Carros

Devolução de IPI extra trará pouco impacto a empresas

21/10/2011 22h16

Por Fábio Couto

RIO DE JANEIRO (Reuters) - A Abeiva avaliou nesta sexta-feira que a devolução do IPI pago a mais pelos consumidores que compraram veículos importados após a elevação do imposto não trará impactos elevados às empresas associadas, afirmou a entidade representante das importadoras por meio de sua assessoria de imprensa.

Na quinta-feira, o Supremo Tribunal Federal suspendeu o aumento da alíquota até dezembro. O STF entendeu que a medida só pode ser implementada depois de transcorrido o prazo de 90 dias da edição da norma. Para o governo, a medida vigorava desde o decreto publicado no Diário Oficial da União, em 16 de setembro.

A elevação de 30 pontos percentuais no Imposto sobre Produtos Industrializados teve como alvo carros importados de fora do Mercosul e do México --com quem o Brasil possui acordo bilateral-- até dezembro de 2012, o que poderia provocar um aumento no preço de até 28 por cento.

Estimativas da Abeiva mostram que o volume de carros importados comercializados de 16 de setembro até a quinta-feira seja de cerca de 150 unidades. Em agosto, foram emplacados 20.420 veículos importados, segundo a entidade.

A Abeiva explicou que apenas três dos 27 importadores associados à entidade anunciaram novas tabelas após a entrada em vigor da elevação da alíquota.

A alemã Porsche anunciou o aumento dos preços em 19 por cento, em média, mas não vendeu nenhuma unidade depois da nova alíquota, enquanto a compatriota Audi, que anunciou aumento médio de 10 por cento para a linha 2012, vendeu cerca de 100 veículos. A montadora não repassou o novo IPI aos preços da linha 2011.

Já a coreana Kia Motors comercializou 42 veículos após a vigência do novo IPI, segundo a entidade.

A montadora informou nesta sexta-feira em sua página na Internet que vai adotar a tabela de preços que praticava antes da vigência do decreto que elevou o IPI --ela havia reajustado os preços em 8,41 por cento, em média.

Ainda de acordo com a Abeiva, a devolução do que foi pago a mais pelos consumidores estaria em estudos pelo governo e que a entidade garante o cumprimento do que for estabelecido para o estorno.

Na quinta-feira, o presidente da Abeiva, José Luiz Gandini, havia afirmado, em nota, que as 27 associadas estão "aliviadas" com a decisão do STF.

"Com o novo prazo de vigência será possível planejar a comercialização do atual estoque, bem como programar futuras aquisições no exterior", afirmou Gandini.

A vigência do imposto foi suspensa após o STF acolher Ação Direta de Inconstitucionalidade protocolada pelo Democratas (DEM).

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Mais Carros

Topo