Topo

Salão de São Paulo

Vai conhecer o Volkswagen T-Cross no Salão? Veja o que é destaque no SUV

Vitor Matsubara, Leonardo Felix

Do UOL, em São Paulo e no São Paulo Expo (SP)

15/11/2018 08h00

Utilitário será lançado no segundo trimestre de 2019 para balançar segmento contra HR-V, Kicks e Creta; assista

Quem acompanha a cobertura de UOL Carros sabe que já falamos bastante do Volkswagen T-Cross, SUV que será lançado no segundo trimestre de 2018 para engrossar a briga do segmento de SUVs compactos.

Modelo já foi revelado mundialmente, mas está presente no Salão de São Paulo 2018 e tem tudo para ser uma das estrelas do estande da marca alemã, ao lado da picape conceito Tarok -- que dará origem a um utilitário que dividirá linha de montagem com o próprio T-Cross em São José dos Pinhais (PR) -- e das versões GTS de Polo e Virtus.

Veja mais

+ Tarok e Polo/Virtus GTS também são estrelas da VW no Salão
Quer negociar hatches, sedãs e SUVs? Use a Tabela Fipe
Inscreva-se no canal de UOL Carros no Youtube
Instagram de UOL Carros
Siga UOL Carros no Twitter

UOL Carros confirmou com fontes ligadas à marca durante a mostra que a fábrica paranaense já iniciou a produção de unidades pré-série do T-Cross, a fim de fazer os últimos ajustes na linha de montagem. Fabricação em massa será iniciada em janeiro, com provável chegada às lojas em abril.

Preços devem ficar entre R$ 80 mil e R$ 110 mil. Está ansioso para finalmente ver o suvinho da Volkswagen ao vivo? Então assista antes ao vídeo que preparamos mostrando seus principais destaques. Confira também nosso álbum exclusivo.

Pacote completo

Derivado da plataforma MQB A0 de Polo e Virtus, o T-Cross foi um projeto desenvolvido simultaneamente em Brasil, Europa e China. Cada país inseriu características particulares em seu SUV. No caso do brasileiro, principais diferenças estão nos dois para-choques, além dos 2,65 metros de entre-eixos (mesma medida do sedã Virtus, contra 2,56 m de Polo e T-Cross europeu).

Outras mudanças foram realizadas para adequar o modelo às necessidades do mercado brasileiro e sul-americano: ele é 1 cm mais alto em relação ao solo, possui túnel longitudinal central menos sobressalente (pois não precisa dos mesmos reforços estruturais) e conta com banco traseiro fixo, embora com duas opções de ajuste para o encosto lombar.

Devido à necessidade de estepe temporário, e também à ausência de um assento corrediço na parte de trás, o porta-malas do nosso T-Cross tem volume um pouco menor, entre 373 e 420 litros a depender da regulagem escolhida para o encosto lombar.

Por outro lado, o T-Cross nacional oferecerá itens de conforto que o europeu não tem, como saídas de ar e entrada USB traseiras, além de teto solar panorâmico. Teremos opções de pintura com teto na cor da carroceria ou bicolor preto, enquanto na Europa os consumidores poderão ainda escolher um teto branco.

Motorização será 1.0 (115/128 cv) ou 1.4 (150 cv) turboflex, sendo o primeiro propulsor acoplado a câmbio manual de cinco ou automático de seis marchas, enquanto o segundo virá sempre aliado a transmissão com conversor de torque.

Mais Salão de São Paulo