Topo

Testes e lançamentos


Ford Escape 2020 só nos EUA? Ford Brasil também renasce com SUVs e picapes

Jorge Moraes

Colaboração para o UOL, em Detroit (EUA)

2019-04-02T11:45:00

02/04/2019 11h45

Resumo da notícia

  • SUV nasce em Detroit como opção certa para o Brasil
  • Em "momento de cálculos", Ford não garante
  • Nós confirmamos: fontes apontam futuro cheio de utilitários no Brasil
  • Modelo se vale de muita tecnologia
  • Motorização híbrida faz parte do pacote

Do lado de cima da América, em Detroit, a Ford apresentou com estilo seu anti-Compass. O Ford Escape 2020 nasce para o mundo da plataforma "Front-wheel-drive Unibody Architecture" (ou "arquitetura monobloco de tração frontal"), trazendo versões híbrida padrão, híbrida plug-in, 4x2 e AWD, câmbio automático de oito marchas, luxo considerável a bordo... e 99,9% de chances de ser vendido no Brasil. Finalmente.

Mesmo não confirmado pelo vice-presidente da Ford do Brasil, Rogélio Golfarb, fontes apontam que desta vez o Escape vem ao nosso mercado. Golfarb, porém, defendeu ações estratégicas para a "Nova Ford" focada nos SUVs e picapes globais, mesmo no Brasil. Será o renascimento da marca apostando em linha repleta de utilitários esportivos de diferentes portes, bem como utilitários.

Assim, se o Escape nasce em Detroit, UOL Carros aponta que o modelo entrará na rota do Brasil quando começar a ser feito no México ou -- ainda em estudo -- na Argentina (substituiria, neste caso, a linha de produção do Focus, já em vias de se aposentar).

Ah! A unidade de Camaçari, na Bahia, local de produção do EcoSport e da família Ka, está praticamente fora do páreo para produção no atual estágio do negócio.

Indo direto ao assunto: quando esse novo SUV desembarca no Brasil? Escrevi acima e reforço: faça a partir de hoje a contagem regressiva para ver o modelo rodando em 2021. E não adianta dizer que é muito tempo: mesmo nos EUA, o Escape só chega como modelo 2020, no final desta temporada.

No Brasil, além dele, serão mais três novos SUVs, descontando os atuais Eco e Edge. Pode contar aí o Territory (que parece o Escape em dimensões, mas terá outra função, além de um modelo maior. E também duas novas picapes, sendo que além da futura Ranger, teremos uma picape para rivalizar a Toro e ainda um modelo de porte grande e conteúdo de luxo. Vamos atrás, porque já vimos a F-150 Raptor no Brasil e a linha tem tudo para entrar no portfólio local.

O que o Escape 2020 tem

Escape 2020 é um utilitário elegante, charmoso e dono de tecnologia invejável. Carro exibiu, em parte, o que foi apresentado na CES, em janeiro, em Las Vegas (EUA), quando a Ford propôs que o "invisível viraria realidade". Com comunicação Ford Co-Pilot360, uso de radares, nenhum motorista ou passageiro a bordo será pego de surpresa.

Esse "anjo da guarda eletrônico" do novo Escape usa sensores vigilantes para a repentina troca de faixa ou daquele pedestre que surge do nada. Alerta até mesmo alerta para o fato de ninguém estar com as mãos ao volante multifuncional -- seja porque o motorista dormiu seja porque se distraiu... ao celular. A inteligência artificial estará de olho.

Mas nem só da parte tecnológica vive o consumidor que deseja ter um SUV de status e principalmente estiloso. Design entrega elegância, que pode ser observada num 360°. A engenharia foi buscar elementos de esportividade com elementos inspirados na grade trapezoidal do Mustang, nova assinatura válida para tudo quanto será Ford.

Teto inclinado, frente e traseira com faróis e lanternas em harmonia e a silhueta suave são pontos que destaco no style do carro. Na parada, os retrovisores são rebatidos.

Divulgação
Escape/Kuga sempre esteve distante do Brasil; projeto agora é global e necessário Imagem: Divulgação

E como anda o Escape?

Por ora, a Ford não permitiu testes de direção com o SUV. Mas deu a ficha técnica. Promete ter autonomia de sobra se cumprir os 643 quilômetros prometidos por tanque. No modo híbrido para a versão de tração dianteira, são mais de 885 km, segundo o fabricante.

