Carros

Peugeot negocia com Santander para reduzir crise financeira

Gonzalo Fuentes/Reuters
Fábrica de Poissy (França), que produz o 208; acordo com banco espanhol surge como solução para crise Imagem: Gonzalo Fuentes/Reuters


Sophie Sassard
Matthieu Protard

Em Londres (Inglaterra) e Paris (França)

22/07/2013 12h29

A PSA Peugeot Citroen e o banco Santander estão discutindo uma parceria em uma empresa de financiamento ao consumidor, numa investida que poderia dar à problemática fabricante mais liberdade em relação à interferência estatal, e aumentar a presença do banco espanhol na França, disseram fontes com conhecimento do assunto. 

A informação surgiu na manhã desta segunda-feira (22), sendo veiculada, por exemplo, pelo "Wall Street Journal".

O Santander, que já é parceiro de financiamento da Peugeot na América Latina, assumiria a maior parte dos empréstimos de refinanciamento na operação conjunta nos termos do acordo discutido, disse uma fonte. "Como conseqüência, a Peugeot também ficaria livre da interferência do governo, o que poderia ajudar nas negociações com a GM", disse a fonte.

A Peugeot mantém conversas para a venda parcial do Banque PSA Finance, o que permitiria ao braço da montadora para financiamentos operar sem os 7 bilhões de euros (mais de R$ 20 bilhões de dólares) em garantias bancadas pelo Estado francês, afirmou uma das fontes, que pediu para não ser identificada porque as discussões eram confidenciais.

De acordo com o Wall Street Journal, primeiro a relatar as negociações, um cenário em consideração prevê uma participação de 50% do Santander no Banque PSA Finance, ou uma joint venture ainda maior.

Santander e Peugeot se recusaram a comentar. Funcionários do governo francês não retornaram as ligações para comentar o assunto.

A montadora teve que negociar um resgate estatal no ano passado após uma série de rebaixamentos de classificações de crédito elevarem os custos de empréstimos. As garantias dadas à Peugeot no ano passado impuseram limites à remuneração dos executivos, cortes de empregos e um conselho diretor nomeado pelo governo, com um resgate da União Europeia ainda sob análise.

A Peugeot, montadora mais atingida pelos cinco anos de queda do mercado de automóveis na Europa, teve prejuízo de 5 bilhões de euros (cerca de R$ 15 bilhões) no ano passado e ainda está queimando mais 100 milhões de euros em caixa todo mês.

Pessoas com conhecimento direto das finanças da empresa concordam com muitos analistas que, para se recuperar da crise, a Peugeot precisaria de uma nova injeção de capital e uma aliança mais estreita com a General Motors ou outro parceiro industrial.

A família Peugeot, fundadora do negócio, ofereceu-se para abrir mão do controle como parte de um acordo com a acionista GM, que detém 7% da empresa, depois de conversas inconclusivas com a parceira chinês Dongfeng, disseram fontes à Reuters no mês passado.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Mais Carros

Topo