UOL Carros

27/07/2007 - 20h03

Nissan traz o Tiida para alavancar vendas

Da Auto Press
O nome Tiida vem do inglês "tide", que, entre outras coisas, significa fluidez. E, no caso do hatch médio da Nissan, a acepção do nome já diz tudo: o modelo acaba de aportar do México carregado de expectativas da própria fabricante.

Diogo de Oliveira/Carta Z Notícias
Tiida é o carro mais barato da Nissan, mas motorização não é bicombustível
Primeiro hatch médio da Nissan no Brasil, chega com a missão de fazer crescer o volume de vendas da marca japonesa no país. Até abril deste ano, quando trouxe o sedã Sentra (também mexicano), o catálogo da montadora dispunha praticamente apenas de modelos brutamontes. Figuravam na lista a pick-up Frontier, os utilitários-esportivos X-Terra, X-Trail e Pathfinder e o crossover Murano. Os únicos menores eram o esportivo 350 Z e a geração anterior e datada do Sentra.

Com o Tiida, muda o foco. Com o acordo tributário entre Brasil e México, o hatch chega para disputar a preferência dos brasileiros num segmento que anda cabisbaixo. O Tiida é o mais moderno do nicho de médios na atualidade -- é produzido na mesma plataforma do Renault Mégane, o mesmo que é feito e vendido aqui. Já os rivais Volkswagen Golf, Ford Focus, Chevrolet Astra e Fiat Stilo são projetos mais antigos. O mais moderno dos concorrentes é o Peugeot 307.

Mas para conseguir fazer volume no Brasil é preciso ter preço. Por isso, o Tiida chega para ser o modelo mais barato da Nissan no país. Começa em R$ 53.290, na versão S, e vai até R$ 67.590, na topo de linha SL. Para competir com os veteranos do mercado, a lista de série é vasta.

A versão de entrada vem com ar-condicionado, trio elétrico, volante com regulagem de altura, direção elétrica, rádio/CD, airbag duplo e rodas de alumínio aro 15. Já a top SL traz ABS, EBD, teto-solar com controle elétrico, ar-condicionado automático e faróis de neblina.

Não tem flex
Debaixo do capô há um conflito: o moderno motor 1.8 litro 16V a gasolina. Feito em bloco de alumínio, produz 124 cv de potência a 5.500 rotações e torque máximo de 17,5 kgfm aos 4.800 giros -- mas não oferece tecnologia flex, algo que todos os rivais oferecem no segmento.

Com a unidade de força, o Tiida atinge máxima de 192 km/h e vai de zero a 100 km/h em 10,6 segundos (segundo a Nissan). Aqui, o destaque é o variador de fase que mais parece uma sopa de letrinhas. O CVVTCS altera o ângulo de abertura das válvulas de admissão e de escape para que o motor obtenha uma melhor performance na queima da gasolina.

A Nissan planeja vender 1.300 unidades do hatch médio até o fim do ano. Para tanto, acompanha a média do segmento e oferece dois anos de garantia. Mas se vale mesmo é da boa fama que os japoneses conquistaram no mercado brasileiro de carros resistentes. A luta agora é por um bom desempenho nas vendas como seus conterrâneos. (Diogo de Oliveira)

EM DEZ PONTOS, O NISSAN TIIDA
DesempenhoO motor de 124 cv tem boa performance. Acelerações e retomadas são satisfatórias após ultrapassar os três mil giros. Antes disso o motor demora um pouco para embalar. O câmbio manual de seis marchas se mostra mais eficiente que a caixa automática - que estica demais e reduz as marchas bruscamente. A frenagens são tranqüilas.7
EstabilidadeA suspensão foi bem calibrada. Curvas em alta ou baixa velocidade não pregam sustos. Em retas, há ausência completa de flutuação, mesmo acima dos 150 km/h.8
InteratividadeTodos os comandos são simples de operar e ficam ao alcance das mãos. Bancos e volante com ajustes possibilitam ótima ergonomia e a visibilidade é facilitada pela altura avantajada - 1,54 m. Mas mesmo na versão topo de linha SL, não dispõe de computador de bordo. E o câmbio carece de maior precisão. 7
ConsumoNo test drive o modelo fez a média de 8,3 km/l.7
ConfortoO espaço interno é o aspecto mais marcante. Há bastante folga para pernas e cabeça. Na parte mecânica, os amortecedores têm sistema auxiliar de absorção de impactos (ripple-control) que reduz significativamente os impactos.7
TecnologiaNa mecânica, motor em bloco de alumínio tem CVVTCS, que altera o ângulo de abertura das válvulas de acordo com a aceleração. Entre os equipamentos, ar automático, duplo airbag, ABS e EBD. Fica devendo controle de cruzeiro, volante multifunção, MP3 e travamento automático das portas.8
HabitabilidadeNeste quesito, o porta-malas decepciona: apenas 289 litros, inferior a dos rivais - média acima de 320 l. De resto, acessos fáceis, bom número de porta-objetos e iluminação bem distribuída.7
AcabamentoA qualidade dos materiais mostra que o Tiida chega para brigar em alto nível. Mesmo as peças de plástico são agradáveis aos olhos e ao toque. Encaixes e fechamentos são harmoniosos.8
DesignO desenho do Tiida vem para quebrar a falta de inovações na categoria. As linhas robustas da dianteira foram inspiradas no "crossover" Murano mas a traseira fluida lembra a do Peugeot 307.8
Custo/benefícioSem dúvida, a chegada do Tiida dá uma "injeção de ânimo" no nicho de hatchs médios. Mas a versão "top" SL carece de equipamentos importantes - computador de bordo, controle de cruzeiro e controle de estabilidade. Ausências injustificáveis pelo preço de R$ 67.590. 6
Total/média O Tiida hatch somou 73 pontos em 100 possíveis. 7,3
QuesitoComentárioNota

Compartilhe:

    Fale com UOL Carros

    SALOES