Para isso, motores da familia Ecoboost (turbo) com destaque para o 1.5 a gasolina das versões S, SE e SEL, com 183 cavalos. Só para lembrar o 1.5 Dragon (3-cilindros, aspirado) do Ecosport gera 137 cv com etanol. O 2.0 do Escape entrega 253 cv com 38 kgfm.

Já o Escape SE Sport e Titanium recebem o novo motor híbrido de ciclo Atkinson de 2.5 litros e câmbio CVT, gerando 237 cv e máxima de 137 km/h no modo elétrico. A chave é por botão de partida e a autonomia desse sistema é de 48 km sem poluir.

No modo plug-in são cerca de 10 a 11 horas para carregar em tomada de 110 V e 3,5 horas na 240 V. Vale pontuar que o Escape híbrido possui quatro modos de adequação à necessidade do condutor, com gasolina ou eletricidade. A bateria de íons de lítio, refrigerada por líquido, foi alojada sob os bancos de trás, sem tirar espaço do porta-malas. A do híbrido padrão, do tamanho de uma pasta, mede cerca de um terço do tamanho daquela que equipava o primeiro Escape Hybrid, o carro usado pelo então senador Barack Obama.

Divulgação
São 20 cm a mais de espaço para o EcoSport. E tecnologia semi-autônoma com inteligência artificial Imagem: Divulgação

E o tamanho do Escape 2020?

O SUV mede, no entre-eixos, 2,71 metros; no comprimento, 4, 58 m; largura sem espelho, 1,88 m, indo a 2,17 m com espelhos. A rodagem pode ser do aro 17 ao 19 no mais topado. Apenas para comparar de novo: Ecosport tem 2,51 m de entre-eixos e 4,09 m de para-choque a para-choque. O Jeep Compass, 2,63 m e 4,41 m.

Espaço interno é generoso e, num certo ponto, versátil como o de minivan, trazendo os bancos traseiros deslizantes. Detalhe que torna o Escape amigo dos caronas: no porta-malas espaço para até 1.060 litros, capacidade para acomodar quatro malas de 25 quilos.

Quanto ao painel e quadro de instrumentos, o cluster digital das versões mais completas é de 12,3 polegadas. Para fechar o tempo, peço permissão para reverenciar o sistema de dez alto falantes da Bang & Olufsen, um dos maiores ícones mundiais em matéria de som.

A partir do Escape SE, a tela flutuante de oito polegadas sensível ao toque -- item do Ecosport e do Ka -- é rápida e fácil de devorar com Sync 3 mais Android Auto ou Apple CarPlay. Mas a novidade é a sintonia com o Ford+Alexa, da Amazon, ofertando sensata entrega de tecnologia e o mundo de inteligência artificial na cabine. Isso garante controles de voz e respostas em conversa quase que natural -- ao menos nos EUA.

Para deixar a turma do celular 100% carregada não faltam conexões USB A e USB C, 12 volts e a base de carga por indução no console central.

A Ford também vai oferecer no utilitário-esportivo o piloto automático adaptativo e o assistente de estacionamento (com isso, ele fará toda a manobra sozinho). O FordPass Connect é outro recurso de série que entrega conexão Wi-Fi 4G LTE para até 10 dispositivos móveis, com serviço de assinatura compatível. Perguntei pelo 5G aos engenheiros que cuidaram da parte tech e a resposta foi direta: "Estará na mão assim que disponível". Pronto acho que contei tudo do carro.

Mas e quanto ao test-drive no Brasil? O time da Ford comenta tudo, sem afirmar nada. Mas a rede de concessionárias já comenta afirmando tudo, nos bastidores.

Quer ler mais sobre o mundo automotivo e conversar com a gente a respeito? Participe do nosso grupo no Facebook! Um lugar para discussão, informação e troca de experiências entre os amantes de carros. Você também pode seguir os nossos posts e stories na nossa conta no Instagram.

* Jorge Moraes é jornalista, influenciador digital, jurado do Prêmio UOL Carros e fala sobre tecnologia em automóveis

#Avaliação: Ford Ecosport sem estepe? Testamos a versão Titanium

UOL Carros

Mais Testes e lançamentos