Topo

Carros


Carros

Exclusivo: Ghosn queria recuperar dinheiro e obras de arte de imóvel no RJ

Antonio Lacerda/EFE
Advogado de Ghosn nega acusações e diz que executivo é "inteligente" Imagem: Antonio Lacerda/EFE

Marcelo Rochabrun e Ritsuko Ando

Da Reuters

11/12/2018 07h00

Nissan diz que apartamento na capital pode conter evidências de crimes supostamente cometidos pelo brasileiro

O ex-presidente da Nissan, Carlos Ghosn, pretendia recuperar "pertences pessoais, documentos, dinheiro em espécie, objetos e obras de arte" de um apartamento no Rio de Janeiro, que podem conter evidência sobre as acusações de fraude financeira, segundo documentos judiciais.

Os documentos anteriormente não relatados mostram a extensão da disputa legal entre Ghosn e Nissan sobre o acesso ao apartamento, um dos vários que o ex-executivo tinha acesso em todo o mundo. Ghosn é acusado de subdeclarar sua renda em dezenas de milhões de dólares.

Veja mais

+ Nissan não define sucessor de Ghosn, que pode ficar preso
Quer negociar hatches, sedãs e SUVs? Use a Tabela Fipe
Inscreva-se no canal de UOL Carros no Youtube
Instagram oficial de UOL Carros
Siga UOL Carros no Twitter

O apartamento, que a Nissan afirma ser proprietária, contém "três cofres" que a montadora ainda não abriu, segundo os documentos encaminhados pelo grupo japonês à justiça brasileira na semana passada.

A empresa disse que encontrou os cofres quando fez uma auditoria no apartamento após a demissão de Ghosn, acrescentando que o apartamento também tem "móveis de design, obras de arte e objetos decorativos".

O processo judicial começou em 29 de novembro, quando um advogado de Ghosn pediu a um juiz que lhe concedesse acesso ao apartamento.

A Nissan diz que permitir o acesso de Ghosn ao apartamento "representaria um risco incalculável de destruição de evidências potenciais de crimes supostamente cometidos". Até o momento, os tribunais brasileiros negaram o acesso de Ghosn ao imóvel.

O advogado de Ghosn José Roberto de Castro Neves disse à Reuters que ele não sabia da existência de três cofres diferentes e classificou como "especulação absurda" a possibilidade de haver evidências de irregularidades.

"Ele é um cara muito inteligente", disse Castro Neves em breve entrevista por telefone. "Se ele tivesse feito algo errado, ele não deixaria no apartamento".

Promotores de Tóquio indiciam Ghosn por subdeclarar sua renda e também acusaram oficialmente a montadora, tornando a empresa culpável pelo escândalo de má-conduta financeira, que chocou a indústria. Ghosn está preso em Tóquio e lá permanecerá detido até o começo do ano que vem, já que teve sua prisão prorrogada por mais 22 dias.

Mais Carros