Carros

Decisão da GM de manter Opel irrita Alemanha

Em Frankfurt, Berlim e Bruxelas

04/11/2009 09h31

A decisão da General Motors de manter sua divisão europeia Opel depois de meses de negociação para vendê-la provocou irritação da Alemanha, que liderava as discussões.

O líder trabalhista da Opel Klaus Franz revogou milhões de euros em cortes de custos que os trabalhadores haviam concordado em fazer, na expectativa de que a montadora fosse comprada pela fabricante canadense de autopeças Magna.

O ministro da Economia da Alemanha, Rainer Bruederle, classificou o comportamento da GM como "totalmente inaceitável", enquanto Christine Lieberknecht, premiê do Estado da Turíngia, que abriga uma fábrica da Opel, chamou a decisão de "golpe baixo".

Autoridades alemãs que pediram para não serem identificadas afirmaram que a decisão surgiu como uma total surpresa para a chanceler Angela Merkel e seus conselheiros durante visita a Washington, onde Merkel participou de sessão conjunta no Congresso.

O presidente-executivo da GM, Fritz Henderson, informou a decisão a uma delegação alemã durante a visita de Merkel a Washington com chefes do Banco Mundial e do FMI, pouco antes do retorno da chanceler a Berlim.

Juergen Reinholz, ministro da Economia da Turíngia, afirmou que a GM sinalizou que vai pagar os 1,5 bilhão de euros de empréstimo-ponte concedido pela Alemanha para a Opel no final de novembro.

"A decisão do conselho de diretores da GM traz clareza para a Opel/Vauxhall", afirma a Opel em breve nota publicada nesta quarta-feira.

A General Motors abandonou uma aguardada venda da Opel citando melhora nas condições de negócios e importância estratégica da divisão par ao grupo.

A decisão deixou em aberto como a GM vai financiar seu plano para manter e reestruturar a Opel.

Uma porta-voz da GM na Europa disse no final da terça-feira que a companhia estava contando com garantias de empréstimos europeus para obter financiamentos que precisa para reestruturar a Opel.

UE ESPERA POR SUSTENTABILIDADE
O novo plano de reestruturação da General Motors para sua unidade europeia Opel deve ser baseado em sólidos fundamentos econômicos, disseram reguladores de competitividade da União Europeia (UE), nesta quarta-feira.

O plano terá de garantir a viabilidade de longo prazo da Opel e oferecer empregos sustentáveis para seus trabalhadores, informou a Comissão Europeia, em um comunicado. O órgão disse que vai verificar se qualquer ajuda financeira concedida por países do bloco para Opel respeitam as regras da UE.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Mais Carros

Topo