515
Sem impostos: R$ 45.027
Conversão: US$ 22.513
Diferença: 50,1% mais caro
CITROËN C3 1.6 (Espanha)
Preço sugerido: 13.500 euros
Sem impostos: 11.637 euros


CITROËN C3 EXCLUSIVE 1.6
R$ 53.410
Sem impostos: R$ 37.922
Conversão: 14.040 euros
Diferença: 20,6% mais caro
PEUGEOT 206 1.4 (Alemanha)
12.100 euros
Sem impostos: 10.431 euros


PEUGEOT 206 PRESENCE 1.4
R$ 43.750 (ABS e airbag duplo)
Sem impostos: R$ 31.063
Conversão: 11.505 euros
Diferença: 10,3% mais caro
GRANDE PUNTO 1.4 (Alemanha)
12.140 euros
Sem impostos: 10.645 euros


FIAT PUNTO ELX 1.4
Preço sugerido: R$ 48.399
Sem impostos: R$ 34.064
Conversão: 12.616 euros
Diferença: 18,5% mais caro
TOYOTA COROLLA CE (EUA)
Preço final: US$ 14.400



TOYOTA COROLLA XEi
Preço sugerido: R$ 63.944
Sem impostos: R$ 45.401
Conversão: US$ 22.700
Diferença: 57,6% mais caro
OPEL ASTRA (Alemanha)
Preço sugerido: 16.360 euros
Sem impostos: 14.234 euros


CHEVROLET VECTRA GT
Preço sugerido: R$ 59.990
Sem impostos: R$ 45.593
Conversão: 15.575 euros
Diferença: 9,4% mais caro
FORD FIESTA 1.6 (França)
Preço sugerido: 15.100 euros
Sem impostos: 12.684 euros



FORD FIESTA 1.6
Preço sugerido: R$ 50.360
(com ABS e airbag)
Sem impostos: R$ 35.756
Conversão: 13.242 euros
Diferença: 4,4% mais caro
NO EXTERIORNO BRASIL

Compartilhe:

    Fale com UOL Carros

    SALOES