Carros

Peugeot tenta corte nos custos e venda de ativos

Laurence Frost

Em Paris (França)

15/02/2012 16h16

A PSA Peugeot Citroën, montadora que mais sofreu com as quedas nas vendas na Europa, colocou à venda seu negócio mais lucrativo em meio aos esforços para diminuir as dívidas e inverter as perdas no segmento de fabricação de veículos.

A companhia francesa revelou mais cortes de custos e o plano de vender uma participação na transportadora Gefco, depois que seu negócio automotivo registrou um prejuízo operacional de 497 milhões de euros (mais de R$ 1,1 bilhão) no segundo semestre, ante um lucro de 96 milhões de euros (R$ 216 milhões) um ano antes.

"Esses resultados fracos não condizem com a estratégia que estamos seguindo", disse o vice-presidente financeiro Jean-Baptiste de Chatillon. Cortando os custos e vendendo ativos, "estamos nos dando os meios para seguir essa estratégia", afirmou.

Além de anunciar no mês passado que a montadora estava deixando a corrida de resistência Le Mans 24 Hours, o presidente-executivo Philippe Varin deixou uma fábrica na Índia em suspenso. A Peugeot pode abrir o investimento planejado para um sócio, disse ele em entrevista ao Le Monde nesta quarta-feira (15).

A companhia aumentou a meta de cortes de custos em 200 milhões para 1 bilhão de euros e disse que se livraria de carros nos pátios para aumentar o fluxo de caixa, negativo em 1,6 bilhão de euros em 2011.

O presidente da PSA não anunciou guidance para 2012 mas falou em levantar 1,5 bilhão de euros em vendas de ativos, incluindo uma grande participação na Gefco.

A PSA espera ganhos no mínimo de 560 milhões de euros da venda desta participação e não descarta vender uma participação majoritária no negócio de transporte e logística enquanto continua como "acionista estratégico", disse o vice-presidente financeiro Chatillon.

Com 560 milhões de euros seria possível comprar mais de um terço da Gefco, segundo estimativa do Credit Suisse.

A PSA amargou queda de 48% no lucro líquido no ano passado, para 588 milhões de euros, tendo em vista que o lucro operacional caiu 27%, para 1,32 bilhão de euros, excluindo ganhos e perdas extraordinários, cortando a margem operacional em 1 ponto porcentual, para 2,2%. As vendas subiram 6,9%, para 59,91 bilhões de euros.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Mais Carros

Topo