Topo

Testes e lançamentos


Avaliação: Nissan Kicks UCL joga bem para disputar liderança de SUVs? Veja

Eugênio Augusto Brito

Do UOL, em São Paulo (SP)

2019-05-07T12:00:00

07/05/2019 12h00

Resumo da notícia

  • Versão UCL custa R$ 96.190
  • Série limitada e numerada tem visual e itens interessantes
  • Modelo briga pelo pódio do segmento de SUVs
  • Motor flex de 114 cv se mostra fraco frente ao dos rivais
  • Suspensão também dá sinais de que precisa evoluir
  • Uso do modelo é tipicamente urbano

O segmento de SUVs está vendo uma disputa interessante este ano, com diferença pequena entre os compactos que lideram as vendas. Jeep Renegade, Hyundai Creta, Nissan Kicks e Honda HR-V tentam se diferenciar nos detalhes.

Falando especificamente do Kicks, que chegou ao mercado em 2016, há mudanças interessantes à vista até o final do ano, como a motorização híbrida e atualização visual.

Mas enquanto o momento não chega, a Nissan precisa seguir competitiva para não perder o pódio. Uma das formas é apostar em uma série especial, algo já comum para a marca e para o próprio Kicks -- ele estreou com a série especial Rio 2016. Desta vez, temos a série limitada UCL (Uefa Champions League Edition), alusiva ao campeonato de futebol mais rentável do mundo e do qual a marca é patrocinadora.

Esse Kicks UCL foi anunciado em março por R$ 95.290, subindo a R$ 96.190 durante o mês de abril. São 800 unidades (com mais ou menos 600 delas disponíveis para o Brasil, sendo o restante para a Argentina).

Visual joga no ataque

Contam pontos a cor exclusiva (carroceria vermelha e teto, retrovisores e rodas em preto) e interior espaçoso e bem montado derivado da versão intermediária SV. Mas é firula o pacote aerodinâmico -- sobretudo o spoiler do para-choque dianteiro parece bem arrojado, mas não acaba sendo a melhor escolha para cidades com lombadas ou valetas avantajadas.

Assim, há bancos de couro "zero gravity" (com bom apoio de costas e pernas, garantindo conforto mesmo em longas viagens), sistema multimídia completo (tela sensível ao toque, ambiente derivado do Android com boa movimentação e apps) e ar-condicionado (analógico, mas eficiente na refrigeração). Painel de instrumentos é outro item analógico, mas que tem boa leitura e quantidade correta de informações, incluindo o computador de bordo.

Segurança joga bem com seis airbags (algo que só a versão de topo SL tem de série), controles de tração e estabilidade e ganchos Isofix para cadeirinhas infantis em duas posições do banco traseiro.

Mecânica ainda toca mal a bola

Mas ainda temos o paradoxo de, com tanta tecnologia ativa e passiva de segurança, não encontrar freios a disco nas rodas traseiras, apenas o sistema a tambor -- ainda que o modelo seja leve, com cerca de 1.140 quilos na configuração.

E se falamos de tudo o que o Kicks UCL tem -- combinando um pacote visual chamativo, com um bom nível de equipamentos, tudo abaixo do patamar psicológico dos R$ 100 mil -- também vale ressaltar que a parte mecânica já parece, com três anos de mercado, precisar mesmo de uma substituição.

Motor 1.6 aspirado tem usado não mais que correto para a cidade, porém já demonstrado ser fraco frente a rivais mais atualizados, com mais força sendo extraída mesmo de motores menores (como é o caso do VW T-Cross, mesmo o 1.0, ou do Citröen C4 Cactus THP, ambos com motorização turbo). Os 114 cavalos se mostram insuficientes, sobretudo com o carro cheio em estradas.

Neste momento, a suspensão também deixa transparecer algum "cansaço" não encontrado nos rivais (sobretudo HR-V e T-Cross). E o câmbio CVT sem escalonamento virtual (como faz a Honda, para citar apenas o segmento) acaba dando performance monótona e, pior, sem tanta economia de combustível.

Assim, se você precisa de um modelo que chame atenção e vai usar mais no ambiente urbano, tudo bem: faça as contas e o Kicks pode, de fato, jogar bem para você. Mas se o uso for mais estradeiro, aí é melhor aguardar por mudanças mais profundas até o final do ano. Ou "virar a casaca" e escolher outro time.

FICHA TÉCNICA

Nissan Kicks Uefa Champions League Edition
Motor: 1.6 flex, 4 cilindros
Potência: 114 cv (gasolina/etanol)
Torque: 15,5 kgfm (gasolina/etanol)
Câmbio: CVT
Velocidade máxima: 175 km/h
0-100 km/h: 12,4 s
Dimensões: 4,29 m (comprimento), 2,61 m (entre-eixos)
Porta-malas: 432 litros
Preço: R$ 96.190

Mais Testes e lançamentos