Carros

BMW ameaça desistir de fábrica no Brasil, se governo mantiver restrições

Paulo Keller/Best Cars
Fase do mar de rosas da BMW no Brasil se encerrou em dezembro, após medidas de restrição Imagem: Paulo Keller/Best Cars


Irene Preisinger

Em Munique (Alemanha)*

13/03/2012 09h47

A BMW anunciou, nesta terça-feira (13), que cogita desistir dos planos de construir uma fábrica de montagem de veículos no Brasil se novas medidas impostas pelo governo impedirem a produção lucrativa no país.

"Não iremos ao Brasil para termos prejuízo", disse diretor de produção da BMW, Frank-Peter Arndt, a jornalistas durante reunião anual do grupo. Atualmente, os planos da fabricante alemã envolvem a construção de uma fábrica em São Paulo ou Santa Catarina.

Uma fonte ligada à BMW no Brasil afirmou que a ação do governo junto ao setor automotivo -- além de poder arruinar os planos de uma fábrica local -- têm interferido negativamente nos negócios da marca como um todo. O aumento da alíquota de IPI para carros importados em 30 pontos percentuais teria derrubado as vendas diretas (da fábrica para as concessionárias) para 70 unidades em janeiro e menos de 200 em fevereiro. Mesmo o total de emplacamentos -- ou seja, de vendas ao consumidor final -- caiu drasticamente: nos dois primeiros meses de 2012, apenas 513 carros foram licenciados. 

Em dezembro, quando o efeito do aumento (estabelecido no dia 16 daquele mês) ainda não se fazia sentir, a marca entregou 2 mil unidades. As vendas totais da BMW no Brasil em 2011 somaram 12.074 unidades, salto de 42% sobre os 8.534 veículos emplacados em 2010.

Uma vítima direta das medidas restritivas do governo é a nova geração do Série 1, que chega às lojas da marca neste semana. A geração anterior, que chegou a ser vendida por pouco mais de R$ 90 mil a dois anos, encerrou seu ciclo no Brasil custando R$ 105 mil. O novo Série 1, no entanto, carrega o fardo do novo IPI para importados e não irá para a garagem de ninguém por menos de R$ 113.400.

O modelo, aliás, seria o principal produto a ser entregue pela futura (e agora ameaçada) fábrica da marca no país. 

MÃOS ATADAS
A BMW vem negociando a instalação da unidade no país desde 2011 e  estava nos estágios finais de escolha do local de sua primeira fábrica na América Latina, quando o setor automotivo foi surpreendido pelo anúncio de medidas de restrição à importação de carros. Além disso, a indefinição do governo sobre as regras do novo regime automotivo nacional emperrar qualquer chance de anúncio de investimentos da marca alemã -- situação que é comum a outras empresas que cogitam estabelecer fábricas no Brasil, como a chinesa JAC Motors.

Ainda segundo o interlocutor ligado à BMW local, é impossível pensar em investimento a longo prazo, para 20 ou 25 anos -- caso de uma fábrica ou unidade de montagem no Brasil -- sem saber ao certo o que o Planalto planeja para o setor automotivo. (Com Redação)

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Mais Carros

Topo