Carros

Financiamento para carros no Brasil deve estagnar este ano, diz Anef

Aluísio Alves

Em São Paulo (SP)

20/02/2014 15h51Atualizada em 20/02/2014 17h54

O crédito automotivo no Brasil deve estagnar em 2014, após dois anos de queda, previu nesta quinta-feira (20) a Associação Nacional das Empresas Financeiras das Montadoras (Anef), diante de um cenário de juros mais altos e encarecimento dos carros após o fim de incentivos fiscais e a exigência de mais itens de segurança.

No fim de 2013, o estoque de crédito para compra de veículos, incluindo CDC e leasing, somava R$ 228,6 bilhões, queda de 5,6% ante 2012, que já tinha caído 1% sobre 2011.

"Os últimos anos não foram bons e a perspectiva é de que 2014 será o ano mais triste de todos", disse a jornalistas o presidente da Anef, Décio Carbonari, prevendo crescimento zero para o período. 'A economia dá sinais de enfraquecimento".

Os dados estão em linha com números divulgados mais cedo neste ano pela indústria automotiva. Segundo a Anfavea, que representa as montadoras, o total de novos licenciamento de veículos no país no ano passado caiu 0,9% ante 2012, a 3,77 milhões de veículos, primeira queda anual em uma década. Para este ano, a Anfavea espera crescimento de 1,1%.

A Anef atribuiu o fraco desempenho do setor às baixas ofertas de financiamentos pelos bancos comerciais e atividade econômica.

O resultado só não foi pior porque os bancos de montadoras assumiram o espaço deixado por grandes bancos comerciais e fizeram ações agressivas, como taxa zero em financiamentos. Com isso, sua fatia na liberação de empréstimos para compra de veículos cresceu de 53% para 60% entre 2012 e 2013.

Assim, o percentual de compras à vista até caiu, passando de 39% para 37% do total.

Nos últimos anos, os bancos reduziram a concessão de crédito automotivo, linha que lhes provocou fortes perdas com calotes. A carteira total do Itaú Unibanco para o setor, por exemplo, caiu 15% entre 2011 e 2013.

O maior rigor dos bancos deu resultados. O índice de atrasos acima de 90 dias nas linhas automotivas caiu de 6,4% para 5,2%. Sem mencionar números, Carbonari afirmou que a tendência segue de queda neste ano.

Para 2014, os financiamentos devem se manter nos níveis do ano passado, apoiados em baixas taxas de desemprego e manutenção do poder de compra das famílias, disse o executivo.

Nesta quinta-feira (20), o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) anunciou que a taxa de desemprego do país em janeiro ficou em 4,8%, a menor do história para o mês, enquanto o rendimento médio subiu 0,2% sobre dezembro e 3,6% ante janeiro de 2013.

Por segmentos, a Anef avalia que o financiamento de automóveis deve ficar estável, o de motocicletas deve cair, enquanto o de caminhões crescerá, puxado por maiores investimentos em infraestrutura.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Mais Carros

Topo