Topo

Carros elétricos


Estudo diz que carro elétrico polui mais do que modelos a diesel; entenda

Stringer/Reuters
Levantamento inclui CO2 emitido na produção de baterias e energia para recargas Imagem: Stringer/Reuters

Ricardo Ribeiro

Colaboração para o UOL, em Ghent (Bélgica)

2019-04-30T07:00:00

30/04/2019 07h00

Resumo da notícia

  • Análise comparou emissões de CO2 de Tesla Model 3 e Mercedes Classe C
  • Estudo foi feito por especialistas de universidades alemãs
  • Alemanha é o terceiro maior mercado de carros elétricos do mundo

Um estudo cientifico publicado pelo Instituto de Pesquisas Econômicas da Universidade de Munique afirma que veículos elétricos emitem mais CO2 do que modelos a diesel. O gás é o principal responsável pelo aquecimento global e alterações climáticas.

"Os veículos elétricos dificilmente ajudarão a reduzir as emissões de CO2 na Alemanha nos próximos anos, já que a introdução de veículos elétricos não leva necessariamente a uma redução nas emissões de CO2 do tráfego rodoviário", afirma trecho da conclusão dos pesquisadores.

A análise comparou um elétrico Tesla Model 3 e um Mercedes Classe C, com motor 2.0 turbodiesel. No entanto, os cálculos não consideram apenas as emissões pelos próprios carros durante a rodagem, que obviamente é zero para o elétrico. O estudo inclui também o CO2 emitido na fabricação das baterias e na produção da energia usada para as recargas.

"Tendo em conta o atual mix de energia da Alemanha e a quantidade de energia utilizada na produção de baterias, as emissões de CO2 dos veículos elétricos são, no melhor dos casos, ligeiramente superiores às de um motor Diesel e, noutros casos, muito mais elevadas", afirmam os autores.

É que a energia no país, como em muitos outros, é gerada de várias formas. Embora 36% venha de fontes renováveis, como solar, eólica, hidroelétricas ou biomassa, ainda há usinas termonucleares e de carvão na Alemanha. O governo tem metas de redução de CO2 e prazos para encerrar essas usinas (2020 e 2038, respectivamente).

Os pesquisadores criticaram a União Europeia por classificar veículos elétricos como "zero emissões". Para eles, "a realidade é que, além das emissões de CO2 geradas na produção dos veículos elétricos, quase todos os países da UE geram emissões significativas de CO2 do carregamento das baterias a partir da utilização da rede nacional elétrica com mix de produção".

A Alemanha é o terceiro maior mercado de carros elétricos, atrás apenas de China e EUA. O governo alemão e a União Europeia têm metas e programas de incentivo para ampliar a fabricação e venda de veículos elétricos e híbridos.

Até GNV é melhor

Os autores do estudo alemão defendem que motores a hidrogênio ou a "metano verde", que seria o metano produzido a partir de fontes renováveis, são as melhores opções a longo prazo. O gás natural é indicado pelos pesquisadores como ideal para um período de transição.

"Mesmo com a tecnologia atual, as emissões totais de um motor a combustão alimentado a gás natural são já quase um terço inferiores às de um motor diesel", dizem.

Para os pesquisadores, a discussão na Alemanha está centrada apenas nos veículos movidos a bateria, enquanto há outras tecnologias com potencial que também deveriam ser incentivadas pelo governo.

Os autores do estudo são Christoph Buchal, professor de física na Universidade de Colónia, Hans-Dieter Karl, perito do Instituto de Pesquisas Econômicas da Universidade de Munique na área de energia, e Hans-Werner Sinn, ex-presidente do instituto e professor emérito da Universidade Luís Maximiliano de Munique.

Mais Carros elétricos