Carros

Ex-CEO da GM pede a novos líderes que evitem erros passados

Ben Klayman
Deepa Seetharaman

Em Detroit (EUA)

16/01/2014 10h09

Dan Akerson, que se aposentou como presidente-executivo da General Motors nesta quarta-feira (15), pediu a seus substitutos e a outros funcionários da montadora que evitem as décadas de pensamento de curto prazo que levaram à falência da companhia em 2009.

Akerson, que foi substituído pela primeira presidente-executiva mulher da indústria automotiva, Mary Barra, disse em uma sala cheia de executivos do setor que a GM não era mais "frágil" e que teria força para ter sucesso, mas precisaria manter mudanças, como uma estrutura de custos de trabalho competitiva à medida que avança.

"Essa é uma das coisas que eu tentei dar ênfase: quando tomarmos uma decisão hoje, vamos fazê-lo e nos perguntar o que os sucessores vão pensar de nós em 2044, olhando para daqui a 30 anos", disse.

Akerson afirmou que as sementes de falência da GM foram lançadas em 1960, 1970 e 1980. Ele assumiu o cargo de CEO em 2010, antes de emergência da GM como uma empresa pública, porque acreditava que poderia recuperar a empresa.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Mais Carros

Topo